Polícia

Dois homens são mortos em confronto com a polícia em operação no litoral de SP

A dupla era suspeita de integrar um grupo armado que atacou os policiais do 4º Batalhão de Choque, que faziam uma operação contra o crime organizado no Morro São Bento, em Santos.

Dupla atirou contra os policiais do 4º Batalhão de Choque, que realizavam uma operação contra o crime organizado na região(Divulgação – SSP-SP)

Uma troca de tiros entre policiais militares do 4º Batalhão de Choque, do Comando de Operações Especiais (COE) e bandidos no Morro São Bento, em Santos, no litoral de São Paulo, na noite desta sexta-feira (9), deixou pelo menos dois homens, de 36 e 37 anos, mortos. Os policiais faziam parte da Operação Escudo, uma ação policial que visa combater o crime organizado e localizar os responsáveis pela morte de um soldado da Rota, ocorrida na semana passada.

Segundo o boletim de ocorrência, a equipe policial estava em patrulhamento na área de mata do Morro São Bento, quando se deparou com os criminosos armados na Rua São Mateus. Um dos homens estava com uma mochila e o outro com uma sacola. De acordo com a corporação, os indivíduos passaram a atirar na direção dos policiais, que revidaram com tiros de fuzil. Ao todo, foram dez disparos: sete realizados por um dos agentes e três por outro. A dupla foi atingida e socorrida e levada para o Hospital Santa Casa de Santos, mas não resistiu.

Os homens foram identificados como Jefferson Ramos Miranda e Leonel Andrade Santos. Em varredura pelo local do confronto, a polícia encontrou e apreendeu as armas usadas pelos suspeitos, sendo um revólver calibre 38 com um projétil deflagrado e cinco intactos e uma pistola semiautomática 45, com oito projéteis intactos. Além disso, foram localizadas drogas em uma sacola plástica, duas mochilas e uma pochete: 2,5 mil eppendorfs com porção em pó de cocaína, 228 porções de maconha, 198 pedras de crack e 22 porções de haxixe. Dois rádios-transmissores com carregador, um celular e papéis com contabilidade do tráfico também foram apreendidos.

A SSP-SP informou que todos os casos de mortes em confronto com a polícia são rigorosamente investigados pela 3ª Delegacia de Homicídios da Deic de Santos, com o acompanhamento do Ministério Público e do Poder Judiciário. A Corregedoria da Polícia Militar também acompanha os casos para apurar possíveis abusos ou excessos.

Siga nosso canal no Whatsapp

A Operação Escudo foi deflagrada após o assassinato do soldado Samuel Wesley Cosmo, de 35 anos, que foi baleado no rosto por criminosos em uma viela no bairro São Jorge, em Santos, na noite de sexta-feira (2). O policial integrava o 1º Batalhão de Polícia de Choque e estava em operação de apoio ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na Baixada Santista. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Três suspeitos de envolvimento na morte do soldado foram presos na madrugada de sábado (3), na Rodovia Anchieta-Imigrantes, próximo a Cubatão. Com eles, foram apreendidos uma pistola, cartões bancários, celulares e um comprovante de transferência de R$ 96 mil. A polícia ainda procura por outros envolvidos no crime.

Desde então, a operação resultou em diversas ocorrências de confrontos entre policiais e suspeitos em várias cidades da Baixada Santista, como Santos, São Vicente, Guarujá e Cubatão. Em alguns casos, os suspeitos estavam armados e atiraram contra os policiais, que revidaram. Em outros casos, os suspeitos tentaram fugir ou resistir à abordagem e foram baleados. A maioria dos mortos ainda não foi identificada.

A operação também deixou feridos, entre eles, um policial militar que foi baleado na perna durante um tiroteio no bairro Jardim Casqueiro, em Cubatão, na noite de quarta-feira (7). Ele foi socorrido e passa bem. Outro suspeito morreu ao pular do quarto andar de um prédio para escapar da polícia, em Santos, na manhã de quarta-feira (7).

A operação também resultou em prisões, apreensões de armas, drogas, veículos e dinheiro, além de flagrantes de crimes como tráfico de drogas, roubo, furto, receptação, porte ilegal de arma, entre outros. A SSP-SP não divulgou o balanço completo da operação até o momento.

A Operação Escudo é a oitava operação do tipo desde julho de 2023, quando foi iniciada após a morte do soldado Patrick Bastos Reis, também da Rota, em um patrulhamento no Guarujá. A primeira fase da operação deixou ao menos 28 mortos, 958 presos, 117 armas apreendidas e 977 quilos de drogas recolhidos. A operação também é a sexta deste ano, após outras cinco operações deflagradas em janeiro, após ataques a policiais na capital e no interior.

Mais artigos desta categoria

Botão Voltar ao topo
Fechar

Bloqueador de anúncios

Não bloqueie os anúncios