São Paulo registra 35,9ºC nesta segunda-feira

Após o tempo refrescar no final de semana, com termômetros marcando 22ºC no domingo (4), o calor voltou à capital paulista. Nesta segunda (5), a temperatura em elevação chegou a 35,9ºC, com tendência do calor permanecer durante a semana até sexta-feira (9), segundo o Inmet.

Para a terça-feira (6), o calor continua na cidade e os termômetros podem marcar até 39ªC, segundo a Defesa Civil, que emitiu alerta para uma forte onda de calor nos próximos dias(Nivaldo Lima-SP AGORA)

A marca é a 5ª maior da história, segundo medições do Inmet desde 1943, para o mês de outubro. Alguns termômetros na cidade chegaram a registrar 41ºC durante a tarde desta segunda na Zona Sul da capital.

Para a terça-feira (6), o calor continua na cidade. A Defesa Civil emitiu um alerta de uma forte onda de calor, com temperaturas elevadas de até 39ªC em áreas do leste do Estado, incluindo a capital paulista, região metropolitana, Vale do Paraíba e o Litoral.

As marcas também devem chegar aos 40ºC no interior do estado, em especial nas regiões Norte e Noroeste, como em Ribeirão Preto, Araçatuba e Presidente Prudente.

Na região metropolitana, há previsão de chuva durante toda a semana. No interior, o tempo permanece firme e seco.

Na última quinta (1) e sexta (2), a capital registrou 37,4°C, a maior temperatura do ano e a 2ª maior temperatura da série histórica das medições do Inmet no Mirante de Santana. A máxima já registrada foi 37,8ºC, em outubro de 2014.

Capital registra a temperatura mais baixa do ano

A cidade de São Paulo registrou a temperatura mais baixa no ano na manhã deste sábado (22). De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os termômetros registraram 8,2ºC na estação meteorológica do Mirante de Santana, na Zona Norte da capital paulista, a menor desde 2013.

Capital registra a temperatura mais baixa do ano
Passagem de frente fria derrubou temperaturas(Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas)

Uma moradora sem-teto foi encontrada morta nesta manhã na Praça da Sé, no Centro de São Paulo. De acordo com a Secretaria de Segurança Urbana, a suspeita é de que a mulher tenha morrido por conta do frio intenso. O corpo da vítima foi encontrado por volta das 8h30 em um barraco improvisado.

Em áreas mais afastadas do centro da capital, a temperatura foi ainda menor. Na estação meteorológica do Inmet no Sesc Interlagos, a mínima foi de 7,8 °C, também a menor do ano.

Na tarde desta sexta (21), o Inmet registrou 9,3°C de temperatura às 15h, a segunda menor temperatura em 60 anos para um mês de agosto. Antes disso, a temperatura mais baixa do ano tinha sido em 29 de maio, quando os termômetros marcaram 9,6ºC.

De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), da Prefeitura de São Paulo, a frente fria se afasta do Litoral Paulista, mas os ventos úmidos que sopram do oceano ainda causam nebulosidade e chuviscos nos próximos dias. A forte massa de ar polar passa a predominar sobre o estado de São Paulo, causando frio intenso principalmente durante as madrugadas.

O sábado terá muita nebulosidade, com chuvas fracas e chuviscos, que tendem a diminuir no decorrer do dia. A sensação ainda deve ser de muito frio, com temperaturas variando entre mínimas de 8°C e máximas de 14°C.

No domingo (23) a chuva diminui e o sol aparece entre nuvens no decorrer do dia. Mesmo assim a sensação de frio segue intensa com temperaturas varia entre 9ºC e 16ºC.

Nesta semana, uma pergunta que viralizou nas redes sociais: vai nevar em São Paulo? A resposta, segundo os meteorologistas, é não. Mas pode haver forte geada no Sul do estado, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Acolhimento
A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) informou que acolheu 150 pessoas que vivem nas ruas de São Paulo nesta madrugada. Outras 82 pessoas recusaram ir para um abrigo da prefeitura. Foram distribuídos 182 cobertores.

Neve ou geada?
Sobre a possibilidade de nevar em São Paulo, a meteorologista da Climatempo é categórica. “Não, neve não. Vai esfriar muito, mas não há expectativa nenhuma de neve em São Paulo. Não há chance alguma de neve em São Paulo.”

Pelo país
Segundo o Inmet, a presença de intensa massa de ar frio pode causar geada no sábado de forma mais generalizada no oeste do estados da Região Sul e também no sul do Mato do Grosso do Sul e Sudoeste de São Paulo.

Já nevou em São Paulo?
De acordo com o Climatempo, em 25 de junho de 1918, José Nunes Belford Mattos, considerado um dos pioneiros da meteorologia no país, registrou neve em sua caderneta de observações. À época, a estação meteorológica ficava na Avenida Paulista, um dos pontos mais altos da cidade, que ainda era rodeada pela Mata Atlântica.


Segundo as anotações de Mattos, a cidade estava coberta por uma forte neblina quando “nevou” e em seguida o tempo abriu rapidamente.

De acordo com Josélia, o que deve ter ocorrido “foi a sublimação do nevoeiro, quando a água passa direto do estado gasoso para o sólido. Com isso se formam cristais de gelo, praticamente uma ‘poeira de neve’ como a que vemos em geladeiras antigas. Como a quantidade de água é pequena a condensação consome todo o vapor d’água em poucos minutos e o céu fica bem azul.”

Naquela época, “os termômetros marcavam -3°C a dois metros do solo e no chão certamente a temperatura era bem menor. Como estava muito frio, este gelinho não derreteu ao tocar o solo criando uma camada branca e dando um aspecto europeu à cidade. O fenômeno durou pouco, o gelo não resistiu ao sol da manhã”, afirma Pegorim.

Para os meteorologistas, a neve “é uma precipitação e como a chuva ela se forma dentro de uma nuvem e cai. No dia 25 de junho de 1918 não houve registro de nebulosidade e por isso este gelo não pode ser qualificado como neve, um argumento técnico que não afetou em nada o encantamento dos moradores da cidade um século atrás.”

Temperatura deve subir amanhã, mas volta a cair na sexta-feira.

Semana começa com calor e temperaturas chegam em 35º

Noite de domingo, em São Paulo, com média de 28º, segundo a Prefeitura


Calor vai marcar o início da semana, em São Paulo, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). Os termômetros disparam e chegam a 35º, derrubando também a umidade do ar, que vai ter níveis semelhantes a um deserto.

Nos últimos dias, o calor ganhou força. Durante a noite deste domingo (3), estações meteorológicas da capital registravam média de 28º na Capital Paulista. Mas na Lapa, por exemplo, os termômetros marcavam 31º.

No outro lado da cidade, na zona sul, imagens do radar meteorológico apontam chuva isolada e de fraca intensidade perto do Jabaquara e Santo Amaro.

Tendência para os próximos dias

A segunda-feira (04), segundo o CGE, terá muito sol, calor e tempo seco na Grande São Paulo. Os menores índices de umidade novamente oscilam abaixo dos 30%. Temperaturas variam entre 20º e 35º.

Já a terça-feira (05), apesar de começar o dia com sol e calor, no decorrer da tarde o tempo muda por conta da aproximação de uma frente fria. Há possibilidade de chuva forte, ventania e queda de raios. Termômetros variam entre 22º e 33º.

*com informações do CGE

Apesar da chuva da madrugada, previsão é de calor



Temporais que atingiram São Paulo durante a madrugada de hoje (28) levaram o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) a deixar a cidade em ‘Estado de Atenção’ para alagamentos. Entre as 3h15 e as 5h15, houve registro de chuva forte nas regiões Norte, Leste, Noroeste e nas Marginais Tietê e Pinheiros.

O temporal ajudou a amenizar as temperaturas na madrugada. Apesar disso, a segunda-feira será de calor e tempo abafado, segundo o CGE.

“As áreas de instabilidade que provocaram chuvas nesta madrugada enfraqueceram, restando ainda garoa e chuviscos principalmente sobre o centro e norte da cidade. Nas próximas horas estas instabilidade se dissipam gradativamente”, diz relatório do órgão.

As temperaturas devem variar hoje entre 19º e 30º graus.

“Novas áreas de instabilidade devem se propagar do interior para a Grande São Paulo, o que provoca chuvas na forma de pancadas, principalmente entre o final da tarde e à noite. Podem ocorrer pontos de até forte intensidade com raios e rajadas de vento”.

Nesta terça-feira (29), faz ainda mais calor, com temperatura máxima perto de 32º, mas pode chover no fim do dia.

Frente fria pode trazer temporal no fim do dia

Sol forte na região de do bairro Sumaré, na zona oeste de São Paulo


O sol brilhou forte na manhã de hoje e as temperaturas subiram rapidamente. Ao longo do dia, a temperatura pode passar de 30º. 

No fim da tarde, os ventos facilitam a entrada de umidade e a queda da temperatura. Os meteorologistas do CGE indicam que o dia vai terminar com céu nublado e potencial para chuviscos. Há risco de temporal e ventos fortes, segundo o Climatempo. 

“Na terça-feira (15), os ventos que sopram do oceano favorecem o ingresso de umidade e a formação de muitas nuvens em toda a faixa leste paulista. Por conta disso, a temperatura máxima cai e há potencial para garoa, principalmente no início e no fim do dia. Os termômetros oscilam entre 18°C ao amanhecer e 24°C à tarde”, aponta o CGE.

“A quarta-feira (16) começa com muitas nuvens, mas ainda pela manhã o sol aparece e favorece a rápida elevação da temperatura. Por conta do calor e da entrada da brisa marítima, áreas de instabilidade se formam e provocam pancadas de chuva de forma isolada, mas com até forte intensidade entre o meio e o fim da tarde. Mínima de 18°C e máxima de 28°C”, finaliza.

Após noite agradável, veja como fica o tempo hoje

Por do sol na Zona Norte de São Paulo (Nivaldo Lima/SP Agora)

A noite de ontem (18) ficou com a temperatura mais agradável, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), após mais um dia quente. Mas a temperatura amena, que chegou a 18ºC, em média, foi apenas um alívio diante da jornada de calor que atinge a região metropolitana.

Hoje (19), apesar do dia começar com média abaixo de 20ºC, ao longo do dia os termômetros sobem e chegam a 34ºC à tarde. A massa de ar seco ainda predomina sobre boa parte da região e impede a entrada de frentes frias.

O cenário se repete amanhã (20), com máxima de 35ºC, mas uma frente fria de fraca atividade se propaga pelo litoral, no fim da tarde, afastada da costa, provocando aumento de nebulosidade e rajadas de vento, além de favorecer o retorno das chuvas de forma isolada para a Grande São Paulo.

Decretado estado de alerta por causa do tempo seco

Por  Camila Boehm

(Nivaldo Lima/SPAGORA)

A Defesa Civil Municipal da capital paulista decretou estado de alerta para baixa umidade do ar, que atingiu valores em torno do 20% na tarde de hoje (11).

Os termômetros das estações meteorológicas do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da prefeitura registraram 34ºC.

De acordo com o centro, as condições meteorológicas do momento – tempo seco e altas temperaturas – dificultam a dispersão de poluentes, além de favorecer a formação e propagação de queimadas, o que prejudica a qualidade do ar nos centros urbanos. No final do dia, a chegada da brisa marítima deve ajudar a melhorar um pouco os índices de umidade, mas não há condições para chuva na Grande São Paulo.

As recomendações da Defesa Civil, em casos de ondas de calor e pouca umidade, incluem: evitar exercícios físicos ao ar livre nos momentos mais quentes do dia (11h às 17h); permanecer em locais protegidos do sol; evitar sair ao ar livre sem proteção solar; usar soro fisiológico nos olhos e narinas; e umidificar o ambiente.

Frente fria muda tempo na capital paulista

Céu nublado no bairro Sumaré, zona oeste (SP Agora)

A aproximação de áreas de instabilidade associadas a propagação de uma frente fria está provocando o aumento da nebulosidade e queda da temperatura na Capital paulista. De acordo com as imagens do radar meteorológico, as chuvas fortes ocorrem de forma isolada entre São Lourenço da Serra e Juquitiba, no sudoeste da Grande São Paulo.

Estas precipitações estão se deslocando sobre a Serra do Mar, e vão atingir o município de Embu Guaçu e a região de Engenheiro Marsilac extremo sul da Capital.

Hoje o sol forte favoreceu a rápida elevação da temperatura. A máxima alcançou os 32,3°C e os menores índices de umidade se aproximaram dos 35%.

Nas próximas horas, inclusive durante a noite, há previsão de chuva. As precipitações podem ser fortes e vir acompanhadas de trovoadas, rajadas de vento e potencial para formação de alagamentos.

*com informações do CGE

Tempo seco prejudica qualidade do ar

A baixa umidade do ar e o tempo estável estão dificultando a dispersão de poluentes na capital paulista. São Paulo amanheceu neste sábado (14) com uma visível camada de poluição estacionada sobre a cidade. A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) considerou ruim a qualidade do ar na manhã de hoje, assinalando a presença de partículas inaláveis.

O índice da companhia, que vai de 0 (qualidade boa) a 200 (péssima) estava em 88 por volta das 11h, na última atualização divulgada. Segundo a Cetesb, nessas condições, pessoas com doenças cardíacas ou pulmonares, idosos e crianças devem reduzir o esforço físico ao ar livre. A população em geral pode apresentar sintomas como ardor nos olhos, nariz e garganta, tosse seca e cansaço.

De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) de São Paulo, o tempo hoje deverá permanecer seco, com umidade abaixo de 30% no período da tarde e temperaturas baixas nas próximas madrugadas, com rápida elevação no decorrer do dia. A previsão do tempo indica que o baixo índice de umidade deverá persistir nos próximos dias, elevando o potencial para formação de queimadas e má qualidade do ar.

Para evitar problemas de saúde no período seco, a Secretaria de Estado da Saúde recomenda ingerir bastante líquido, não fazer exercícios físicos entre as 10h e as 17h quando a umidade do ar estiver baixa, deixar um recipiente com água ou um pano molhado no quarto antes de dormir, lavar as narinas com soro fisiológico, manter os ambientes arejados e livres de tabaco e poeira e evitar frequentar lugares fechados em que haja grande concentração de pessoas, como shopping centers, supermercados e cinemas.

Clique aqui e veja que o tempo segue seco no fim de semana.

(Bruno Bocchini/Agência Brasil)