Política

Diretor-adjunto da Abin é demitido por Lula após suspeita de espionagem ilegal

Alessandro Moretti, diretor-adjunto da agência, é suspeito de participar de um esquema de produção de informações clandestinas durante o governo Bolsonaro

“Eu não posso admitir que a Abin seja usada para fins políticos ou para espionar quem quer que seja”, afirmou Lula(Ricardo Stuckert – PR)

Lula exonerou nesta terça-feira (30) Alessandro Moretti do cargo de diretor-adjunto da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A demissão foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União e ocorre um dia após a Polícia Federal (PF) deflagrar uma operação que investiga um suposto esquema de espionagem ilegal dentro da Abin durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Segundo a PF, Moretti teria integrado uma “estrutura paralela” de produção de informações clandestinas na Abin, que teria como objetivo monitorar e prejudicar adversários políticos de Bolsonaro, como o ex-ministro da Justiça Sergio Moro e o governador de São Paulo, João Doria. Um dos alvos da operação foi o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do ex-presidente e apontado como o mentor do esquema.

A operação, batizada de Vigilância Aproximada, cumpriu 21 mandados de busca e apreensão em Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. Foram apreendidos celulares, computadores, documentos e equipamentos de espionagem. A PF também solicitou o afastamento de Moretti e de outros servidores da Abin envolvidos no caso.

Moretti é delegado da PF e estava na Abin desde março de 2023, quando foi nomeado pelo então diretor-geral da agência, Alexandre Ramagem, que hoje é deputado federal pelo PL-RJ. Ramagem também é investigado pela PF por suposta participação no esquema de espionagem. Ele nega as acusações e diz que a operação é uma “perseguição política” contra ele e Bolsonaro.

Siga nosso canal no Whatsapp

Em entrevista, Lula declarou que se fosse comprovado o envolvimento de Moretti no monitoramento ilegal feito no governo passado, não haveria condições de ele permanecer na instituição.

“Eu não posso admitir que a Abin seja usada para fins políticos ou para espionar quem quer que seja. A Abin é um órgão de Estado, que deve servir aos interesses da nação, e não de um governo ou de um partido. Se ficar comprovado que houve desvio de conduta, os responsáveis serão punidos com rigor”, declarou Lula.

Com a saída de Moretti, o segundo maior posto da Abin será ocupado por Marco Aurélio Chaves Cepik, que é professor universitário e o atual diretor da Escola de Inteligência da Abin. Além dele, outros sete diretores de departamentos da agência também serão substituídos, em uma ampla reformulação do órgão.

Mais artigos desta categoria

Botão Voltar ao topo
Fechar

Bloqueador de anúncios

Não bloqueie os anúncios