China aprova resolução que consolida poder de Xi Jinping

Documento iguala Xi Jinping a Mao Tsé-Tung e Deng Xiaoping
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O Partido Comunista da China (PCCh) aprovou nesta quinta-feira (11/11) uma “resolução histórica” que consolida a liderança absoluta do secretário-geral da legenda e presidente do país, Xi Jinping.

Ao encerrarem uma reunião de quatro dias em Pequim, os membros do 19º Comitê Central do PCCh aprovaram um texto que cria bases para um terceiro mandato de Xi Jinping, o qual deverá ser confirmado em um ano, no próximo Congresso do partido.

A resolução, que destaca “a nova viagem em direção à modernização socialista da China” sob a liderança de Xi, é a terceira aprovada pelo PCCh desde 1945. A primeira alçou Mao Tsé-Tung à liderança do partido, e a segunda, de 1981, foi usada por Deng Xiaoping para reafirmar seu poder e oficializar o começo do período de reformas capitalistas e abertura do país.

Xi Jinping acena em uma tribuna
Xi Jinping, presidente da China (Ju Peng/Xinhua)

Segundo o texto, que foi difundido pela agência estatal de notícias Xinhua, o plenário apostou por “manter, de forma decidida, a posição central do camarada Xi Jinping” no PCCh.

“Os avanços e a experiência histórica acumulada até agora nos permitem entrar em uma nova viagem, para construir um país socialista moderno em todos os aspectos”, aponta o comunicado do partido.

“Somente o socialismo pode salvar a China, e somente o socialismo pode desenvolver a China”, completa a nota.

Além disso, é destacado que “o contexto internacional é cada vez mais complexo e grave”, na comparação com períodos anteriores, com os esforços para controlar a pandemia de covid-19 sendo classificados como “extremamente difíceis”.

O Partido Comunista alerta que é necessário “avançar em uma só voz”, sob a liderança de Xi, e admite que é preciso “melhorar a capacidade de responder aos riscos e desafios”.

“Devemos manter a vitalidade e liderar o povo para alcançar o grande sonho do rejuvenescimento da nação chinesa. Temos que seguir e aprender com as lutas que tivemos no passado para cumprir a missão fundamental, assim como desenvolver o socialismo com características chinesas”, aponta o texto.

A cúpula do PCCh defendeu ainda promoção da “autossuficiência científica e tecnológica, a prosperidade comum e o desenvolvimento de alta qualidade”, este último termo que vem sendo utilizado com frequência nos últimos meses.

Uma frase que é costumeiramente empregada pelo próprio Xi Jinping e que aparece na resolução é a de que “os tempos em que o povo chinês era humilhado acabaram”.

A resolução não critica líderes anteriores do país e classifica o pensamento do fundador da República Popular da China, Mao Tsé-Tung, como “um caminho revolucionário correto”.

“O Partido, sob uma liderança centralizada, alcançou que o povo tenha confiança e inove”, diz o texto, que aponta para uma próxima etapa, em que “serão colocadas em práticas novas ideias para governança, novas ideias e novas estratégias”.

Também é enfatizada a “vitória” da campanha contra a corrupção liderada por Xi Jinping, assim como o “fortalecimento da segurança nacional”, em referência a Hong Kong, que o texto afirma ter “passado do caos à ordem”, após os protestos registrados em 2019.

Sobre Taiwan, que a China reclama a soberania, o Partido Comunista reitera que não há espaço para a independência e garante seguir se opondo a “qualquer interferência de forças externas”.

Concentração de poder

Desde que assumiu a liderança da China, entre 2012 e 2013, Xi Jinping atuou para centralizar o comando do país em sua figura, lançando uma nova onda de culto à personalidade. Descrito como um “ditador” e uma figura autoritária por estudiosos e críticos do regime chinês, ele se tornou rapidamente um dos líderes mais poderosos da China desde o fundador do regime comunista, Mao Tsé-Tung (1949-1976).

O “pensamento político” de Xi também foi incluído nos estatutos do Partido e na Constituição do país, durante o Congresso do PCCh em outubro de 2017.

No poder, Xi aboliu o limite de mandatos para o seu cargo, criando um organismo com poder equivalente ao executivo para supervisionar a aplicação das suas políticas e promover aliados a posições-chave do regime, desmantelando o sistema de “liderança coletiva” cimentado pelos líderes chineses no final dos anos 1970 para evitar a repetição do período sangrento do maoísmo.

Ele também aumentou a projeção da influência internacional da China, com a expansão de projetos como a Nova Rota da Seda.

Internamente, no entanto, ele se destacou por sufocar as liberdades do território semiautônomo de Hong Kong, instalar programas de vigilância em massa da população e por provocar indignação internacional com o aprisionamento de milhares de membros da minoria uigur, numa ação descrita por grupos de defesa dos direitos humanos como “genocídio” e “crime contra a humanidade”.

A pandemia de coronavírus, que foi registrada inicialmente na China, também provocou críticas internacionais sobre falta de transparência do regime.

Desde 2017, milhões de funcionários públicos e membros do PCCh têm que ler os discursos de Xi e estudar a sua teoria política, que segundo a imprensa oficial do país representa uma “contribuição histórica” para o desenvolvimento do PCCh e a readaptação do marxismo à China contemporânea.

Por Deutsche Welle
jps/ek (Efe, DW, ots)

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *