Prefeito visita comunidade destruída por incêndio e anuncia auxílio aluguel

Área atingida pelo fogo. Pedaços de madeiras usados para montar barracos ainda fincadas no solo. Ao fundo a cidade de São Paulo, com casas de alvenaria.

Cerca de 300 famílias da Comunidade Pernilongo, região do Boi Malhado, na Vila Nova Cachoeirinha, serão inseridas no auxílio aluguel pela Prefeitura de São Paulo. O prefeito Ricardo Nunes vistoriou a área na manhã desta sexta-feira (19).

O município ofertará o benefício de forma definitiva até que todos os moradores sejam contemplados com unidades habitacionais. A área, localizada na Zona Norte, foi atingida por um incêndio no último dia 8 e deixou aproximadamente 140 famílias desabrigadas.

Área atingida pelo fogo. Pedaços de madeiras usados para montar barracos ainda fincadas no solo. Ao fundo a cidade de São Paulo, com casas de alvenaria.
(Marcelo Pereira/Pref. de São Paulo)

“Na visita eu percebi que todo o serviço da Assistência Social e da Habitação funcionaram plenamente. Ou seja, aquele primeiro atendimento às famílias que tiveram a perda da sua habitação por conta do incêndio com o fornecimento da cesta básica e itens de higiene para eles poderem suportar esse momento de tanta dor”, afirmou o prefeito.

Durante a vistoria o prefeito anunciou a construção de habitações populares no terreno onde a comunidade está localizada, por meio do programa Pode Entrar.

“Vamos fazer habitação. Eles já estavam construindo os barracos novamente. A comunidade concordou com a gente. Eles vão parar de fazer os barracos e nós vamos dar o auxílio aluguel para essas pessoas e vamos rapidamente iniciar às obras. Vai ser possível construir entre 300 e 350 unidades habitacionais num sistema de muita agilidade e rapidez para entregar o quanto antes”, disse o prefeito Ricardo Nunes.

Parte de um barraco que não foi queimada pelo fogo. Ao fundo, integrantes da prefeitura vistoriam a área enquanto mulher com criança no colo passa pelo local.
(Marcelo Pereira/Pref. de São Paulo)

Na tarde de ontem (18), a equipe técnica do Departamento Social da Secretaria Municipal de Habitação iniciou o processo de cadastro das famílias que tiveram suas casas destruídas pelo incêndio e das famílias que ainda permanecem no local. Ao fim dos trabalhos, previsto para a segunda-feira (22), a Prefeitura vai ter o número total de famílias que serão atendidas com o auxílio aluguel. 

Bombeiros durante o incêndio na comunidade
(Corpo de Bombeiros)

Programa Pode Entrar

Sancionado em setembro, o novo Programa Habitacional da cidade de São Paulo vai impulsionar a aquisição de moradias para população de baixa renda da capital. O objetivo é diminuir o déficit habitacional por meio de ferramentas importantes como a Carta de Crédito, que funciona como um subsídio para a aquisição do imóvel e a Conta garantidora, que permite a Prefeitura de São Paulo garantir crédito aquele que não consegue comprovar renda ou que não tenha acesso ao sistema bancário.

O ‘Pode Entrar’ também possibilita que a Prefeitura adquira imóveis privados para fins de habitação de interesse social, garantindo menor custo e menos tempo de espera. 

Unidades Entregues

De janeiro até o início de outubro desse ano, foram entregues 2.500 unidades habitacionais. Até dezembro, está prevista a entrega de mais de 1.400 novas moradias e outras 7 mil novas unidades habitacionais estão em obras. De 2017 até outubro deste ano, mais de 31 mil unidades já foram entregues à população paulistana em parceria da Prefeitura com os governos Estadual, Federal e iniciativa privada.

Para a construção dessas unidades habitacionais e obras de infraestrutura em toda a cidade, de 2017 até o momento, foram investidos pelo município cerca de R$ 1,5 bilhão.

Plano de Metas

O Programa de Metas da Prefeitura de São Paulo (2021– 2024) estipula a viabilização de 49 mil moradias de interesse social, por meio de SEHAB, entre unidades entregues diretamente pelo município e unidades contratadas.

“É praticamente impossível” não aumentar a tarifa de ônibus em 2022, diz prefeito

Catraca de cobrança de bilhete único dentro do ônibus

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), disse que a tarifa de ônibus do transporte coletivo da cidade podem ficar mais cara em 2022. Nunes fez a afirmação durante entrevista à rádio Eldorado, nesta quinta-feira (4).

“A tendência é que você feche o ano com o diesel aumentando 60%”, previu o prefeito. “É praticamente impossível você não ter isso refletido na tarifa”.

Ricardo Nunes também afirmou que a única forma de conter o aumento da tarifa de ônibus seria aumentar o subsídio que a prefeitura paga às empresas para manter o sistema funcionando. Segundo ele, em números aproximados, este subsídio era de R$ 960 milhões em 2012 e saltou R$ 3,3 bilhões no ano passado. O sistema como um todo custa cerca de R$ 8 bilhões e maior parte dos recursos, cerca de R$ 5 bi, vem das tarifas pagas pelos usuários.

Na mesma entrevista, o prefeito diz que deve repetir o subsídio de R$ 3,3 bi, reforçando a ideia de que o preço da tarifa de ônibus pode mesmo subir. Questionado sobre qual “mágica” iria permitir a manutenção desta quantia, Nunes respondeu argumentando que haverá concessão de terminais à iniciativa privada para arrecadar recursos.

Capital pode ampliar parcelas do auxílio aluguel para famílias de Paraisópolis

Bombeiros mobilizaram 54 agentes para socorrer vítimas (Corpo de Bombeiros/Reprodução)

A prefeitura de São Paulo quer aumentar as parcelas do auxílio aluguel para remover 1,5 mil famílias que vivem em uma área de risco na comunidade de Paraisópolis, zona sul paulistana. No último sábado (16) uma pessoa morreu e quatro ficaram feridas em um desabamento na região.

A administração municipal avalia a possibilidade de pagar R$ 800 por mês durante um ano a título de auxílio aluguel. Atualmente, o benefício é de R$ 400 mensais durante 24 meses. Ainda está sendo avaliada a viabilidade legal da mudança. O objetivo da prefeitura é facilitar a remoção de famílias da área de risco para início das obras na região. 

Reurbanização

Desde abril de 2020, a comunidade está recebendo obras de reurbanização. Após reunião com os moradores, a prefeitura pretende antecipar as obras de canalização do Córrego Antonico, que fica na área de risco onde houve o desabamento do sobrado no fim de semana. Mas isso só é possível com a saída das famílias do local. 

Está prevista a demolição das construções irregulares, transferência dos residentes na área, canalização do córrego e reurbanização. O investimento é de cerca de R$ 100 milhões.

No desabamento do sábado, 15 famílias foram diretamente atingidas e estão sendo atendidas pelas secretarias municipais de Habitação e de Desenvolvimento Social. Elas receberam colchões, cobertores e kits de higiene. As pessoas foram acolhidas nas casas de parentes.

Por Agência Brasil

Vacinação será obrigatória para frequentar estabelecimentos

A prefeitura de São Paulo anunciou, hoje (23), que será obrigatório estar com a vacinação contra a covid-19 em dia para entrar nos estabelecimentos da cidade. A exigência será como um passaporte de vacinação que deverá ser exigido por todos os estabelecimentos (comércio, serviços e eventos em geral). A comprovação poderá ser feita por meio de aplicativo da prefeitura ou com o próprio cartão físico.

“A pessoa baixa o aplicativo da prefeitura e lá terá um QR Code com todas as informações: primeira dose, segunda dose, quando ela vai tomar ou deveria ter tomado”, explicou o prefeito Ricardo Nunes. Segundo ele, o dispositivo e-SaudeSP está em fase de testes e a previsão é a de que até sexta-feira (27) já esteja concluído.

O prefeito disse que o estabelecimento que não cumprir a determinação será multado, e o cidadão que não apresentar o comprovante de vacinação poderá ser impedido de entrar no local. 

“O conceito principal é o de que os estabelecimentos só aceitem pessoas com a vacina. Se identificarmos que o estabelecimento não está exigindo ou que há pessoas no local que não se vacinaram, aplicaremos uma multa. Para evitar isso vamos oferecer todos os mecanismos para fazer essa identificação”, disse Nunes.

Por Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil 

Ricardo Nunes é vacinado contra a covid-19

Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo (Reprodução)

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), foi vacinado contra a Covid-19 na manhã desta sexta-feira (18). Ele recebeu a primeira dose do imunizante na UBS (Unidade Básica de Saúde) Veleiros, na Capela do Socorro, Zona Sul da capital paulista.

Nunes tem 53 anos e foi no dia do escalonamento da sua idade, conforme a prefeitura propôs na última terça-feira (15), para evitar aglomerações. Hoje a capital vacina pessoas com 53 e 52 anos.

O prefeito registrou o momento de sua vacinação nos stories do seu Instagram.

(Rede social/Reprodução)

Por TV Cultura

Parque Bruno Covas, na região do Novo Rio Pinheiros, começa a ser construído

(Gov. do Estado de SP)

O Governador João Doria deu início neste domingo (13) às obras do Parque Bruno Covas – Novo Rio Pinheiros. Nesta etapa está contemplado um trecho de 8,2 quilômetros entre a sede do Pomar Urbano e a Ponte Cidade Jardim, na margem oeste do canal. Na ocasião também foi assinado o contrato para a revitalização do segundo trecho, de 8,9 quilômetros, entre as pontes Cidade Jardim e a área de Retiro da CPTM, nas proximidades da ponte do Jaguaré.

“No Parque Bruno Covas teremos várias estações de ginástica, de uma convivência daquilo que o Bruno gostava, da natureza com exercício. É uma homenagem justa, correta e adequada para o perfil daquilo que o Bruno representou ao longo da sua existência. Ele amava a natureza, amava também a prática de esportes, amava gente, amava as pessoas. A população poderá vir para desfrutar um momento de lazer com seus filhos, familiares e amigos”, disse Doria.

No Parque Bruno Covas – Novo Rio Pinheiros serão implantadas pistas de skate e de caminhada; locais para esportes, lazer e cultura; criação de novas áreas verdes e manutenção dos plantios existentes; áreas de descanso e alimentação; facilidades e serviços voltados aos ciclistas; banheiros; assistência de primeiro-socorros; conexão intermodal com as ciclovias e com as estações de ônibus, Metrô e CPTM; entre outros.

João Doria, governador de São Paulo, e Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo (Gov. do Estado de SP)

“O início das obras do Parque Bruno Covas é mais um marco na revitalização do Programa Novo Rio Pinheiros porque representa a soma de esforços entre as esferas pública e privada em busca da melhoria da qualidade de vida das pessoas com novas opções de lazer e convívio. A volta da população às margens ocorrerá em função de um grande investimento em saneamento básico, que propiciará a melhora da qualidade da água e também a recuperação ambiental e paisagística”, destacou o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

No total, o investimento privado será de 58 milhões de reais e ocorrerá ao longo dos próximos 5 anos. A revitalização será realizada pelos consórcios Parque Linear Novo Rio Pinheiros no trecho 1; e Parque Novo Rio Pinheiros no trecho 2, selecionados por meio de Chamamento Público.

Programa de despoluição do Novo Rio Pinheiros

A despoluição do Rio Pinheiros está em andamento. Mais de 51% das ações de coleta e tratamento de esgoto já foram concluídas, beneficiando mais de 800 mil pessoas na bacia do Pinheiros com saneamento básico.

Paralelamente estão em andamento ações de desassoreamento, que já retiraram o equivalente a 16 mil caminhões de sedimentos, a remoção do lixo – até agora 35.221 toneladas – e medidas para revitalização das margens, além da concessão da Usina SP que também será um novo espaço de lazer.

Por Gov. de São Paulo

Novo Anhembi poderá movimentar até R$ 5 bi a partir de 2024

(Divulgação)

O projeto que vai modernizar e ampliar o Anhembi, em São Paulo, chamado de Distrito Anhembi, foi apresentado esta semana e, segundo a concessionária GL Events Brasil, que administrará o local pelos próximos 30 anos, tem potencial de movimentar R$ 5 bilhões a partir de 2024. O espaço passará a contar também com uma arena multiuso, um moderno centro de convenções, entre outros equipamentos. A concessionária investirá mais de R$ 1 bilhão no local.

“Esta pandemia trouxe para a cidade de São Paulo e para o mundo grandes desafios, aumentando a pobreza, a desigualdade, e um dos nossos grandes objetivos, orientados pelo Bruno Covas, é de continuar colocando a cidade de São Paulo como referência no mundo, com a preocupação para reduzirmos a desigualdade social”, disse o prefeito Ricardo Nunes em comunicado à imprensa. “Todo este investimento é fundamental para atrair recursos para a cidade em um pós-pandemia, além de ter um espaço maravilhoso e importante para a questão cultural e do empreendedorismo”, concluiu.

A multinacional francesa, que é um dos principais players do mercado de eventos no mundo, venceu a licitação do equipamento no valor de R$ 53.740.236. Com isso, ela será responsável pela gestão, manutenção e exploração comercial. A homologação para a gestão do espaço faz parte da ação conduzida pela Secretaria do Governo Municipal com a SP Parcerias, responsável por estruturar e desenvolver projetos de concessão, privatização e parcerias público-privadas para viabilizar a consecução do Plano Municipal de Desestatização (PMD) e do Programa Municipal de Parcerias Público-Privadas.

“Nós estamos muito orgulhosos de dar consequência ao compromisso assumido com a população para tornar a máquina pública mais eficiente, enxuta e objetiva com a otimização dos recursos. O serviço público não precisa ser estatal e a ideia é não abandonar o serviço público, porque o povo precisa dele, e ao mesmo tempo, não privar o serviço público da criatividade e da competência do setor privado” destacou o secretário municipal de Governo, Rubens Rizek.

Com um plano de investimentos superior a R$ 1 bilhão nos próximos cinco anos, a GL events vai transformar o local em um complexo de entretenimento para congressos, conferência, convenções, eventos culturais e esportivos, festivais e feiras, além de fomentar odesenvolvimento da Zona Norte da capital paulista, com 2,2 milhões de habitantes. A meta da empresa é reinserir o Anhembi no circuito nacional e internacional de eventos.

“Eu tomei posse a convite do prefeito Bruno Covas no dia 8 de janeiro, tendo como uma das missões conduzir, junto a equipe da São Paulo Turismo, o processo de concessão do Complexo do Anhembi e exatamente cinco meses depois estamos aqui. Tenho certeza de que o meu amigo Bruno está muito contente com o resultado do projeto e ficará ainda mais feliz com os frutos dessa concessão”, disse, em comunicado, o diretor-presidente da SPTuris, Luiz Álvaro.

Estudos de mercado, segundo a Prefeitura, mostram que é possível gerar R$ 500 milhões de negócios anuais nos espaços de eventos, a partir do histórico do Anhembi e do potencial do mercado paulistano. Esse valor representa apenas 10% do que ficará na cidade por meio de impostos e gastos de turistas e participantes de eventos com transporte, alimentação, comércio e hospedagem.

“O Complexo Anhembi é um dos grandes marcos de São Paulo e que em seus 50 anos de história foi palco para grandes eventos que o tornou conhecido mundialmente. Nossa missão será devolver o protagonismo deste ícone com a união do que podemos oferecer de melhor em eventos, seja de negócios ou de entretenimento, além de aproveitar todo o potencial construtivo do local, desenvolvendo a região de forma planejada, atendendo a demandas, carências e desejos da população local”, afirma, também em nota, a CEO da GL events no Brasil, Milena Palumbo.

Arena multiuso e complexo audiovisual 

(Divulgação)

A GL events desenvolveu um estudo de vocação mercadológica e seu projeto acompanhará o crescimento sustentável da cidade. Além das melhorias previstas no edital, a companhia vai investir para que o espaço atraia novos negócios e serviços que complementem a experiência do visitante e apoie o desenvolvimento da Zona Norte.

A concessionária vai requalificar e modernizar os espaços para eventos já existentes, como o Centro de Convenções, Conferências e Congressos, que será ampliado e qualificado para suprir uma importante carência da cidade. Estudo da KPMG, encomendado pela GL events, mostra que São Paulo deixa de movimentar cerca de R$ 4 bilhões por ano por não contar com um centro de convenções capaz de comportar os grandes congressos mundiais — científicos, políticos ou culturais — que atraem público entre 5.000 e 10.000 pessoas. O novo equipamento terá capacidade para até 15 mil pessoas.

Ao lado do Sambódromo – que durante o Carnaval será gerido pela SPTuris –, será construída uma Arena Multiuso para shows, eventos esportivos, sociais e corporativos. Em uma área com 50 mil m², a arena comportará até 20 mil pessoas.

O masterplan contempla ainda hotel, edifícios com vocações corporativas e de uso misto, coworking e inovação, hospital, centros comerciais e de logística. O Anhembi, que ocupa uma área de 382,5 mil m² em uma localização estratégica de São Paulo (encontro dos eixos Norte/Sul – Leste/Oeste), ganhará também um complexo audiovisual que vai impactar diretamente a indústria criativa, oferecendo estúdios para filmes, streaming, publicidade e games, por exemplo, e para receber o público ávido por inovação, tornando o projeto ainda mais completo.

As obras deverão iniciar a partir do segundo trimestre de 2022, para que seja possível cumprir etapas de autorizações até lá – projetos básicos e executivos, licenciamentos, alvarás de obras, etc. Pela experiência do Grupo, a previsão é de que, a partir do segundo trimestre de 2024, o Centro de Convenções e o Pavilhão de Exposição sejam reinaugurados, assim como a Arena Multiuso.

Atração de investidores

(Divulgação)

Antes mesmo da assinatura do contrato, a Prefeitura dedicou uma equipe técnica para trabalhar em conjunto com a GL events, a fim de garantir que cada etapa do projeto e suas aprovações sejam executadas conforme o planejado e com agilidade. Afinal, esse é um empreendimento prioritário para o Município tanto no curto prazo, para a retomada da economia, quanto no longo prazo.

Após a validação do masterplan pela Prefeitura, a multinacional iniciou imediatamente rodadas de apresentação do projeto a investidores, a fim de ancorar os parceiros especializados em cada um dos segmentos.

“Nosso core business é evento e continuará sendo. Por isso, buscamos parceiros estratégicos para aproveitar todo o potencial construtivo do local e, com isso, desenvolver a região de forma planejada, atendendo a demandas, carências e desejos da população local”, complementa Milena Palumbo.

*Com Prefeitura de SP

Capital conclui entrega de 100 mil tablets a estudante

Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo (Marcelo Pereira/via Agência Brasil)

Nove meses após anunciar a compra de 465 mil tablets para acesso a internet, a prefeitura de São Paulo disse ter batido hoje (21) a marca de 100 mil equipamentos entregues a estudantes da rede municipal de ensino. Os tablets foram comprados para auxiliar as crianças que estão em ensino remoto desde o início da pandemia de covid-19.

Em entrevista, o prefeito Ricardo Nunes reconheceu o atraso na entrega dos equipamentos.

“Houve, durante o processo de licitação, o questionamento do Tribunal de Contas e teve que fazer alguns ajustes. É natural os órgãos de controle fazerem alguma anotação ou solicitação de informações e nós, da administração municipal, achamos muito bom, a Câmara Municipal ou o Tribunal de Contas fazer questionamentos. E foi feita a correção e, assim, a licitação teve um pouquinho de atraso”, disse.

Hoje, a prefeitura anunciou novos números ampliando o número de tablets a serem distribuídos. Além dos 465,5 mil equipamentos destinados a alunos do ensino fundamental, mais 40 mil serão adquiridos para alunos dos Centros de Educação Infantil (CEIs).

Segundo o prefeito, o restante dos equipamentos será entregue até o mês de agosto.

O investimento foi de R$ 600 milhões. A prefeitura diz que, após a pandemia, esses dispositivos vão continuar a ser utilizados nas aulas presenciais.

Para a entrega dos equipamentos, a administração municipal diz ter priorizado os alunos que menos tiveram acesso ao ensino remoto em 2020.

Justiça
No dia 26 de abril, o Tribunal de Justiça determinou o prazo de dez dias para que a prefeitura de São Paulo distribuísse os tablets e os chips de internet que foram prometidos ainda no ano passado. Na decisão provisória, o juiz Luís Antônio Nocito Echevarria atendeu um pedido da Bancada Feminista do PSOL na Câmara Municipal.

No dia 11 de maio, entretanto, a liminar foi derrubada pelo desembargador Nogueira Diefenthäler, que acatou argumentos da prefeitura sobre a necessidade de um prazo maior.

Por Elaine Patricia Cruz, da Agência Brasil

Ricardo Nunes assume a Prefeitura da Capital

Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo, na tribuna da Câmara de Vereadores da Capital
(Arquivo/Afonso Braga/Câmara de SP)

Com a morte do prefeito Bruno Covas, o vice, Ricardo Nunes, assume em definitivo a prefeitura de São Paulo. O combate à pandemia e a revisão do plano diretor do município estão entre os principais desafios de Nunes, que é filiado ao MDB. Ele havia assumido a prefeitura interinamente em 2 de maio, quando Covas se licenciou, a princípio por 30 dias, para tratamento do câncer.

Covas morreu às 8h20 deste domingo (16), aos 41 anos, em decorrência do câncer da transição esôfago-gástrica e complicações do tratamento. Em ato formal, com base na Lei Orgânica do Município, a Mesa Diretora da Câmara Municipal de São Paulo reuniu-se às 11h20 para declarar a extinção do mandato do prefeito Bruno Covas. Nunes decretou luto oficial de sete dias pela morte de Covas.

O empresário tem 53 anos, é casado e foi eleito para a Câmara de Vereadores de São Paulo pela primeira vez em 2012 e novamente em 2016. É filiado ao MDB desde os 18 anos. Ele declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) patrimônio de mais de R$ 4,8 milhões.

Ricardo Nunes foi presidente da Associação Empresarial Região Sul (Aesul) e fundador da Associação das Empresas Controladoras de Pragas do Estado de São Paulo (Adesp). Além disso, é voluntário, há mais de 20 anos, na Sociedade Beneficente Equilíbrio de Interlagos (Sobei).

De perfil político mais conservador, Nunes, no mandato de vereador, tentou barrar menções a termos de gênero do Plano Municipal de Educação, argumentando que sexualidade não deveria ser tema nas salas de aula.

Denúncias

Reportagens do jornal Folha de S.Paulo apontam Ricardo Nunes como citado em investigação do Ministério Público de São Paulo (MPSP) para apurar relação de políticos com entidades e também aluguéis de imóveis das creches terceirizadas. Segundo o jornal, o político é “próximo de entidades gestoras de creches terceirizadas e de donos de empresas locadoras dos imóveis onde funcionam as escolas ligadas a essas instituições.

Ainda de acordo com a Folha, Nunes foi alvo de boletim de ocorrência em caso de violência doméstica, ameaça e injúria registrado por sua mulher, Regina, em 2011.

Agência Brasil tentou contato com o MPSP e com a assessoria do prefeito, mas não houve retorno até a publicação da reportagem.

Por Camila Maciel, da Agência Brasil