Capital

Vereador Marlon Luz pede cassação de mandato de Camilo Cristófaro por racismo

O vereador Marlon Luz (MDB) apresentou nesta segunda-feira (21) um relatório sobre o caso de racismo envolvendo seu colega Camilo Cristófaro (Avante), pedindo a cassação do mandato do parlamentar à Corregedoria da Câmara Municipal de São Paulo. O relatório destaca a quebra de decoro parlamentar e afirma que a fala de Cristófaro evidencia sua crença em uma suposta superioridade de certos grupos de pessoas.

O processo disciplinar referente ao caso está em andamento há quase um ano e quatro meses. Em 3 de maio de 2022, durante uma sessão híbrida da CPI dos Aplicativos, Camilo Cristófaro proferiu a seguinte frase: “Não lavar a calçada… É coisa de preto, né?”. Inicialmente, o vereador tentou justificar sua fala como uma referência a um carro, mas posteriormente afirmou que foi uma brincadeira com um amigo e que não é racista.

Vereador Marlon Luz pede cassação de mandato de Camilo Cristófaro por racismo
Vereador Camilo Cristófaro (Avante)(Divulgação)

No relatório, Marlon Luz argumenta que a fala de Cristófaro constitui uma quebra de decoro parlamentar, uma vez que a ofensa direcionada a Anderson Silva Medeiros acabou atingindo um grupo de pessoas negras na sociedade. Ao estabelecer uma conexão entre um trabalho manual deficiente e a população negra, o vereador reforçou estereótipos negativos e preconceituosos, o que configura uma violação das normas de conduta esperadas de um parlamentar.

O relator ressalta que a fala de Cristófaro não apenas prejudica a imagem da Câmara Municipal, mas também compromete a representatividade de seu mandato. A representação política é um pilar fundamental da democracia, e quando um parlamentar se expressa de maneira discriminatória, questionamentos sobre sua capacidade de representar todos os cidadãos, independentemente de sua origem étnica, surgem.

Siga nosso canal no Whatsapp

Marlon Luz destaca que a quebra de decoro ocorre quando há insultos, agressões verbais e manifestações preconceituosas. Ele conclui o relatório afirmando que a cassação do mandato do vereador Camilo Cristófaro é uma resposta firme e necessária diante de condutas que confrontam os valores democráticos e a confiança depositada pelos cidadãos em seus representantes.

A votação do relatório está agendada para quinta-feira (24) pelos membros da Corregedoria. Se aprovado por uma maioria simples dos representantes, o pedido de cassação será levado ao plenário na sessão seguinte da Casa, em 29 de agosto. Para que a cassação seja efetivada, é necessário obter a maioria absoluta dos vereadores, ou seja, no mínimo, 37 votos.

Mais artigos desta categoria

Botão Voltar ao topo
Fechar

Bloqueador de anúncios

Não bloqueie os anúncios