Engavetamento na Dutra mata seis pessoas

(PRF/via G1/Reprodução)

Um engavetamento na rodovia Presidente Dutra, em São José dos Campos, interior do Estado, matou seis pessoas e deixou várias feriadas. O acidente, na manhã de hoje (14), envolveu um caminhão, um ônibus fretado e quatro carros.

Ao G1, a Polícia Rodoviária Federal informou que o ônibus bateu na traseira do carro, prensando o veículo contra o caminhão que estava logo a frente. O ônibus pegou fogo e todos os ocupantes do carro atingido inicialmente morreram carbonizados.

Outros três carros também se envolveram no engavetamento. O acidente foi no sentido de São Paulo e a pista chegou a ficar interditada.

Mulher é libertada de trabalho análogo à escravidão

Uma denúncia de maus tratos feita à Polícia Militar de São Paulo em abril deste ano levou o Ministério Público do Trabalho (MPT), a Polícia Federal (PF) e a Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) a libertar uma mulher mantida há mais de 20 anos em condição análoga à escravidão, na cidade de São José dos Campos, no interior paulista.

Segundo o MPT, a mulher, cujo nome não foi divulgado, trabalhava desde sua adolescência para a mesma família. Provas reunidas no inquérito instaurado em abril apontam que a trabalhadora tinha sua liberdade restringida, sendo, inclusive, impedida de conviver com outras pessoas além dos patrões, e não recebia seu salário regularmente.

Ainda de acordo com o MPT, a mulher trabalhava de segunda a domingo, sem folgas. As jornadas diárias de trabalho eram exaustivas e quando a família viajava, levava a trabalhadora junto para que continuasse prestando serviços aos patrões. Os depoimentos demonstraram que a trabalhadora tinha medo constante da patroa, gerando pressão psicológica e, assim, impedindo que ela fosse contra as suas ordens.

Após a PM ter recebido a denúncia, ido à casa da família, em um condomínio de São José dos Campos, colhido o depoimento da vítima e dos empregadores e registrado um boletim de ocorrência, o MPT ingressou com ação cautelar pedindo à Justiça que autorizasse a realização de buscas no endereço da família.

A autorização judicial resultou na prisão em flagrante de um dos empregadores, na sexta-feira (18). O investigado, cujo nome também não foi informado, foi levado à Delegacia da Polícia Federal de São José dos Campos e responderá pelo crime de redução de trabalhadores à condição análoga à escravidão (artigo 149 do Código Penal).

Os auditores-fiscais do SIT autuaram os empregadores, determinando que paguem verbas rescisórias à trabalhadora, incluindo FGTS, 13º salário e férias retroativos. De acordo com o MPT, só após a primeira ação policial, em abril, os patrões formalizaram o contrato de trabalho da empregada, que não tinha registro em carteira.

Encaminhada ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) de São José dos Campos, a trabalhadora receberá amparo social e abrigo, será incluída em programas de transferência de renda e terá direito a parcelas do seguro-desemprego, no valor de R$ 1.100,00 cada uma.

Dados do Observatório da Erradicação do Trabalho Escravo e do Tráfico de Pessoas indicam que, entre 1995 e 2020, o Grupo Especial de Fiscalização Móvel, da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho, do Ministério da Economia, libertaram 55.712 pessoas encontradas em condição análoga ao trabalho escravo em todo o país.

Considera-se sujeito à condição análoga à escravidão o trabalhador submetido, de forma isolada ou conjuntamente, a trabalho forçado; jornada exaustiva; situação degradante de trabalho; restrição, por qualquer meio, de locomoção em razão de dívida contraída com empregador ou preposto, no momento da contratação ou no curso do contrato de trabalho; retenção no local de trabalho em razão de: cerceamento do uso de qualquer meio de transporte; manutenção de vigilância ostensiva e apoderamento de documentos ou objetos pessoais.

Denúncias de trabalho escravo podem ser feitas pela internet, por meio da plataforma Sistema Ipê, desenvolvido pelo grupo especial em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Por Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil 

Granadas, armas e munição: ações da PM prendem quatro suspeitos

Material foi apreendido (Polícia Militar/Reprodução)

A Polícia Militar apreendeu nos últimos dois dias, em quatro ocorrências diferentes, granadas, armas e munição. Quatro homens acabaram presos em flagrante.

Dois dos casos foram resultado de ações da Polícia Ambiental. A ocorrência que chamou mais atenção aconteceu em Jacareí, após uma denúncia anônima.

A Polícia Ambiental foi até o local, na sexta-feira (21), com a suspeita de que funcionava uma usinagem dentro de um galpão. Ao fazer a revista, encontraram cinco armas, munição e duas granadas. Também havia no galpão carcaças de animais silvestres. O suspeito, responsável pelo local, teria confirmado aos pms que pratica caça ilegal. Ele foi preso em flagrante.

Flagrante de Caça

Material apreendido em Juquiá (Polícia Militar/Reprodução)

A outra ocorrência da Polícia Ambiental foi em Juquiá, região de Registro. Um homem foi preso com várias armas de fogo, munição, rádios comunicadores e diferentes ferramentas usadas para caça. A polícia chegou até o local após receber denúncias anônimas.

O suspeito, preso na última sexta-feira (21), foi levado para a delegacia da cidade e autuado em flagrante.

Saída temporária

Arma tinha numeração raspada, segundo a polícia (Polícia Militar/Reprodução)

Na região de São José dos Campos, um homem, em regime semi-aberto, que havia deixado a prisão em 18 de maio, beneficiado pela saída temporária, foi preso com um revólver. O suspeito estava em um carro que foi abordado na Rodovia Municipal Joel de Paula. Durante a revista ao veículo, os pms localizaram a arma, que tinha numeração raspada, e seis munições. Preso em flagrante, o suspeito perde o direito ao semi-aberto.

Arma à venda

Arma e munição estavam guardadas em um armário (Polícia Militar/Reprodução)

Em Jacareí, policiais descobriram uma pistola, que deveria ser de uso restrito das Forças Armadas, que estava à venda, segundo relatou o suspeito preso. O homem foi parado durante uma abordagem de rotina na Avenida José Teodoro de Siqueira, mas nada de ilícito foi encontrado na revista pessoal e do veículo. Mas durante a conversa com os pms, o suspeito confessou que tinha uma arma em casa e que ela estava à venda.

A pistola 9 milímetros teria sido deixada com ele para venda por parente. Além da arma, guardada em uma gaveta do armário, havia também um carregador e sete munições intactas.

Justiça autoriza abertura do comércio em São José dos Campos

(Adenir Britto/Pref. de São José dos Campos)

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) autorizou, na última sexta-feira (5), que a São José dos Campos permaneça na fase laranja do Plano SP. A prefeitura entrou com um pedido para não implementar a fase laranja porque as taxas de internação estão abaixo dos 75%, principal critério para a adotar medidas mais restritivas. 

A decisão foi tomada pelo desembargador Jeferson Moreira de Carvalho. Ele levou em consideração a taxa dos leitos de UTI voltadas para o tratamento de Covid-19 e usou como o Decreto Estadual nº 64.994, de maio de 2020 (Plano São Paulo).

Depois da decisão do TJ-SP, o prefeito Felício Ramuth anunciou que o decreto da fase vermelha publicado na última sexta será revogado. É a única região do estado que tomou essa atitude. 

Sendo assim, bares, restaurantes, shoppings e comércios podem funcionar até as 20h, mas respeitando o limite de pessoas dentro dos estabelecimentos. 

O pedido da prefeitura para adotar a fase laranja no município foi negado em primeira instância, mas foi revertido pelo TJ-SP. 

Por TV Cultura

Empresa inaugura fábrica para reciclar alumínio e espera crescer 120% este ano

Nova unidade da Prolind, em São José dos Campos (Divulgação)

A Prolind Alumínio, empresa localizada em São José dos Campos, no Vale do Paraíba, inaugurou uma nova fábrica, de refusão, que tem o objetivo de reciclar perfis de alumínio, os quais serão utilizadas para a produção de novos produtos. A empresa espera crescer 120% em 2021, se comparado a 2020, segundo nota divulgada à imprensa, e quer se tornar referência no fornecimento de reciclagem de perfis de alumínio na América do Sul.

A nova planta de refusão possui capacidade produtiva para 50 mil toneladas de alumínio ao ano em sua primeira fase. Com isso, 50 novos colaboradores devem ser contratados até o fim de 2021. Para 2022, a expectativa é de dobrar o número de funcionários na nova planta e totalizar 100 empregos gerados, diz o comunicado.

“Vamos passar a desenvolver ligas especiais de alumínio não disponíveis no mercado. Esta fábrica iniciará em um momento de restrição internacional sobre a oferta do metal. Logo, esperamos dobrar nossa participação econômica em todas as regiões em que estamos instalados”, explica Erivam Boff, Diretor de Negócios da Prolind Alumínio.

Sobre

A Prolind Alumínio é uma empresa que há 30 anos atua no desenvolvimento de produtos e soluções em alumínio para diversos segmentos de mercado, como transportes, construção civil, indústrias automotivas, aeronáuticas, elétricas, dentre outros. Com engenharia e tecnologia em seu DNA, possui um parque fabril localizado em São José dos Campos- SP, e está entre os maiores produtores de perfis extrudados de alumínio e de fabricação de peças industriais do Brasil. Atualmente a Prolind Alumínio possui cerca de 200 colaboradores e as certificações ISO 9001, ISO 14001, IATF 16949 e o Diploma VDA – B (Verband der Automobilindustrie).

Cidades do interior vão relaxar o isolamento social

Jundiaí, no interior de São Paulo (Prefeitura de Jundiaí/Reprodução)

Os municípios de Jundiaí e São José dos Campos, no interior paulista, vão flexibilizar as restrições de funcionamento do comércio que tem sido feitas como forma de conter a pandemia de coronavírus.

Em Jundiaí, o decreto publicado pelo prefeito Luiz Fernando Machado na última sexta-feira (17) entra em vigor hoje (20). Pelas novas normas, o comércio de rua pode funcionar desde que em sistema de entregas. Também foram liberados, os supermercados, padarias, vendas de produtos perecíveis, agropecuários, de construção civil, os profissionais liberais e os salões de cabeleireiro.

O decreto prevê normas específicas para o funcionamento de cada uma dessas áreas, como distanciamento entre os clientes e uso de equipamentos de proteção pelos funcionários. O número de profissionais em cada estabelecimento também deve ser adequado ao espaço físico disponível.

As recomendações de distanciamento social foram mantidas no decreto para as pessoas com mais de 60 anos ou com doenças que aumentam o risco de morte para o convid-19. A publicação estipula ainda o isolamento para pessoas com sintomas da doença e proíbe eventos que provoquem aglomerações, como shows, teatro e cinema.

Casos e mortes

Segundo a Prefeitura de Jundiaí, as novas normas foram “orientado pelas evidências de dados do cenário epidemiológico da cidade e parâmetros técnicos de saúde”. O município de 419 mil habitantes, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem 46 casos confirmados de coronavírus e quatro mortes causadas pela doença.

De acordo com o monitoramento feito pela Secretaria Estadual de Saúde do Estado de São Paulo, Jundiaí registrou no sábado (18) uma adesão de 51% às medidas de isolamento social. A média no estado ficou em 54%.

São José dos Campos

Em São José dos Campos, na região do Vale do Paraíba, o novo decreto passa a valer na segunda-feira (27) da semana que vem. O prefeito Felicio Ramuth fez uma apresentação em que justificou as medidas a partir das características do município, como densidade demográfica e infraestrutura em saúde, e em estudos que avaliam a forma de disseminação do coronavírus pelo mundo. “Todo o nosso trabalho é voltado a preservar vidas, usando como base a ciência: dados, informações e estudos epidemiológicos”.

O novo decreto municipal, que substitui as normas de quarentena estipuladas no final de março, permite a abertura de escritórios, do comércio em geral, de shoppings e salões de beleza. Os estabelecimentos deverão, no entanto, solicitar uma autorização temporária de funcionamento e se adequar a uma série de regras, como o uso de máscaras pelos trabalhadores. Os locais com mais de 40 funcionários deverão fazer escalonamento em turnos.

Os restaurantes só podem funcionar em regime de entrega ou pague e leve. Mesmo as praças de alimentação dos shoppings devem continuar fechadas, assim como cinemas e teatros.

Casos na cidade

No último sábado, São José dos Campos registrou uma adesão de 55% às medidas de isolamento social. A cidade com 722 mil habitantes, segundo estimativa do IBGE, tem três mortes confirmadas por coronavírus e 16 aguardando os resultados dos exames. Os casos confirmados de convid-19 são136 e os suspeitos 521.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil 

GM quer reduzir salários e jornada de funcionários

(Arquivo/GM/via Fotos Públicas)

Após quatro rodadas de negociações com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP), a General Motors propôs, no último sábado (4), a suspensão dos contratos de trabalho com redução de salários, por meio da Medida Provisória 936, no complexo industrial da montadora na cidade.

A proposta final será submetida à votação eletrônica dos metalúrgicos, em data a ser divulgada nos próximos dias. Se aprovada, a medida irá atingir 90% dos trabalhadores do complexo industrial de São José dos Campos. Apenas 100 ficarão na fábrica e não serão impactados pela medida; outros 42 trabalharão em regime de home office. A planta possui cerca de 3.800 funcionários.



A liberação dos trabalhadores neste momento é necessária para a prevenção ao coronavírus. Por enquanto, todos estão em férias coletivas, que terminam no dia 12.

O Sindicato defendeu, na mesa, a estabilidade no emprego por um ano e licença remunerada ou layoff sem redução salarial. A empresa não aceitou. “A MP 936 está muito aquém do que os trabalhadores precisam, e mais atrapalha do que ajuda. A GM não tem por que cortar salários, mas foi irredutível na mesa de negociação. Como o sindicato é uma entidade que segue a democracia operária, vai submeter a proposta à decisão dos trabalhadores. Eles decidirão se aceitam ou não a proposta”, afirma o vice-presidente do sindicato, Renato Almeida.

Por Ludmilla Souza – Repórter da Agência Brasil 

PCC usou Poupatempo para falsificar documentos

Por Josmar Jozino, da Ponte Jornalismo, e Luis Adorno, do UOL

Alejandro Juvenal Herbas Camacho Júnior é irmão de Marcola, líder da facção criminosa, e tirou RG falso em 2003, em unidade de São José dos Campos

Alejandro Juvenal Herbas Camacho Júnior, irmão do Marcola, enquanto estava preso com a cúpula do PCC no interior de SP (Reprodução)


Condenado e foragido da Justiça, Alejandro Juvenal Herbas Camacho Júnior, irmão de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder máximo do PCC (Primeiro Comando da Capital), deixou suas impressões digitais e conseguiu tirar uma carteira de identidade falsa em uma unidade do Poupatempo em São José dos Campos, a 97 km de São Paulo.

Na época, 17 de julho de 2003, Júnior, quatro anos mais novo que Marcola, tinha 36 anos. No Poupatempo, que presta serviço para o Instituto de Identificação ligado à Polícia Civil de São Paulo, adquiriu o documento em nome de Paulo Cezar Albuquerque de Souza.

Por causa da emissão do documento falso, Júnior pode abrir uma conta bancária, na qual movimentou R$ 504 mil de novembro de 2002 até maio de 2006. Aquele mês ficou marcado pelos Crimes de Maio, quando o Estado revidou os ataques do PCC às forças de segurança de São Paulo e deixou mais de 500 pessoas mortas.

O irmão de Marcola não foi o único a ter sucesso nesse tipo de operação. Outros líderes do PCC, integrantes de quadrilhas responsáveis por grandes roubos a bancos, transportadores de valores e carros-fortes, também conseguiram a emissão de documento falso na mesma unidade.

Irmão de Marcola afirmou em depoimento que, foragido, foi ao Poupatempo para ter RG falso (Reprodução)

De julho de 2003 a abril de 2010, ao menos 10 criminosos tiraram carteira de identidade falsa na mesma unidade do Poupatempo. A Corregedoria da Polícia Civil abriu inquérito na época para apurar o possível envolvimento de policiais no episódio. O processo de falsificação de documento público contra os acusados continua em andamento. A próxima audiência judicial foi marcada para 30 de janeiro de 2020.

Na prática, com os RGs falsos, os integrantes passam despercebidos quando parados pela polícia e tentam conviver em sociedade sem antecedentes que os comprometam.

Procurado às 14h desta terça-feira (26/11), o Poupatempo não respondeu aos questionamentos da reportagem até a publicação deste texto. O UOL e a Ponte Jornalismo perguntaram qual o resultado do inquérito sobre o documento falso e se alguém foi responsabilizado pela ilegalidade.

Dez anos depois de RG, assassinado com 70 tiros

Cláudio Roberto Zanetti, 38 anos, dirigia seu Audi Q3 blindado, com R$ 73.360 e roupas novas em uma mala, pelo Tatuapé, na zona leste de São Paulo, quando foi atingido por cerca de 70 tiros na cabeça, nos braços e nas pernas, no dia 23 de julho de 2018. Zanetti morreu no hospital, mas sua identidade era outra: Cláudio Roberto Ferreira, o Galo Cego, conhecido pela polícia como um dos grandes ladrões de banco do PCC.

Em 16 de agosto de 2008, dez anos antes, Galo Cego conseguiu tirar a carteira de identidade no Poupatempo de São José dos Campos com o nome falso. Como o irmão de Marcola, suas impressões digitais foram coletadas sem nenhum questionamento.

Cláudio Ferreira estava foragido da Justiça, segundo o Banco Nacional de Mandados de Prisão. Em 2008, ele participou de uma perseguição policial que terminou com três pessoas mortas e 11 feridos. Pela ação, a Justiça o condenou a 65 anos, um mês e 15 dias de prisão em regime fechado, em segunda instância, sob a acusação de latrocínio, roubo, lesão corporal e organização criminosa.

Galo Cego também era ligado à quadrilha que, em agosto de 2005, roubou R$ 164 milhões do Banco Central de Fortaleza.

A morte ocorreu durante uma guerra interna do PCC, originada em fevereiro do mesmo ano, após os assassinatos de Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, acusados de desviar dinheiro da facção criminosa.

Outro beneficiado pelo esquema criminoso foi Lucival Marques da Silva, acusado de participar de grandes roubos a transportadoras de valores. Um deles aconteceu em julho de 1997, quando a quadrilha levou R$ 1,83 milhão de uma empresa em São Paulo. O falso documento obtido por Silva foi emitido em 29 de março de 2008, em nome de Reginaldo Antonio de Souza.

Marcola e Júnior (ou Marcolinha)

Os irmãos Marco, 51 anos, e Alejandro, 47, estão presos na Penitenciária Federal da Papuda, em Brasília, no Distrito Federal, desde março deste ano. O irmão mais novo é chamado de Marcolinha. No sistema estadual paulista, Marcolinha era chamado de Júnior.

Filhos de pai boliviano e mãe brasileira, os irmãos foram criados por uma tia desde 1980, quando fugiram, moraram na rua e passaram a praticar crimes.

Marcola está condenado a 330 anos, seis meses e 24 dias de prisão com praticamente todos os crimes violentos ou hediondos do Código Penal brasileiro, de acordo com sua folha de antecedentes, consultada com exclusividade pela reportagem.

Júnior está condenado a 104 anos, oito meses e 23 dias de prisão por crimes como associação para o tráfico de drogas, tráfico de drogas, roubo qualificado e formação de quadrilha.

Ofício expedido pelo secretário da Administração Penitenciária paulista, o coronel Nivaldo Restivo, aponta que Júnior “registra envolvimento com a facção criminosa, é irmão do Marcola e seu principal conselheiro”, além de ser “extremamente forte no tráfico de drogas e sócio de seu irmão nessa atividade”.

Preso em Fortaleza em 2016, Camacho Júnior estava ganhando espaço dentro da facção. Sua presença no Nordeste serviria para analisar a região como potencial território de exportação de drogas, sobretudo cocaína, para países dos continentes europeu e africano.

De acordo com o Ministério Público, mesmo preso em local de segurança máxima, Júnior não deixou de “exercer sua influência e posição de comando no seio da facção”. Por isso, foi transferido para o sistema federal no início deste ano.

PCC em processo de cartelização

Principal organização criminosa do Brasil, com domínio sobre a exportação de drogas para outros continentes, o PCC está a um passo de se tornar uma máfia, nos moldes de grupos italianos, japoneses, mexicanos e colombianos.

O que falta para o PCC chegar a esse patamar, segundo investigações do MP (Ministério Público) e da PF (Polícia Federal), é a lavagem de dinheiro não precária.

“O PCC ainda enterra dinheiro e mantém a contabilidade em papéis. Falta ter uma lavagem de dinheiro requintada. Mas isso não deve demorar para acontecer. A organização criminosa está em pleno processo de cartelização”, diz o promotor Lincoln Gakyia, considerado como o principal investigador do país contra o crime organizado em São Paulo.

Outro lado

Em nota, a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) informa que o caso foi investigado junto à Corregedoria e que os documentos emitidos ilegalmente foram cancelados. “A falsificação de documentos pode levar a prisão de dois a seis anos, além de multa. O referido inquérito foi relatado em 2014 e arquivado pelo Judiciário no ano seguinte”, diz a nota.

*Esta reportagem foi publicada originalmente neste link: https://ponte.org/pcc-tinha-esquema-de-falsificacao-de-documentos-em-poupatempo-no-interior-de-sp/

Defesa Civil alerta para chuva forte e vento hoje e amanhã

(Arquivo/Marcos Ozanan/Fotos Públicas)


A Defesa Civil do Estado de São Paulo alertou hoje para o risco de ocorrer chuva intensa, com ventos fortes, hoje (27) e amanhã (28). A previsão, válida para regiões diversas do Estado, indica a passagem de uma frente fria que, somada ao calor, favorecerá a condição para precipitação de intensidade forte, acompanhada por raios e rajadas de ventos.

O risco é maior em 11 regiões, onde estão previstas chuvas de até 75 milímetros. Segundo o órgão do Governo do Estado, estão incluídas nesse alerta a Região Metropolitana de São Paulo, a Baixada Santista, Sorocaba, Campinas, Ribeirão Preto, Bauru, São José do Rio Preto, Araçatuba, Araraquara, Franca e Itapeva. Já em Registro, São José dos Campos, Presidente Prudente e no Litoral Norte pode chover até 50 milímetros.

Em caso de chuva forte, evite áreas em que alagamentos são recorrentes
(Arquivo/Nivaldo Lima/SP AGORA)

Em casos de emergência, a recomendação é para que o morador chame os Bombeiros (193), a Polícia Militar (190) e a Defesa Civil (199). Se houver raios, o indicado é permanecer em locais fechados e evitar áreas abertas, como terrenos ou praias.

Se estiver dentro de casa, durante a tempestade procure ficar distante de aparelhos e objetos ligados à rede elétrica, como TVs, geladeiras e fogões. Fique distante também de janelas, tomadas, torneiras, canos elétricos e evite tomar banho.

Previsão do tempo e risco de queda de árvore

A quarta-feira (27) começa com sol e temperaturas em elevação, segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE). O termômetros oscilam durante o dia entre a mínima de 18°C e a máxima podendo superar 30ºC. Vai ser a partir da tarde e começo da noite que áreas de instabilidade, associadas com a aproximação de uma frente fria pelo oceano, provocam pancadas de chuva com intensidade variando de moderada a forte.

O CGE faz um alerta, em função da possibilidade de chuva e vento fortes, para o risco de queda de árvores. O órgão chama a atenção ainda para o solo encharcado e a continuidade das chuvas, principalmente na quinta-feira, elevam o potencial para formação de alagamentos e deslizamentos de terra na Grande São Paulo.

Para amanhã (28), a propagação do sistema frontal pelo oceano organiza as áreas de instabilidade sobre o Estado de São Paulo, o que deixa o tempo instável com chuvas que devem se alternar com períodos de melhoria ao longo do dia. Os termômetros variam entre mínimas de 17ºC e máximas que não devem superar os 23ºC.

Alertas no celular e na TV

A Defesa Civil do Estado envia alertas gratuitamente por SMS com informações em tempo real sobre chuvas fortes e alagamentos. Basta cadastrar o número enviando seu CEP para 40199. É possível acompanhar avisos de ocorrências também pelo perfil @defesacivilsp no Twitter.

Clientes de TV por assinatura recebem mensagens de alertas de desastres naturais, deslizamentos de terra, vendavais e chuvas de granizo. As mensagens aparecem em formato de um pop-up (imagem sobreposta à tela) com tempo de exposição de 10 segundos. Não é necessário se cadastrar para receber as notificações de emergência pela TV paga. Há opção de o assinante fechar o pop-up se desejar.

*Com informações do Governo do Estado de SP e do CGE

Vídeo mostra explosão de carreta na Tamoios

(Reprodução)


Um vídeo mostra o momento exato em que uma carreta carregada de combustível perde o controle da direção, tomba e explode na Rodovia dos Tamoios, entre São José dos Campos e Caraguatatuba. O acidente foi na manhã de hoje (18).

No acidente, o motorista do caminhão morreu carbonizado. Dois ocupantes de um carro, atingido pela carreta na hora do acidente, tiveram ferimentos leves e foram socorridos pela concessionária que administra a rodovia.

Momento em que carreta tomba e explode na Rodovia dos Tamoios (Reprodução)

Veja Também!

https://spagora.com.br/video-metro-frea-para-salvar-rapaz-que-caiu-na-linha/