Comunicação no trabalho terá mais valor que capacidade técnica

Por  Bruna Saniele 

(Marcello Casal jr/Agência Brasil)

Menos treinamento e mais relacionamento. No futuro, o mercado de trabalho vai valorizar mais habilidades interpessoais do que técnicas.

Essa é uma das conclusões do estudo do Institute for Business Value (IBV), feito pela International Business Machines Corporation (IBM) e divulgado no mês de setembro.

Segundo a publicação, nos próximos três anos, 120 milhões de trabalhadores nas dez maiores economias do mundo precisarão de recapacitação profissional como resultado do impacto da utilização de Inteligência Artificial e Automação Inteligente no mercado de trabalho. E essa capacitação não deve ser necessariamente técnica.

Só no Brasil, 7,2 milhões de profissionais terão que ser treinados em novas habilidades. E parte desse treinamento vai ter que vir do próprio empregador. “O mercado de talentos está saturado, há uma necessidade da empresa de olhar para a própria força de trabalho”, diz Christiane Berlinck, diretora de RH da IBM Brasil.

A pesquisa feita com quase 6 mil CEOs (sigla, em inglês para Chief Executive Officer – Diretor Executivo em português)  de 48 países indica que 59% reclamam de não contar com pessoas, habilidades ou recursos necessários para executar suas estratégias de negócios. Segundo o estudo, o tempo investido para capacitar um profissional em uma nova habilidade aumentou 10 vezes em apenas 4 anos. No Brasil, por exemplo, o tempo passou de quatro para 40 dias.

E porque esse movimento ocorre? “Num mundo com tarefas automatizadas a gente vai precisar de uma sofisticação do profissional para garantir a continuidade de capacitação. Na área de tecnologia tem ainda um agravante que a atualização é muito rápida dos sistemas. Talvez seja a indústria que primeiro sofra nesse ponto de escassez de talentos. E por isso a que mais investe na capacitação da força de trabalho”, comenta Christiane.

E não é só da capacitação técnica que a diretora de RH está falando. A parte dos 120 milhões de trabalhadores que tem mais chance de despontar deve investir também nas “soft skills”, que dizem respeito à personalidade e ao comportamento. As “hard skills” falam das habilidades técnicas: é saber programar, usar ferramentas e até, para quem, por exemplo, é jornalista, escrever um texto com coerência e sentido. 

Segundo Daniel Goleman, no livro Inteligência Emocional, as “soft skills” são as capacidades mentais, emocionais e sociais que as pessoas adquirem ao longo da vida. São conquistadas por vivências, contexto cultural, educação.

A escola, a universidade, o grupo de amigos, e como se relacionar com todos esses agentes, fazem parte do pacote desenvolvido pelas “soft skills”. Se essas características começam a se desenvolver já na infância, requerem atenção durante toda a vida, em especial para quem quer trabalhar em um ambiente corporativo.

Nesse cenário, a pesquisa concluiu que enquanto novas aptidões estão surgindo rapidamente, outras estão se tornando obsoletas. No caso do Brasil, em 2016 habilidades críticas eram “capacidade de se comunicar efetivamente em um contexto de negócios” e “Recursos técnicos CTEM – ciência, tecnologia, engenharia e matemática”. Já em 2018, as duas principais habilidades procuradas foram as comportamentais “gerenciamento de tempo e capacidade de priorizar” e “disposição de ser flexível, ágil e adaptável às mudanças”.

Para Goleman, as habilidades comportamentais mais importantes são: colaboração, flexibilidade, trabalhar sob pressão, comunicação eficaz, orientação para resultados e liderança de equipe. O autor sugere ainda características que profissionais precisam ter para desenvolver a inteligência emocional como “método emocional de autogerenciamento” (por exemplo, meditação), gerenciamento do tempo (saber priorizar) e apostar na cultura do feedback (permitir que as pessoas avaliem suas habilidades).

Para Christiane, desenvolver as habilidades técnicas e as interpessoais é também trabalho das empresas pois isso significa criar um ambiente de trabalho mais flexível, colaborativo e empático.  “Esse mapa de talentos é limitado, se as empresas não fizerem nada para cobrir essa necessidade de mão de obra existe o risco da própria organização não conseguir crescer o seu negócio por falta de pessoas qualificadas”, comenta.

Após dois anos de queda, empregos formais subiram em 2017

Após duas grandes quedas consecutivas, o emprego formal no Brasil voltou crescer em 2017, com o país registrando saldo de 221 mil novos postos de trabalho em diferentes atividades do setor público e privado. Com o aumento de 0,48%, em comparação com o ano anterior, o estoque de vínculos trabalhistas fechou o ano passado em cerca de 46,3 milhões de empregos. Os dados são da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), divulgada hoje pelo Ministério do Trabalho.

O saldo positivo na evolução dos empregos formais reverte tendência de queda, mas não recupera o nível do mercado de trabalho apresentado em anos anteriores. Em 2015 e 2016, o país perdeu 1,5 milhão e 2 milhões de empregos formais, respectivamente. Comparado à série histórica, o estoque de vagas de trabalho no ano passado se mantém inferior ao de períodos anteriores, como 2013 (48,9 milhões), 2014 (49,5 milhões) e 2015 (48 milhões).

Os números revelam expansão no emprego formal tanto de homens quanto de mulheres, o que, segundo o Ministério do Trabalho, reflete uma tendência de ampliação feminina na força de trabalho. Os postos de trabalho registraram aumento de 0,53% nas vagas destinadas a mulheres, enquanto o aumento nas vagas ocupadas por homens alcançou 0,44%.

Setores aquecidos

Na divisão por setores econômicos, três deles foram preponderantes para o saldo positivo: serviços, administração pública e agropecuária. Enquanto o estoque de empregos celetistas perdeu cerca de 200 mil empregos, as vagas para servidores públicos estatutários aumentaram pouco mais de 300 mil.

Com crescimento de 4,18% em relação a 2016, os empregos no setor público impulsionaram o aumento, chegando a 9,19 milhões de vagas. Os empregos formais na agricultura, pecuária e trabalhos de extração, caça e pesca ficaram em segundo lugar no ranking de crescimento proporcional, com 25 mil novas vagas e aumento de 1,68%. Setor que mais emprega no país, o de serviços apresentou um saldo positivo de 0,38%, o que representa quase 64 mil novos empregos.

Já o comércio, setor com o segundo maior número de vagas, registrou queda de 0,37% no saldo de empregos em 2017, fechando o ano com 9,23 milhões de vagas, 34 mil a menos do que no ano anterior. A maior baixa proporcional registrada foi a da construção civil, com -7,38% de empregos formais, ou queda de 146 mil postos, seguida pelo setor extrativo mineral (-4,06%).

Entre os estados, o que mais criou empregos proporcionalmente à população foi Tocantins, com crescimento de 6,1% no estoque formal de vagas entre 2016 e 2017. Roraima (alta de 5,8%) e Goiás (+4,6%) completam a lista dos três maiores aumentos. Já na comparação entre regiões em números absolutos, o Sudeste foi o responsável pelo maior volume de novos empregos: cerca de 23 mil, seguido por Nordeste e Sul, ambos com mais de 8 mil novas vagas cada.

Entenda

Uma das principais fontes de dados sobre os trabalhadores brasileiros, a Rais é divulgada anualmente pelo Ministério do Trabalho, que recebe as declarações individuais dos empregadores sobre o perfil dos funcionários. As informações são utilizadas para pesquisas, estudos do governo e servem como base para a identificação dos trabalhadores com direito ao recebimento do abono salarial.

Este ano, pouco mais de 8 milhões de estabelecimentos enviaram declarações ao governo federal, metade deles com nenhum empregado registrado em 2017. Com a Rais, é possível encontrar diagnósticos sobre o mercado de trabalho, avaliar a eficácia de políticas públicas e fornecer dados desagregados de acordo com diferentes recortes, como município, faixa etária, gênero e remuneração.