Campeã da São Silvestre, Roseli Machado morre de covid-19

(Tião Moreira/via Agência Brasil)

Faleceu nesta quinta-feira (8), aos 52 anos, a ex-fundista Roseli Aparecida Machado, vítima do novo coronavírus (covid-19). Segunda brasileira a vencer a Corrida Internacional de São Silvestre na história e atleta olímpica nos Jogos de Atlanta (Estados Unidos), no mesmo ano, Roseli estava internada em Curitiba. De acordo com a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), ela foi intubada há duas semanas e não resistiu à doença.

Natural de Coronel Macedo (SP), Roseli cresceu em Santana do Itararé (PR). Começou a praticar atletismo aos 14 anos em Londrina (PR) e destacou-se nas provas de longa distância. Em 1996, ficou em 22º lugar na prova dos cinco mil metros em Atlanta, após levar uma pisada no calcanhar na corrida, e foi campeã da São Silvestre, completando os 15 quilômetros do percurso no tempo de 52 minutos e 32 segundos.

A paulista teve de encerrar a carreira em 1997, por conta de uma cirurgia malsucedida, mas seguiu ligada ao esporte. Formou-se em Educação Física e se especializou em Fisiologia do Exercício, passando a trabalhar como treinadora de atletismo a partir de 2002. Atualmente, tinha uma pequena empresa no ramo da construção civil.

“A Roseli teve uma história no atletismo brasileiro, venceu a São Silvestre, integrou a seleção brasileira, treinou nos Estados Unidos. Nós tínhamos uma grande amizade, fomos atletas pelo mesmo clube, treinamos juntos quando eu era juvenil, defendemos Londrina no começo das nossas carreiras. Estou muito sentido, vem as lembranças… Treinamos juntos na pista de Londrina quando era de saibro ainda”, disse o presidente do Conselho de Administração da CBAt, Wlamir Motta Campos, em nota divulgada pela entidade.

Por Lincoln Chaves, da Agência Brasil

Campeão da São Silvestre é definido nos últimos segundos

Por Daniel Mello



O queniano Kibiwott Kandie foi o campeão da São Silvestre de 2019. Ele ultrapassou, nos últimos segundos, o ugandense Jacob Kiplimo, que vinha dominando a prova.

Os dois cruzaram a faixa com os corpos quase colados um ao outro, definindo os dois primeiros lugares da corrida aos 42 minutos e 59 segundos.

O terceiro lugar ficou para Titus Ekiru, também queniano, que neste ano venceu a Maratona de Milão e a Meia de Lisboa. Ele chegou 55 segundos após o primeiro colocado.

A queniana Brigid Kosgei confirmou o favoritismo e foi a primeira do pelotão de elite feminino a cruzar a linha de chegada da corrida de São Silvestre, na Avenida Paulista. Recordista da Maratona de Chicago, a atleta fez na manhã de hoje (31) a sua estreia na 95ª edição da corrida que ocorre anualmente nas ruas da cidade de São Paulo, completando o trajeto de 15 quilômetros em 48 minutos e 54 segundos.

O segundo lugar da prova também foi ocupado por uma queniana, Sheila Shelangat.

A terceira posição no pódio feminino ficou comTisadk Nigus, da Etiópia.

Multidão de amadores

Além dos competidores profissionais, uma multidão de anônimos percorreu o trajeto sob o sol forte e céu limpo desta manhã. O número de inscritos chegou a 35 mil, incluindo pessoas de diversas partes do país, como anunciavam as faixas levadas por muitos corredores com nomes de cidades como Rio das Ostras (RJ), Itajai (SC) e Assis Chateubriand (PR).

Carregando balões com os numerais do ano de 2020, o grupo de amigos de Jesus Rodrigues, veio de Rubiataba, em Goiás.

Segundo o professor, de 39 anos, a intenção é “iniciar o ano com o pé direito, correndo”. Pela primeira vez na São Silvestre, ele disse que já participou de outras provas regionais. “Eu sempre corro na minha cidade e participo das competições no meu estado.”

No mesmo grupo de oito pessoas do professor, está a bancária Beatriz Arriel, que comemora a recuperação de um problema no joelho. “Eu tive uma pequena lesão e o próprio médico que me tratou disse que queria me ver na São Silvestre. Hoje eu estou aqui, livre da lesão”.

Com 75 anos e um banjo debaixo do braço, Dempsez Lima Filho participou hoje pela 22ª vez da prova. “É a felicidade de vir aqui e encontrar os meus netos que cuidam de mim na corrida”, definiu sobre o sentimento de participar da prova.

São Silvestre vai reunir 30 mil corredores

Por Fernanda Cruz, da Agência Brasil

(Arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Começa hoje (27) a distribuição dos kitscom chip e camiseta para atletas e amadores inscritos na 94ª Corrida Internacional de São Silvestre, a tradicional prova que ocorre no dia 31 de dezembro em São Paulo. Os cerca de 30 mil corredores têm até domingo (30) para retirar seus kits no Palácio de Convenções do Anhembi, zona norte da cidade.

No pelotão de elite, participam 30 competidores estrangeiros da Etiópia, do Bahrein, Quênia, de Uganda, da Tanzânia, Argentina, do Equador e da Bolívia. O percurso tem 15 quilômetros, com largada às 8h20 na Avenida Paulista, próximo ao número 2.000, e chegada em frente ao prédio da Fundação Cásper Líbero, também na Avenida Paulista, número 900.

Estrelas

Foram confirmados pela organização do evento os atletas Dawitt Admasu (campeão da São Silvestre em 2014 e 2017), Sintayehu Hailemicheal  (vice-campeão da São Silvestre em 2017), Paul Kipkemboi (campeão da Meia Maratona do Rio de Janeiro deste ano), Nicholas Kieter (segundo colocado na Volta Internacional da Pampulha deste ano),  Edwin Rotich, (segundo colocado na Meia de Madrid em 2017) e Mosinet Bayih (vice-campeão na Maratona de Chicago e campeão da Meia Maratona de Buenos Aires).

No feminino, as atrações são Esther Kakuri (campeã da Meia Maratona do Rio e da Meia Maratona de Buenos Aires, ambas em 2018) e Birtukan Alemu (campeã da Flushing Meadowns Queens este ano).

Segurança

A organização informou que vai coibir fraudes e que as ocorrências verificadas no ano passado, de número clonado sendo usado por várias pessoas, estão sendo avaliadas nas esferas civil e criminal. As áreas de acesso e dispersão serão restritas a atletas inscritos e não será permitida a presença de acompanhantes.

A pipoca (competidores sem inscrição) não será permitida, uma vez que a estrutura do evento, como os sete postos de água e outros serviços, não suportará excedentes.