Atirador mata ao menos oito pessoas em universidade na Rússia

Estudantes tentam fugir de atirador

Um atirador abriu fogo numa universidade na cidade russa de Perm, nesta segunda-feira (20/09), matando ao menos oito pessoas e deixando 24 feridas, disseram autoridades russas de segurança.

Testemunhas disseram que o atirador caminhava pelo campus quando começou a disparar. Ele foi mais tarde detido pela polícia, acrescentaram as autoridades. Ferido durante enfrentamento com a polícia, ele foi levado para um hospital. A universidade havia inicialmente comunicado que o atirador fora morto pela polícia, o que não se confirmou.

As autoridades de segurança russas disseram que o atirador é um estudante da universidade. A imprensa local o identificou como um estudante de 18 anos e divulgou imagens dele, tiradas das redes sociais, posando com armas de fogo. Ele teria dito às autoridades que agiu sozinho e não foi motivado por convicções políticas ou religiosas.

Aparentemente, o atirador usou uma arma que dispara balas de borracha e que foi modificada para ser usada com munição letal.

Estudantes, professores e funcionários se abrigaram dentro dos prédios universitários. Outros pularam janelas dos prédios diante do temor de que o atirador estivesse se aproximando. A universidade tem cerca de 12 mil estudantes, e em torno de 3 mil estavam no campus no momento do ataque.

Perm fica a cerca de 1.300 quilômetros a leste de Moscou, na parte europeia da Rússia, e tem em torno de 1 milhão de habitantes.

Em maio, um atirador abriu fogo numa escola em Kazan, também na Rússia, matando sete estudantes e dois professores e deixando várias outras pessoas feridas.

Por Deutsche Welle
as (RTR, AP)

Brasileira é morta ao salvar filha de ataque na Alemanha

(Reprodução/via Bild)

A professora brasileira de alemão Christiane H., de 49 anos, é uma das três mulheres que foram mortas num atentado a faca na cidade alemã de Würzburg, na sexta-feira passada (25/06).

Segundo o jornal alemão Bild, ela se jogou sobre a filha Akines, de 11 anos, quando o autor do atentado, um homem da Somália, avançou sobre ambas.

Uma mulher de 82 anos que estava no local puxou o agressor para longe da criança e acabou ela mesma sendo morta, relatou o diário. A criança conseguiu se libertar e correu para longe, gritando “Eu ainda não quero morrer”, segundo o jornal. Ela sobreviveu com ferimentos graves. 

Christiane e a filha chegaram no início do ano à Alemanha, onde a brasileira começaria a dar aula numa escola de Würzburg, uma cidade no sul do país. Segundo a polícia, elas moravam nos arredores de Würzburg.

“A filha sabe que a mãe morreu. O pai ainda está no Brasil. Tudo o que Akines quer é que o pai venha para cá”, disse uma amiga da brasileira ao Bild.

O crime aconteceu na sexta-feira passada, quando um homem da Somália, de 24 anos, atacou pessoas com uma faca num centro de compras de Würzburg, a cerca de 120 quilômetros de Frankfurt. Ele matou três mulheres e feriu outras sete pessoas.

As motivações do atentado ainda não estão claras, disseram as autoridades, que investigam uma possível motivação terrorista bem como um histórico de transtornos mentais.

Por Deutsche Welle
as/lf (OTS)

Ataque em escola na Rússia deixa ao menos 8 mortos

Ao menos oito pessoas morreram e várias ficaram feridas após um ataque a tiros numa escola na cidade russa de Kazan nesta terça-feira (11/05), segundo autoridades russas.

Rustam Minnikhanov, governador da República do Tartaristão – parte da Federação Russa de maioria muçulmana, da qual Kazan é a capital – afirmou que quatro meninos e três meninas, alunos da 8ª série, morreram no ataque, além de um professor. 

Segundo autoridades, aparentemente o atirador agiu sozinho. “O terrorista foi preso, ele tem 19 anos de idade. Uma arma de fogo está registrada em seu nome. Outros cúmplices não foram identificados. Uma investigação está em curso”, disse o governador após visitar a escola, classificando o ocorrido de uma grande tragédia para todo o país. 

https://twitter.com/tvrain/status/1392025429230374912

De acordo com a imprensa russa, o jovem teria anunciado o ataque pouco antes no Telegram. Ele teria ingressado na escola pela entrada principal com uma metralhadora e atirado imediatamente à sua volta.

Vídeos em redes sociais mostram pessoas pulando das janelas do prédio e fugindo. Os alunos foram retirados da escola, parte deles sendo abrigada num jardim de infância vizinho. Imagens mostraram dezenas de ambulâncias diante da escola.

Segundo Minnikhanov, 16 pessoas foram hospitalizadas após sofrerem ferimentos no ataque, incluindo 12 crianças, seis das quais estão na UTI. Segundo a agência de notícias Associated Press, o número de feridos reportado por autoridades de saúde locais foi 21, sendo 18 crianças – seis delas internadas na UTI. 

Autoridades afirmaram que medidas de segurança adicionais foram implementadas em todas as escolas de Kazan, que fica cerca de 700 quilômetros a leste de Moscou. Também anunciaram um dia de luto nesta quarta-feira em memória das vítimas. O Ministério de Emergências da Rússia enviou um avião com médicos e equipamentos para Kazan.

Após o ataque, o presidente russo, Vladimir Putin, manifestou suas condolências aos familiares dos mortos e ordenou uma revisão da legislação de controle de armas no país.

“O presidente deu ordem para elaborar urgentemente uma nova disposição relativa aos tipos de armas que podem estar em mãos civis, levando em conta a arma” utilizada no ataque, disse a repórteres o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov. 

Ataques a tiros em escolas são raros na Rússia. Um dos maiores incidentes do tipo recentes ocorreu na Crimeia, anexada pela Rússia, em 2018, quando um estudante matou 19 pessoas antes de tirar a própria vida. 

Por Deutsche Welle
lf (AP, Reuters, AFP, DPA, ARD)

Atentado em escola deixa ao menos cinco mortos

(Imprensa do Povo/Reprodução)

Um jovem de 18 anos invadiu, hoje (4), uma creche na cidade de Saudades (SC) com um facão e matou ao menos três crianças e duas professoras. Outros feridos foram levados para o hospital.

A identidade do agressor e os nomes das vítimas não foram confirmados por fontes oficiais. Segundo a Polícia Militar de Santa Catarina, após cometer os crimes, o rapaz tentou suicídio e foi levado a um hospital da cidade de Pinhalzinho.

Policiais militares e servidores da prefeitura estão no local atendendo à ocorrência. Segundo o subcomandante do batalhão da PM em Chapecó, major Rafael Antônio da Silva, o criminoso foi contido por populares até a chegada dos primeiros policiais e bombeiros.

“Infelizmente, ao chegarem, os bombeiros se depararam com pessoas já mortas, não podendo nem mais conduzi-las ao hospital”, disse Silva à Agência Brasil. O agressor, por sua vez, cortou o próprio pescoço com o facão que usou para atacar a suas vítimas e foi socorrido em estado grave.

De acordo com o subcomandante, ainda não se sabe o motivo do crime. As primeiras informações dão conta de que o rapaz não tem nenhum vínculo com a creche, onde estudam crianças de 6 meses a 2 anos de idade.

“Ele mora na cidade e entrou no estabelecimento portando o facão que usou contra as vítimas. Uma professora e duas crianças morreram no próprio local. Outra professora, gravemente ferida, morreu no hospital e ao menos uma criança ferida está internada”, explicou Silva.

*Com Agência Brasil 

Mulher recebe carta-bomba e está internada

Uma mulher ficou gravemente ferida após abrir um pacote-bomba em Francisco Morato, na Grande São Paulo. Após a explosão, a vítima, de 49 anos, precisou passar por cirurgia, mas está fora de perigo.

A operadora de telemarketing foi vítima de uma surpresa que quase lhe custou a vida. Segundo as primeiras informações da Polícia, ela viajou no final do ano para o litoral do Estado, onde passou o réveillon com um amigo e o filho dela, de cerca de 25 anos.

Na noite desta terça-feira, ao voltar para casa, no Jardim Virgínia, recebeu de parentes a informação de que havia chegado o que parecia ser um presente, acompanhado de um buquê de flores. A mulher decidiu abrir a caixa, supondo ser uma surpresa feita pelo amigo com quem havia viajado.

Foi neste momento que uma fumaça começou a sair do pacote e, em seguida, ocorreu a explosão, que quase destruiu o cômodo. Com ferimentos nas mãos, ouvido e abdômen, a operadora de telemarketing foi levada por parentes para a Santa Casa de Misericórdia de Franscisco Morato, onde continua internada.

A residência foi isolada pela Polícia para o trabalho da equipe de peritos, e o caso, registrado na Delegacia Central de Francisco Morato. A operadora de telemarketing acredita em vingança e acusa um ex-namorado, com quem ela manteve um relacionamento que durou cerca de um ano e meio e terminou em 17 de dezembro, após a mulher descobrir que ele era casado. Outro detalhe que reforça a suspeita é o fato de o cartão que acompanhava o buquê ser igual a outro enviado a ela pelo ex-companheiro no período em que o casal esteve junto.

https://www.youtube.com/watch?v=ka5FTfalmJs

Com informações de Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan

Ruas desertas, 4 mortos: Áustria caça suspeitos de atentado

(Reprodução)

Com Viena praticamente sitiada, a Áustria faz uma verdadeira caçada a potenciais terroristas nesta terça-feira (03/11), um dia depois de um atentado ter deixado pelo menos quatro mortos e vários feridos em estado grave na capital.

Até agora, sabe-se que esteve envolvido no ataque um jovem de 20 anos, cidadão austríaco e da República da Macedônia do Norte, que já fora condenado por ligação com uma organização terrorista. Ele foi morto pela polícia ainda na terça, em troca de tiros.

Só na manhã desta terça, mais de 15 casas foram alvo de batidas policiais e, segundo as primeiras informações, várias pessoas potencialmente ligadas ao terrorista foram detidas.

“Nós nunca vamos permitir que esse ódio ganhe terreno”, afirmou o chanceler federal (premiê), Sebastian Kurz, em discurso em rede nacional nesta terça. “Este não é um conflito entre cristãos e muçulmanos, nem entre austríacos e imigrantes. Nosso inimigo, o terrorismo islâmico, não quer apenas causar morte e dor, mas também dividir nossa sociedade.” A Áustria, completou o chefe de governo, vai defender sua democracia, direitos básicos e estilo de vida liberal.

O ataque aconteceu na noite de segunda-feira, dia de bares e restaurantes cheios, com as pessoas aproveitando a última noite antes de o país entrar num lockdown parcial devido à segunda onda da pandemia de coronavírus.

Pelo menos um atirador abriu fogo contra passantes, e atingiu dezenas de pessoas em seis locais diferentes. Quatro mortes foram até agora confirmadas – dois homens e duas mulheres. Entre os feridos, sete estão em estado grave num hospital de Viena.

“Fomos vítimas de um ataque terrorista desprezível”, afirmou Kurz, ainda na noite do atentado.

O chanceler disse serem desconhecidos os motivos exatos dos ataques, mas uma motivação “antissemita” não pode ser descartada – “pelo lugar onde o ataque começou”, perto de uma sinagoga. 

Supostas imagens do ataque, não certificadas pelas autoridades, foram publicadas nas mídias sociais. Elas mostram um atirador andando pelas ruas, aparentemente disparando a esmo, e ferindo várias pessoas. Não está claro se o atirador era o mesmo indivíduo em cada vídeo.

Depois do ataque inicial na rua onde fica uma sinagoga, o terrorista – ou os terroristas – deslocou-se pelo centro da cidade e disparou contra passantes nos calçadões. As pessoas se refugiaram dentro de bares, lojas e restaurantes.

As autoridades ainda tentam determinar se há terroristas em fuga. Os moradores de Viena foram instados a permanecer em casa, e as crianças foram liberadas das aulas. Cerca de mil policiais patrulhavam as ruas praticamente desertas de Viena na manhã desta terça-feira.

Em 1981, duas pessoas foram mortas e 18 feridas durante um ataque cometido por dois palestinos na mesma sinagoga nos arredores da qual o ataque de segunda-feira aconteceu.

Nos últimos anos, a Áustria vinha sendo poupada do tipo de ataques em grande escala vistos em Paris, Berlim e Londres.

RPR/dpa/ots

Por Deutsche Welle

PF conclui 2º inquérito sobre atentado a Bolsonaro

Suspeito foi preso em flagrante e apresentado na delegacia de Juiz de Fora (Reprodução)

A Polícia Federal (PF) encerrou as investigações a respeito dos supostos financiadores da defesa de Adélio Bispo de Oliveira a fim de descobrir se ele agiu sozinho ao esfaquer o presidente Jair Bolsonaro, à época ainda candidato à Presidência, em setembro de 2018.

A corporação já entregou à 3ª Vara Federal, em Juiz de Fora (MG), as conclusões dos investigadores sobre o episódio. A Justiça, no entanto, ainda não tornou público, oficialmente, o teor das manifestações policiais – o que é possível que ocorra nas próximas horas.

Inquérito

Este é o segundo inquérito instaurado para apurar o atentado ocorrido em 6 de setembro, durante um ato de campanha presidencial de Bolsonaro, no centro da cidade mineira. No âmbito do primeiro inquérito, a PF concluiu que o autor da facada agiu sozinho, por motivação política.

Documentos e equipamentos pertencentes a Adélio Bispo, tais como aparelhos celulares e computadores, foram analisados à procura de indícios que ajudassem os investigadores a refazer o planejamento do ataque. Além disso, dezenas de testemunhas foram ouvidas e diligências autorizadas pela Justiça cumpridas.

Indiciado pela prática de atentado pessoal por inconformismo político (crime previsto na Lei de Segurança Nacional), Adélio Bispo chegou a ser encarcerado no presídio federal de segurança máxima de Campo Grande. Diagnosticado com transtorno delirante persistente, foi posteriormente transferido para o Hospital Psiquiátrico de Custódia Jorge Vaz, em Barbacena (MG), onde se encontra atualmente.

Por Alex Rodrigues – Repórter Agência Brasil 

Grupo de extrema-direita reivindica ataque ao Porta dos Fundos

Por Leonardo Coelho e Maria Teresa Cruz

Em 2018, grupo de extrema-direita entrou na universidade e queimou bandeiras antifascistas; ataque à sede do Porta dos Fundos aconteceu na véspera de Natal

Símbolo é o mesmo que aparecia em vídeo após ataque à UniRio em dezembro do ano passado (Reprodução)


Um grupo de extrema-direita, que em dezembro do ano passado invadiu a UniRio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro), reivindicou a autoria do ataque à sede da produtora Porta dos Fundos na terça-feira (24/12). 

Em vídeo, o grupo de nome Comando de Insurgência Popular Nacionalista expõe cenas da noite em que lançaram coquetéis molotov e explicam o que teria motivado o ataque: o especial de Natal “A primeira tentação de Cristo”, feito pelo Porta dos Fundos, que retrata Jesus Cristo (Gregório Duvivier) como um gay, que namora Orlando (Fábio Porchat), e Deus (Antônio Tabet) como mentiroso. 

Em dezembro de 2018, reportagem da Ponte tratou pela primeira vez do grupo integralista, quando pelo menos 11 integrantes entraram em um dos campi da UniRio e queimaram três bandeiras antifascistas com a intenção de se colocarem contra o grupo que combate e denuncia o crescimento do discurso de ódio.

Uma das bandeiras na fachada da universidade que foi roubada e queimada por grupo integralista (arquivo pessoal)

O Comando se autodenomina integralista, pensamento com fundamento de ideais tradicionais e ligação com o fascismo na época da Segunda Guerra Mundial.  

As três bandeiras antifascistas foram criadas e colocadas por alunos do campus no dia 26 de outubro do ano passado como apoio e protesto contra uma série de ações policiais e dos TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) para fiscalizar supostas propagandas eleitorais irregulares em universidades. Na ocasião, a polarização estava colocada entre apoiadores de Jair Bolsonaro e quem era contrário ao agora presidente. 

Durante a semana que antecedeu o segundo turno das eleições, foram relatadas desde a invasão de espaços para o recolhimento de materiais considerados irregulares pelos TREs, como panfletos, até cancelamentos de eventos que tinham em seu nome ou teor relacionado ao combate ao fascismo, em pelo menos 26 universidades em 13 estados.

Na época, a Ponte conversou com o pesquisador Odilon Caldeira Neto, Phd da Universidade Federal de Santa Maria e autor da obra “Sob o Signo do Sigma: Integralismo, Neointegralismo e o Antissemitismo”, que ponderou que a ação na UniRio expunha um cenário mais agitado no campo da direita política, do qual o integralismo faz parte.

Ele explicou, à época, que o movimento político nasceu no período de entreguerras, como Ação Integralista Brasileira (AIB), e propunha uma plataforma autoritária, antidemocrática, nacionalista, corporativista e com algumas tendências antissemitas, com clara inspiração nos modelos e correntes intelectuais autoritárias, conservadoras e fascistas na Itália, Portugal e Alemanha.

“O neointegralismo é um fenômeno que acomete os tais grupos após a morte de de sua principal liderança, Plínio Salgado, em 1975. Após o falecimento, os militantes integralistas – e simpatizantes – passam a disputar essa herança política da liderança e também a divergir em termos de estratégias”, avalia o historiador. “Atualmente, existem dois principais grupos integralistas mais institucionalizados, que são a FIB (Frente Integralista Brasileira) e o MIL-B (Movimento Integralista e Linearista Brasileiro). Ambos estão presentes em diversas localidade do país, no entanto, a FIB é mais articulada, inclusive em torno de partidos políticos”, declarou à Ponte.

Ponte procurou a Polícia Federal e fez as seguintes perguntas:

  1. A investigação da PF sobre esses ataques na UFF e na UNIRIO chegou à alguma conclusão? Caso não, em que pé ela está e o que vocês podem compartilhar?
  2. A Polícia Civil do Rio de Janeiro entrou em contato com vocês para avaliar material captado pelos seus investigadores? 

Até a publicação da reportagem não havia retorno. 

Entenda o caso

O mesmo grupo que, no ano passado, invadiu e queimou bandeiras na UniRio afirma que foi o responsável pelo ataque ao Porta dos Fundos. No vídeo, eles usam expressões como “burguesia”, “antipatriótica” e “marxista” e se dizem integrantes da FIB (Família Integralista Brasileira).

“O Porta dos Fundos resolveu fazer um ataque direto contra a fé do povo brasileiro se escondendo atrás do véu da liberdade de expressão. Esses malditos servos do grande capital blasfemaram contra o espírito santo quando chamaram nosso Senhor Jesus Cristo de bastardo e Maria de prostituta e adúltera. Por isso não merecem perdão”, diz um dos trechos do manifesto lido no vídeo. 

Também criticam a Justiça do Rio que negou o pedido de liminar para tirar do ar o vídeo do Porta dos Fundos da plataforma Netflix. E concluem com o jargão “Deus, pátria, família e Cristo”. 

https://www.youtube.com/watch?v=sxCspqWMigg&feature=emb_title

Desde os ataques, manifestações de repúdio tem circulado no Twitter. O humorista Fábio Porchat, um dos criadores do Porta dos Fundos, escreveu duas mensagens sobre o caso: “Não vão nos calar! Nunca! É preciso estar atento e forte”, escreveu, reproduzindo trecho da letra da canção Divino Maravilhoso, de Caetano Veloso.

E nesta quarta-feira (25/12) agradeceu o apoio que tem recebido: “Obrigado a todos que estão mandando mensagem de carinho e de apoio. Juntos somos mais fortes. Precisamos de todos lado a lado para vencermos o terror!”.

*Esta reportagem foi publicada originalmente pela Ponte.

29 mortes: EUA investigam atentados no Texas e em Ohio

Durante tiroteio em El Paso moradores se esconderam debaixo de mesas (Twitter/Reprodução)

Crimes de ódio, terrorismo doméstico. São essas as suspeitas exploradas pelas autoridades norte-americanas depois dos tiroteios ocorridos no último fim de semana em El Paso, cidade fronteiriça do estado do Texas, e em Dayton, em Ohio. Morreram 29 pessoas nos dois ataques, ocorridos em intervalo de 13 horas.

A expressão crime de ódio foi empregada pelo governador do Texas, Greg Abbot, para descrever os acontecimentos de sábado (3) em um supermercado de El Paso. Um homem de 21 anos, identificado como Patrick Crusius, da cidade texana de Allen, a 1.046 quilómetros de distância, matou ali 20 pessoas a tiro.

A polícia citou um manifesto, supostamente redigido por Crusius, cujo teor reforça a tese de crime racial – num texto de quatro páginas publicado no fórum 8chan, habitualmente utilizado por extremistas. O texto diz que o ataque seria “uma resposta à invasão hispânica do Texas”, além de uma declaração de apoio ao autor do massacre de março em mesquitas de Christchurch, na Nova Zelândia.

O próprio FBI afirmou que o ataque de sábado “mostra a contínua ameaça colocada por extremistas violentos domésticos e autores de crimes de ódio”. A Polícia Federal dos Estados Unidos manifestou preocupação com o risco de ações como a de El Paso, que poderiam inspirar outros extremistas.

“O FBI apela ao público americano para que denuncie às autoridades qualquer atividade suspeita que seja observada pessoalmente ou online”, pediu a instituição em comunicado.

Também John Bash, procurador do distrito ocidental do Texas, afirmou que as autoridades federais veem o tiroteio como caso de terrorismo doméstico. “E vamos fazer o que fazemos a terroristas neste país, que é garantir uma justiça rápida e certeira”, garantiu em entrevista nesse domingo. Ainda segundo Bash, o ataque parece ter sido “pensado para intimidar uma população civil, para dizer o mínimo”.

O atirador abriu fogo sobre clientes de um supermercado Walmart. Acabou por entregar-se à polícia. O chefe da polícia de El Paso, Greg Allen, adiantou que Patrick Crusius colabora com os investigadores.

O governo mexicano já confirmou a morte de sete cidadãos do país no tiroteio de El Paso. Mais seis estão entre os 26 feridos. O ministro dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, não excluiu um pedido de extradição do atirador. “Para o México, esse indivíduo é um terrorista”, afirmou.

Ohio

(RTP/Reprodução)

Treze horas depois do tiroteio no supermercado de El Paso, um segundo ataque com arma de fogo causou a morte de nove pessoas e feriu 27 em Dayton, no estado do Ohio. O atirador, que usava uma máscara e equipamento de proteção no corpo, foi morto pela polícia menos de um minuto após os disparos.

O autor desse ataque foi identificado como Connor Betts, de 24 anos. A irmã, Megan Betts, foi uma das pessoas mortas.

Até agora, a polícia de Dayton recusa-se a falar sobre possíveis motivações.

*Com informações da RTP

Segundo ataque em menos 24h mata 10 pessoas nos EUA

(RTP/Reprodução)

Um novo ataque a tiros deixou ao menos 10 mortos, incluindo o atirador, e 16 pessoas feridas na cidade de Dayton, em Ohio, nos Estados Unidos. O tiroteio ocorreu apenas algumas horas depois de um incidente semelhante em El Paso, no Texas, que resultou em 20 mortes.

“O atirador morreu. Há também outros nove mortos. Pelo menos outras 16 pessoas foram levadas para hospitais da área com lesões”, anunciou o Departamento de Polícia de Dayton. “Tínhamos agentes nas imediações quando começou este tiroteio, pudemos agir e dar fim a ele rapidamente”, acrescentou.

A polícia afirmou que o ataque começou por volta de 1h (horário local) e que o FBI (departamento federal de investigação dos Estados Unidos) está ajudando na investigação. O tiroteio ocorreu no bar Ned Peppers, a oeste do centro de Dayton. “Todo nosso pessoal está a salvo e nossos corações estão com todos os envolvidos enquanto verificamos as informações”, publicou o bar na sua conta do Instagram.

A polícia acredita que a ação foi conduzida por apenas um atirador e ainda não identificou o suspeito e os motivos do ataque. O tiroteio ocorreu num bairro histórico da cidade de 140 mil habitantes, onde estão localizados diversos bares, restaurantes e teatros. A região é considerada segura pelas autoridades.

“É um incidente muito trágico e estamos fazendo de tudo que podemos para investigar e tentar descobrir a motivação por trás disso”, afirmou o tenente-coronel da polícia, Matt Carper.

O porta-voz do hospital local de Miami Valley, Terrea Little, confirmou que a unidade estava atendendo 16 vítimas. Alguns vídeos e fotos foram divulgados nas últimas horas nas redes sociais, nos quais supostamente se vê o atirador e se escutam os disparos de um fuzil.

Ataque em El Paso


https://spagora.com.br/eua-tiroteio-em-loja-do-walmart-deixa-varios-mortos/

O ataque em Ohio ocorreu algumas horas depois de um jovem de 21 anos, identificado como Patrick Crusius, abrir fogo num supermercadoda rede Walmart, em El Paso, no Texas, deixando pelo menos 20 mortos e outros 26 feridos. Autoridades investigam a hipótese de o ataque ter sido um crime de ódio. Em um manifesto, o suspeito teria afirmado que a ação era uma resposta à suposta invasão latina no Texas.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, condenou o tiroteio em El Paso e disse que “não só foi trágico”, como também “um ato de covardia”. Em uma semana, já são três tiroteios nos Estados Unidos. No domingo passado, quatro pessoas morreram, incluindo o atirador, e 15 ficaram feridas, em Gilroy, Califórnia.

Atirador, identificado como Patrick Crusius, tem 21 anos (RTP/Reprodução)

*Com informações das agências Brasil, Deutsche Welle e RTP.