Acusado de sequestrar e matar Vitória é condenado

Vitória Gabrielly foi morta, por engano, aos 12 anos (Álbum de Família/Reprodução)


O Tribunal do Júri de São Roque, no interior de São Paulo, condenou Júlio Cesar Lemos Egresse à pena de 34 anos de prisão, em regime inicial fechado, e pagamento de 14 dias-multa, pelo assassinato da menina Vitória Grabrielly. A condenação considerou quatro qualificadoras – motivo torpe, meio cruel, recurso que dificultou a defesa da vítima e assegurar a ocultação e impunidade de outro crime – que ampliam a pena de homicídio, além dos crimes de sequestro e ocultação de cadáver.

 Segundo a denúncia do Ministério Público, em junho do ano passado o réu praticou os crimes na companhia de um casal, após sequestrar a menina que tinha 12 anos, por engano, quando ela andava de patins perto da casa dela, em Araçariguama. A investigação mostrou que o crime foi praticado por motivo de vingança envolvendo dívidas com o tráfico de drogas e teria como alvo uma criança com características semelhantes a Vitória.

Na sentença, o juiz Flavio Roberto de Carvalho destacou a frieza do acusado ao praticar o crime, “calculista e com requintes de sadismo”. Lembrou, ainda, que o histórico do réu demonstra que ele sempre esteve envolvido em crimes graves. Cabe recurso da sentença. 

Mayara, Bruno Marcel e Júlio são acusados de matar a adolescente por engano
(Record TV/Reprodução)

*Com informações do Tribunal de Justiça de SP

Vera Fischer será homenageada em Festival de Cinema

Atriz Vera Fischer será homenageada no Festival de Cinema de Vitória (Patricia Lino/Divulgação)

Uma das atrizes mais marcantes da teledramaturgia e do cinema brasileiro, Vera Fischer será a homenageada nacional da 26ª edição do Festival de Cinema de Vitória, que acontece de 24 a 29 de setembro, no Centro Cultural Sesc Glória, no Centro de Vitória. 

Com um extenso currículo, que inclui 22 filmes, 23 novelas e mais de 10 séries e programas especiais de TV, além de 12 peças para o teatro, a atriz receberá o troféu Vitória e os aplausos do público no dia 26 de setembro. No mesmo dia, às 15h, acontecerá o lançamento do caderno da homenageada, no Hotel Senac Ilha do Boi. A publicação exclusiva será assinada pelo jornalista e escritor Jace Teodoro.

Dona de uma presença marcante nas produções das quais participou, Vera Fischer nasceu em Blumenau, Santa Catarina, e iniciou sua carreira artística como modelo, sendo eleita Miss Brasil em 1969, o que lhe conferiu projeção nacional. Sua primeira incursão no universo audiovisual foi no cinema nacional, mas a sua estreia nas telenovelas, como Diana Queiroz (Débora) em “Espelho Mágico”, de 1977, elevou seu status para atriz de grandes produções televisivas, que permanecem na mente de muitos brasileiros, como “Sinal de Alerta” (1978), “Os gigantes” (1979), “Coração Alado” (1980) e “Brilhante” (1981).

Prêmios

Um dos papéis mais memoráveis da atriz é o de Jocasta Silveira, de “Mandala” (1987), que elevou ainda mais o seu status de diva televisiva, valendo a indicação para o Troféu Imprensa de melhor atriz no mesmo ano. Antes disso, ela já havia sido contemplada como melhor atriz pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) pelo papel de Tânia Velasco, no filme “Intimidade” (1975); e pelo Festival de Brasília, ganhando o Troféu Candango de melhor atriz por interpretar Anna, em “Amor Estranho Amor”, produção de 1982. Em 2000, venceu como melhor atriz no prêmio ‘Melhores do Ano’, pelo papel de Helena Lacerda Soriano, na novela “Laços de Família”.

Teatro

Além do cinema e televisão, a atriz também participou de grandes produções como “Negócios de Estado”, de Louis Verneuil; “Macbeth” (1992), de Shakespeare; “Desejo” (1993), de Eugene O’Neill, reprisando um de seus mais memoráveis papéis, como Ana Emília Ribeiro da Cunha Assis, na série televisiva de mesmo nome, que foi ao ar em 1990. Outras grandes produções do teatro das quais participou foram “Gata em Teto de Zinco Quente” (1998), de Tennessee Williams; “A Primeira Noite de um Homem” (2004), de Charles Webb; e “Porcelana Fina” (2006), de Georges Feydeau. Em 2007, além de estrelar a peça “Confidências”, de Perry Salles, também foi sua diretora.

Entre as produções mais recentes estão “Ela é o Cara”, de Márcio Araújo e Andrea Batitucci, e “Doce Pássaro da Juventude”, de Tennessee Williams, ambas as peças de 2017. 

Novas produções

Sua presença em novelas é sempre motivo de boa audiência, por conta dos fãs e admiradores de seu trabalho. Vera Fischer ainda reina nas produções televisivas, como na elogiada série “Assédio”, de 2018, transmitida na TV Globo e também disponível na Globo Play. Além disso, a atriz interpretou Ana Tanquerey, personagem da novela “Malhação: Vidas Brasileiras”, e encarou o desafio de viver três personagens em “Espelho da Vida”, separadas pelo tempo: Carmo, uma diva do cinema; Gertrude, personagem do passado; e Hildegard, personagem do filme retratado na trama. No teatro, a atriz está escalada para estrelar, ainda em 2019, a peça “Quando eu for mãe quero amar desse jeito”, de Eduardo Bakr e Tadeu Aguiar.

O 26º Festival de Cinema de Vitória tem o patrocínio do Ministério da Cidadania, através da Lei de Incentivo à Cultura, da ArcelorMittal, do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul – BRDE, do Fundo Setorial do Audiovisual – FSA e da Ancine, com o apoio da Rede Gazeta e da Prefeitura Municipal de Vitória. O Festival conta também com o apoio institucional do Centro Técnico do Audiovisual – CTAv. A realização é da Galpão Produções e do Instituto Brasil de Cultura e Arte.

Aeroportos serão leiloados esta semana em São Paulo

Aeroporto de Vitória, no Espírito Santo, está na lista de privatização (Infraero/Reprodução)

O leilão da concessão de três blocos de aeroportos está marcado para a próxima sexta-feira (15), às 10h, na B3, a Bolsa de Valores de São Paulo. Localizados nas regiõeso Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste, os 12 aeroportos, juntos, recebem 19,6 milhões de passageiros por ano, o que equivale a 9,5% do mercado nacional de aviação. O investimento previsto para os três blocos é de R$ 3,5 bilhões.

Na terça-feira (12), as empresas e consórcios devem apresentar as propostas em duas vias em envelopes lacrados, os quais deverão conter as propostas, as garantias e os documentos.

Em novembro, conforme o anúncio feito pelo Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), o valor mínimo de outorga, para arrematar os 12 terminais, será de R$ 219 milhões, à vista.

Ao longo da concessão o valor total da outorga é de R$ 2,1 bilhões. O prazo de concessão será de 30 anos.

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os 12 aeroportos que devem ser leiloados são os de Cuiabá, Rondonópolis, Sinop e Alta Floresta, em Mato Grosso; de João Pessoa, do Recife, de Maceió, Aracaju, Juazeiro do Norte, no Ceará, e de Campina Grande, da Paraíba; de Macaé, no Rio de Janeiro, e de Vitória, no Espírito Santo. 

Em janeiro, o diretor do Departamento de Políticas Regulatórias da Secretaria Nacional de Aviação Civil (SAC), Ronei Saggioro Glanzmann, disse que a previsão é concluir todo o processo de concessão dos aeroportos em quatro anos.