Rua interditada com fitas de segurança, viaturas estacionadas e policiais no meio da rua.

EUA: Três pessoas morrem após tiroteio

Três pessoas morreram e onze ficaram feridas durante um tiroteio na Filadélfia, maior cidade da Pensilvânia, no nordeste dos Estados Unidos, na madrugada do último sábado (4).

O local, chamado South Street, é um famoso ponto de entretenimento da cidade, com bares, restaurantes e vida noturna agitada.

“Sabemos que catorze vítimas foram baleadas e levadas para hospitais. Três destes indivíduos, dois homens e uma mulher, foram declarados mortos depois de chegarem aos hospitais com vários ferimentos a bala”, informou o inspetor da polícia à imprensa americana.

Os agentes que responderam ao incidente “observaram várias pessoas atirando no meio da multidão”.

“Havia centenas festejando na South Street, como acontece todo fim de semana, quando o tiroteio começou”, explicou o policial.

Tiroteio na Flórida deixa dois mortos e vários feridos

(Reprodução)

Um tiroteio na Flórida, nos Estados Unidos, deixou duas pessoas mortas e outras 25 feridas na madrugada deste domingo (30). O ato aconteceu durante um show, em um salão de festas chamado El Mula Banquet Hall.

Três pessoas saíram de um carro e começaram a atirar contra as pessoas que estavam do lado de fora do salão, segundo o diretor da polícia local Alfredo “Freddy” Ramirez III. Ele classificou, em suas redes sociais, os criminosos como “assassinos a sangue frio” e o ataque como “covarde”.

Ainda não se sabe a identidade dos atiradores, e nenhuma prisão foi efetivada.

Por TV Cultura

Tiroteio em mercado deixa ao menos dez mortos nos Estados Unidos

(Reprodução)

Um tiroteio na cidade de Boulder, no estado do Colorado, nos Estados Unidos, deixou pelo menos 10 mortos, ontem (22). Uma das vítimas é o policial Eric Talley, o primeiro que chegou ao supermercado King Soopers, de acordo com a chefe da polícia de Boulder, Maris Herold. 

Segundo Kerry Yamaguchi, comandante da polícia local, uma pessoa considerada suspeita pelo crime foi presa. As motivações do acontecimento ainda não foram reveladas. As investigações continuam no local, com a ajuda do FBI e da SWAT. 

A polícia de Boulder prestou uma homenagem ao policial morto, em uma postagem no Twitter. Veja abaixo:

“Descanse em paz oficial Eric Talley. Seu serviço nunca será esquecido.”

https://twitter.com/boulderpolice/status/1374200720350580741/photo/1

O governador do estado do Colorado, Jared Polis, também se pronunciou:

“Meu coração está partido enquanto observamos este evento indescritível se desenrolar em nossa comunidade de Boulder. Estamos disponibilizando todos os recursos de segurança pública para auxiliar o Departamento do Xerife do Condado de Boulder enquanto eles trabalham para proteger o mercado.”

Por TV Cultura

Quadrilha rouba dois bancos e promove tiroteio em Araraquara

(Redes Sociais/Reprodução)

Agentes da Polícia Militar e Polícia Civil de São Paulo realizam buscas para localizar um grupo que roubou duas agências bancárias no centro de Araraquara, interior do estado. O assalto aconteceu na madrugada desta terça-feira (24).

No momento da fuga, a quadrilha trocou tiros com a equipe de policiais militares que atendeu ao chamado. Procurada pela Agência Brasil, a Secretaria da Segurança Pública informou que ninguém ficou ferido e que, até o momento, não há informações sobre detidos.

A pasta destacou ainda que uma caixa com explosivos foi encontrada no local. Por essa razão, o Grupo de Ações Táticas Especiais e a perícia foram acionados. As investigações estão sendo coordenadas pela Delegacia de Investigações Gerais de Araraquara, com apoio da Divisão Especializada de Investigações Criminais.

Em nota, a Polícia Militar (PM) acrescentou que a quadrilha, de homens “fortemente armados”, se dividiu em dois grupos, que atuaram simultaneamente, em endereços diferentes. O primeiro deles, formado por cerca de dez pessoas, cercou a saída do 13º Batalhão de Polícia Militar do Interior, localizado no bairro Vila Ferroviária, zona central da cidade. Segundo a corporação, os criminosos conseguiram acesso à agência da Caixa após detonar parte da estrutura.

O tiroteio foi iniciado depois que os criminosos bloquearam a via de acesso ao batalhão, ateando fogo a veículos. Ainda de acordo com a PM, o grupo chegou ao local com três veículos e dois caminhões.

O segundo núcleo bloqueou diversas vias do centro da cidade, com o objetivo de roubar caixas eletrônicos das agências bancárias da Caixa e do Banco do Brasil, situadas na Avenida Brasil. O grupo também trocou tiros com os agentes, usando três transeuntes como escudo humano. Ninguém ficou ferido.

https://twitter.com/raflops/status/1331114564612665345
Morador gravou som dos tiros

Por Agência Brasil

Tiroteio entre PMs envolveu dois policiais assaltantes

Segundo Boletim de Ocorrência, Josimar Lima da Silva morreu após reagir a assalto praticado pelos também PMs André Monteiro Malfati e João Paulo de Araújo Silva, em Diadema (SP); Araújo nega e afirma ser inocente

PM Josimar foi morto após reagir a um assalto que teria sido anunciado por dois PMs | Foto: Arquivo Ponte

O tiroteio entre três PMs, que terminou com dois mortos e um detido em Diadema (Grande SP), na manhã do último domingo (23/8), na verdade teria sido uma tentativa de roubo. O crime aconteceu na avenida das Nações, no Jardim das Nações.

Segundo o Boletim de Ocorrência registrado no 3º DP de Diadema, o PM André Monteiro Malfati, 33 anos, acompanhado do o cabo João Paulo de Araújo Silva, 28 anos, anunciou um assalto para algumas pessoas na rua. Uma das vítimas seria o PM Josimar Lima da Silva, 32 anos, que revidou, efetuando disparos de arma de fogo que atingiram “o policial que anunciara o roubo”, como descreveu o delegado Luciano Galvão Elias. Josimar estava com outras pessoas na porta da casa do sobrinho, que comemorava seu aniversário, quando foram surpreendidos pelos assaltantes.

João Paulo, segundo as testemunhas, parentes e amigos de Josimar, relataram na delegacia, estaria acompanhando André no roubo e seria quem efetuou disparos contra o PM Josimar. Os disparos atribuídos a João Paulo também teriam atingido a namorada de Josimar, que permanece internada.

Ponte ouviu uma das seis testemunhas do caso, sob a condição de anonimato. A familiar disse que os policiais assaltantes chegaram pedindo para as pessoas levantarem as blusas e dar tudo o que tinham com elas.

“Eles não se identificaram como policiais nesse momento. O Josimar conseguiu balear o policial André e o policial João Paulo baleou o Josimar. Ele estava desnorteado, aparentemente drogado. Depois que atirou, ficou falando que era policial, para ninguém chegar perto dele”

O PM João Paulo, lotado 24º Batalhão da PM paulista (Diadema) foi preso em flagrante por latrocínio (roubo seguido de morte), que tem pena de quinze a trinta anos de prisão, e organização de grupo para prática de violência, que tem pena de quatro a oito anos – ambos os crimes fazem parte do Código Penal Militar, que rege o caso uma vez que o enfrentamento ocorreu entre militares. Em depoimento na delegacia, definiu o caso como “entrei em uma furada”.

Todos os policiais estavam fora do horário de trabalho e usavam roupas comuns. André, também lotado no 24º Batalhão, e Josimar, do 6º Batalhão de PM, foram socorridos no Hospital Municipal de Diadema, onde foram constatados os óbitos.

No primeiro semestre de 2020, 24 policiais militares paulistas foram mortos, sendo 12 deles em serviço e 12 de folga. No mesmo período, sob o comando de João Doria (PSDB), PMs mataram, em serviço, 435 pessoas, enquanto 63 pessoas foram mortas por PMs de folga. Esse é maior número já registrado em um primeiro semestre desde que a Secretaria da Segurança Pública passou a disponibilizar esses dados, em 1996.

João Paulo foi preso no CPA (Comando de Policiamento de Área
Metropolitano), onde alegou que agiu em legítima defesa de terceiro. Posteriormente, foi encaminhado para o Presídio Militar Romão Gomes, na Vila Albertina, zona norte da cidade de SP.

Outro lado

Procurada pela Ponte, a advogada Flávia Artilheiro, que cuida da defesa do PM João Paulo, afirmou por WhatsApp que “o Cabo Araújo é inocente e a legitimidade de sua conduta restará demonstrada ao final das investigações”.

A reportagem também questionou a Secretaria da Segurança Pública e a Polícia Militar sobre o caso, perguntando também sobre a permanência de João Paulo na corporação.

Em nota, a SSP informou se limitou a dizer que o caso havia sido registrado no 3º DP da cidade, “que instaurou inquérito policial para apurar todas as circunstâncias do fato”. “A ocorrência também é investigada pela Polícia Militar meio de IPM. O policial militar segue detido no Presídio Romão Gomes”, finalizou a pasta.

Por Caê Vasconcelos – Repórter da Ponte

Polícia tenta identificar atirador que feriu 2 em bloco de carnaval

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou hoje (26) que o autor dos disparos que atingiram duas pessoas no Bloco da Latinha Mix, organizado pela Rádio Mix FM, ainda não foi identificado. O caso aconteceu na tarde desta terça-feira (25) e foi registrado em vídeo pelo DJ Diplo, quando estava no palco.

De acordo com a secretaria, as vítimas são uma adolescente, de 17 anos, e um jovem, de 20 anos. No momento em que os tiros foram disparados, o público fazia a concentração, para seguir adiante, na rua Henrique Schaumann, no bairro Pinheiros, zona oeste da capital.

A pasta relatou, em nota, que, policiais militares identificaram um tumulto generalizado no meio do bloco e que, logo depois, foram avisados por foliões que duas pessoas haviam sido atingidas por arma de fogo. As duas pessoas feridas foram socorridas pela equipe médica que atendia no local e foram encaminhadas ao Hospital Municipal Doutor Arthur Ribeiro de Saboya e ao Hospital das Clínicas.

No comunicado enviado à reportagem, a secretaria acrescenta que exames periciais foram solicitados ao Instituto Médico Legal (IML) e ao Instituto de Criminalística (IC). O caso foi registrado como tentativa de homicídio, no 14º Distrito Policial (Pinheiros).

A Agência Brasil solicitou à Secretaria de Saúde informações sobre o estado de saúde das vítimas e aguarda retorno.

Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil

Perseguição tem tiroteio na Faria Lima e capotamento

(Twitter/Reprodução)


Uma perseguição policial terminou em capotamento na rua dos Pinheiros, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo, perto da Avenida Faria Lima. Segundo o UOL, dois homens que haviam participado de um roubo a residência foram perseguidos e acabaram presos após capotar o carro.

https://twitter.com/tarhuntkaue/status/1204432511503392768

Testemunhas relataram nas redes sociais que houve tiroteio de correria na região da Faria Lima, uma das regiões mais valorizadas da Capital. O vídeo que mostra o momento do capotamento foi divulgado nas redes sociais.

(Jovem Pan/Reprodução)

*atualizado às 17h03

EUA: ataque no Walmart matou 20 pessoas

Durante tiroteio moradores se esconderam debaixo de mesas (Twitter/Reprodução)

Um tiroteio dentro de uma loja do Walmart, hoje (3), em El Paso, no Texas, nos Estados Unidos, deixou 20 pessoas mortas e outras 26 feridas.

A NBC News noticiou que o Centro Médico Universitário de El Paso recebeu, pelo menos, 10 pessoas gravemente feridas e que algumas foram transferidas para outros hospitais. O mercado fica em um centro comercial chamado Cielo Vista.

Quando o ataque começou, a Polícia de El Paso, no sul dos Estados Unidos, emitiu um alerta e recomendou que população se afastasse do local. As informações iniciais apontavam para vários atiradores, mas apenas um atirador foi preso. Ele tem 21 anos.

Atirador, identificado como Patrick Crusius, tem 21 anos (RTP/Reprodução)

 Na terça-feira, duas pessoas foram mortas e um polícia ferido num supermercado da cadeia no Mississippi. 

No domingo, três pessoas, incluindo um rapaz de seis anos, foram mortas quando um atirador de 19 anos abriu fogo durante um festival de gastronomia de Gilroy na Califórnia, a sul de San Francisco.

(Twitter/Via RTP)

*Com informações da RTP

*Atualizado dia 04/08, às 12h

Mais de 400 tiroteios foram registrados por aplicativo em SP

Bruno Bocchini/Agência Brasil

(Arquivo/SP Agora)

O aplicativo para celulares Onde Tem Tiroteio (OTT-SP) registrou 477 tiroteios no estado de São Paulo desde que começou a funcionar em março. A ferramenta faz a divulgação da troca de tiros quando é informada pelos usuários. A informação, no entanto, é checada, antes de ser publicada pelos administradores do aplicativo.

O objetivo da ferramenta, segundo os desenvolvedores, é servir de alerta para que as pessoas evitem áreas onde está ocorrendo o tiroteio ou arrastão. No Rio de Janeiro, onde o aplicativo funciona há dois anos, foram registrados mais de 5 mil tiroteios em 2018.

“A gente foca em avisar as pessoas que estão nas proximidades para não se machucarem. Nosso foco é o cidadão. É uma briga que não era nossa, não éramos nós que deveríamos fazer isso. A gente viu que nada estava acontecendo diante dos tiroteios e decidimos abraçar o projeto”, disse um dos administradores e desenvolvedores do aplicativo, Henrique Caaman.



Segundo Caaman, o sistema de checagem da ferramenta envolve a consulta a um grupo de apoio de colaboradores de confiança e até a grupos de WhatsApp de moradores da região da ocorrência. 

“As informações chegam de ‘n’ canais. Dependendo de quem manda, se já fizer parte do nosso clube de confiança, imediatamente vai pra rede. Se não partiu dessas pessoas, a gente joga em um núcleo de confirmação. Participamos de mais de 500 grupos de WhatsApp”, explicou.

De acordo com Caaman, não é possível ainda ter uma avaliação da segurança pública de São Paulo a partir dos dados do aplicativo. Segundo ele, a ferramenta está em funcionamento há muito pouco tempo para se obter uma noção exata da situação. 

“Muita coisa não chega e conforme a rede aumentar, infelizmente, os números vão aumentar. Os lançamentos da OTT são 25% ou 30% da realidade porque não chega tudo o que acontece para a gente. De 220 relatos que chegam, a gente lança 35 a 40. Pode ter acontecido, mas nós não conseguimos confirmar”.

Diferenças entre Rio e SP

Para o coronel reformado da Polícia Militar de São Paulo e consultor de segurança pública, José Vicente da Silva Filho, há grandes diferenças entre a violência registrada no Rio de Janeiro, local de origem do aplicativo, e em São Paulo. “São Paulo e Rio de Janeiro são muito diferentes. O Rio tem muitas comunidades, mais de 200 comunidades dominadas por traficantes e milícias, e são criminosos fortemente armados que produzem muitos tiroteios, até para defender ou conquistar território em disputa entre os rivais. Esse fato é muito raro aqui em São Paulo”.

Silva Filho disse que, no caso do Rio de Janeiro, há tiroteio que fecham vias importantes, como a Avenida Brasil, por horas e o alerta é importante para as pessoas não seguirem por esse caminho. “Aqui em São Paulo, são fatos raros, eu nunca ouvi falar que tenha sido fechada uma avenida por causa de um tiroteio”, disse.

Segundo Silva Filho, notícias recorrentes sobre casos de violência na cidade, no entanto, podem também exacerbar o medo que a população já sente da violência. “O problema é que um fato que seja isolado, no caso de um tiroteio em São Paulo, e acontecem tiros na cidade obviamente, colocado no aplicativo, muitas pessoas vendo, até distante dos seus roteiros de caminho para casa ou para o trabalho, acaba induzindo a formação e o agravamento do medo que as pessoas já têm”.

O coronel disse que São Paulo tem muito mais casos de furtos e roubos do que assassinatos. “A quantidade de mortes em assaltos, por exemplo, é praticamente irrisória. É 0,05% dos assaltos. No entanto, esse tiros, e os crimes mais raros, que são os mais graves, é que acabam tendo mais repercussão no relacionamento das pessoas com as notícias”.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo informou que não comentam esse tipo de aplicativo e que o único canal de registro de ocorrência da população é o 190.

Dois suspeitos são mortos em troca de tiros na Dutra

O único suspeito que sobreviveu disse que o trio pretendia praticar assaltos na rodovia (Agência PRF/Reprodução)

Três homens foram baleados em uma troca de tiros com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) na noite deste domingo (16) na Rodovia Presidente Dutra. Eles estavam em um carro roubado e reagiram a tiros numa abordagem. Segundo a PRF, dois deles morreram.

Por volta das 21h10, equipes da PRF faziam patrulhamento na pista sentido Rio, em Nova Iguaçu, na baixada Fluminense, quando desconfiaram dos ocupantes de um carro e deram ordem de parada. Os disparos na direção dos policiais começaram em seguida. Uma viatura da Polícia Militar, que passava pelo local e apoiou na abordagem, foi atingida por um tiro. Nenhum policial ficou ferido.

Os três ocupantes do carro foram baleados no tiroteio, mas apenas um sobreviveu. A arma que usaram para atirar contra os policiais foi apreendida.

O atendimento médico da concessionária foi acionado e uma ambulância levou o ferido para o Hospital Geral de Nova Iguaçu. O carro possuía registro de roubo e as placas eram clonadas.

Uma pistola com dois carregadores foi encontrada no veículo. Um dos indivíduos disse ser da comunidade da Quitanda, no Complexo da Pedreira, Zona Norte do Rio. Ele confessou que pretendiam cometer assaltos na Dutra. O homem contou que eles conseguiram dispensar outra arma pela janela do carro, enquanto fugiam.

A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) foi acionada para realizar a perícia. A ocorrência foi registrada na 52ª DP (Nova Iguaçu).

*com informações da Agência PRF