Força Nacional vai apoiar ICMBio na Amazônia

Portaria do Ministério da Justiça (MJ) autoriza o emprego da Força Nacional de Segurança Pública em apoio ao Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio) em unidades de conservação federais localizadas na Amazônia.

De acordo com a portaria nº157, publicada na edição de hoje (13) do Diário Oficial da União, o apoio tem por meta o combate ao desmatamento, extração ilegal de minério e madeira e às invasões em áreas federais “em caráter episódico e planejado”. A medida tem validade de 180 dias, contados a partir de 12 de abril, sendo encerrada em 8 de outubro, podendo ser prorrogado, caso seja necessário.     

O contingente obedecerá ao planejamento definido pela Coordenação-Geral de Planejamento e Operações da Força Nacional, da Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça.

Por Agência Brasil

Vídeo mostra Onça ferida no Pantanal de volta à natureza

Uma onça pintada que foi resgata com queimaduras no Pantanal foi reinserida na natureza nesta terça-feira (20), informou o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (Cenap/ICMBio). Batizado de Ousado, o animal ficou em tratamento durante 36 dias antes de ser solto em um local próximo de onde foi resgatado, segundo informações divulgadas na página do Facebook do Cenap/ICMBio.  

Quando foi resgatado, Ousado foi tratado no Instituto NEX, em Corumbá de Goiás (GO), com terapia de ozônio e lazer, o que permitiu a recuperação do animal que recebeu alta ontem (19). Na segunda-feira, a onça foi anestesiada e recebeu um colar GPS-Satélite para monitoramento. Segundo a Cenap/ICMBio, o colar vai permitir avaliar e informar os pesquisadores sobre a readaptação de Ousado em seu meio ambiente, que foi muito impactado pelas queimadas, e permitirá uma análise de como as onças da região estão sobrevivendo. Segundo o centro, se for percebido alguma dificuldade de sobrevivência, o rádio-colar também permitirá que se tenha a localização precisa de Ousado, caso seja necessário recapturá-lo.

Para o preparativo de soltura da onça-pintada, assim como no trabalho de resgate e tratamento, o Cenap/ICMBio teve a parceria da Ampara Animal, Secretaria do Meio Ambiente do Mato Grosso, Universidade Federal do Mato Grosso, Panthera e Pantanal Relief Fund. Nesta terça-feira, Ousado foi transportado via terrestre até Porto Jofre, cidade mato-grossense inserida no bioma do Pantanal, e levado de bardo até o local onde foi solto. Segundo o centro, a onça será acompanhada de perto por guias locais e pesquisadores nos primeiros dias para uma avaliação direta, enquanto os dados do colar serão avaliados pela equipe do Cenap/ICMBio.

“A volta do Ousado para casa simboliza o esforço de todos que trabalharam no combate aos incêndios florestais e no resgate da fauna afetada”, diz a postagem do Cenap/ICMBio no Facebook.

Por Agência Brasil

Fogo na Chapada dos Veadeiros ameaça Quilombo

Por Alex Rodrigues

Incêndio em 2017 destruiu 90 mil hectares da região (Arquivo/FernandoTatagiba/ICMBio)

Um incêndio espalha-se pelo Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, destruindo parte da unidade de conservação localizada no nordeste de Goiás. Em comunicado divulgado nas redes sociais, a Rede Contra o Fogo, que reúne voluntários, afirma que o fogo atingiu cerca de 3 mil hectares no interior do parque e mais 3,5 mil hectares no entorno da unidade de conservação. A Delegacia Estadual do Meio Ambiente instaurou inquérito para investigar as causas do incêndio e apontar eventuais responsáveis.

O incêndio dura uma semana. Desde sexta-feira (27), quase uma centena de bombeiros, brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), além de voluntários da Rede Contra Fogo atuam dia e noite, sem interrupções. Somente sábado (28), foram empregados quatro aviões-tanque para lançar água e retardantes de chamas, um helicóptero, veículos, drones e todos os equipamentos necessários à tentativa de conter o avanço das chamas.

Ainda de acordo com o Corpo de Bombeiros, uma das grandes dificuldades da missão decorre da extensão das áreas atingidas pelo fogo. Só uma das linhas de fogo, na região do Rio dos Couros, fora do parque nacional, chegava a medir cerca de oito quilômetros. O terreno acidentado dificulta o avanço dos bombeiros, brigadistas e voluntários. As chuvas isoladas dos últimos dias enfraqueceram alguns focos, mas foram insuficientes para apagarem as chamas.

Com cerca de 240 mil hectares (cada hectare corresponde aproximadamente a um campo de futebol oficial), o parque abriga espécies e formações vegetais únicas, centenas de nascentes e cursos d’água e é reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio Natural da Humanidade.

Kalunga

Além do parque nacional, as chamas também ameaçavam o maior território quilombola do país, habitado pelo povo Kalunga, sobretudo em Cavalcante (GO). Segundo o coordenador da Brigada Voluntária Ambiental de Cavalcante, Rafael de Souza Drumond Farias, as chuvas dos dois últimos dias ajudaram nos esforços, e o fogo, que vinha avançando muito rapidamente, agora está sob controle.

“Há quase um mês, vínhamos registrando, quase diariamente, focos de incêndio no município de Cavalcante. Ontem, começou a chover na região. Com as ações de combate ao fogo e as chuvas das últimas horas, podemos dizer que o fogo está sendo debelado no território Kalunga”, contou Farias a Agência Brasil.

A Brigada Voluntária Ambiental de Cavalcante foi criada em 2017, ano em que a região foi atingida por um incêndio de grandes proporções que destruiu cerca de 90 mil hectares de vegetação. Hoje, a brigada está formalmente constituída, sendo um departamento de prevenção ao fogo subordinado à Associação de Condutores de Ecoturismo de Cavalcante e Entorno (ACECE). A maioria dos brigadistas é formada por guias turísticos que atuam voluntariamente, recebendo cursos de especialização, equipamentos e seguro de vida.

Incêndios florestais em fotos:

[masterslider id=”40″]