TikTok rejeita proposta da Microsoft, mas ainda negocia com Oracle

APP Chinês pode ser banido dos EUA se não for vendido para americanos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Solen Feyissa/Unsplash)

A Microsoft comunicou neste domingo (14/09) que a empresa chinesa proprietária do popular aplicativo TikTok rejeitou sua oferta de compra. Com isso, a empresa fabricante de software de bancos de dados Oracle é a única que continua na disputa.

O TikTok está no centro de um imbróglio diplomático entre Washington e Pequim. O presidente Donald Trump deu um ultimato até meados de setembro para que americanos parem de fazer negócios com a ByteDance, dona do aplicativo. Isso, na prática, forçou a venda do TikTok a uma empresa dos EUA.

Os jornais The Wall Street Journal e The New York Times afirmam que a Oracle ganhou a disputa, citando fontes envolvidas nas negociações. Mas a imprensa estatal chinesa diz que o TikTok não será vendido. A agência de notícias Reuters, citando pessoas próximas às negociações, noticia que está em discussão uma parceria entre os chineses e a fabricante de software de bancos de dados.

Já em agosto, Trump mostrou-se favorável a que a americana Oracle, com estreitas relações com a Casa Branca, assumisse as operações da ByteDance nos Estados Unidos. Mas não está claro se ele vai concordar com o formato atual do negócio.

Guerra comercial entre Pequim e Washington

O TikTok, de propriedade da empresa ByteDance Ltd., sediada em Pequim, tornou-se famoso por seus vídeos curtos, muito populares entre adolescentes e como canal de marketing para celebridades. A empresa afirma ter 100 milhões de usuários nos EUA e centenas de milhões em todo o mundo. Os executivos da ByteDance avaliaram o TikTok em mais de 50 bilhões de dólares.

O governo dos EUA expressa com frequência preocupação com os serviços chineses de mídia social e alega que eles poderiam fornecer informações pessoais de usuários americanos às autoridades chinesas.

No entanto, o governo americano não forneceu nenhuma evidência de que este seja o caso do aplicativo TikTok. Em vez disso, apontou para a capacidade do Partido Comunista de forçar empresas chinesas a cooperar. De acordo com uma lei chinesa introduzida em 2017, as empresas têm a obrigação de apoiar e cooperar com o trabalho de inteligência do país.

Órgãos reguladores dos EUA mencionaram preocupações de segurança semelhantes no ano passado, quando o proprietário chinês do aplicativo Grindr foi obrigado a vendê-lo.

O TikTok comunicou que não atenderia a nenhum pedido de compartilhamento de dados de usuários com as autoridades chinesas.

O Ministério do Exterior da China manifestou clara oposição à venda forçada do TikTok por considerar que violaria os princípios da Organização Mundial do Comércio (OMC).  

Pequim vê a venda do TikTok como mais um capítulo da guerra comercial com Washington, que tenta conter o crescente poderio tecnológico do gigante asiático, com restrições impostas, por exemplo, à empresa de telecomunicações Huawei e à popular rede social WeChat, do conglomerado digital Tencent.    
  
RPR/ap/ots

Por Deutsche Welle

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas