Mundo

Alemanha vai investir meio bilhão em projetos ambientais no Brasil

Recursos prometidos somam os 200 milhões de euros anunciados em janeiro

A Alemanha firmou com o Brasil na segunda-feira (04/12) novos projetos de cooperação na área ambiental, no valor total de 103,5 milhões de euros (R$ 550 milhões).

A assinatura dos acordos ocorreu durante as consultas intergovernamentais de alto nível Alemanha-Brasil , realizadas em Berlim com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e uma comitiva de treze ministros, incluindo a chefe da pasta do Meio Ambiente, Marina Silva.

Os projetos serão financiados com recursos novos, que somam 203 milhões de euros (R$ 1 bilhão) que já foram anunciados em janeiro pela ministra alemã de Cooperação Econômica, Svenja Schulze, durante uma visita a Brasília.

Lula e Olaf Scholz durante encontro na Alemanha (Ricardo Stuckert/PR)

Uma nova palavra será utilizada para estruturar planos de combate ao desmatamento nos biomas Pantanal, Mata Atlântica, Caatinga e Pampa, apoiar atividades de restauração florestal e de manejo sustentável na Amazônia e no Cerrado e apoiar comunidades que vivem em Unidades de Conservação na Amazônia, inclusive no atendimento de pessoas contaminadas com mercúrio, entre outros projetos.

Siga nosso canal no Whatsapp

Marina Silva afirmou nesta terça-feira, em coletiva de imprensa em Berlim, que os recursos serão úteis para dar início a projetos inovadores, que na fase inicial às vezes têm dificuldades para acessar recursos públicos – mas que, depois de já estruturados, podem ” ganhar escala” com esportes do governo brasileiro.

“O Brasil tem uma cooperação histórica com a Alemanha, e essa cooperação já foi fundamental para projetos pilotos para o desenvolvimento de políticas públicas que depois ganharam escala”, afirmou a ministra.

Lista dos projetos contratados
No cômputo geral das consultas intergovernamentais Alemanha-Brasil, foram assinados no total 19 instrumentos e parcerias em diversas áreas de atuação e envolvendo ministérios variados. Deles, pelo menos oito tratam de transição verde, energias renováveis, proteção ambiental e bioeconomia.

Os instrumentos celebrados com o Ministério do Meio Ambiente são:

Planos de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento (PPCDs), que prevêem apoio para estruturar os planos nos biomas Pantanal, Mata Atlântica, Caatinga e Pampa e um investimento de 30 milhões de euros;
PROGREEN, parceria global para paisagens sustentáveis ​​e resilientes, que prevê apoio às atividades de restauração florestal e de manejo sustentável na Amazônia e no Cerrado, contribuindo para o cumprimento da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC, na sigla em inglês) brasileira. O repasse previsto é de 25 milhões de euros;
ARPA Comunidades, que tem como objetivo apoiar comunidades em Unidades de Conservação na Amazônia. O repasse previsto é de 22 milhões de euros;
PoMuC II, programa de políticas sobre mudança climática, que estipula o apoio a ações de mitigação e adaptação, com ênfase na proteção da biodiversidade. O repasse previsto é de 10 milhões de euros;
Parcerias para a inovação externa para apoiar planos de ação para prevenção e controle do desmatamento nos biomas brasileiros e a estratégia e ao plano de ação para a biodiversidade no país. O repasse previsto é de 4,5 milhões de euros;
TerraMar II, proteção e gestão integrada da biodiversidade marinha e marinha, que prevê apoio à gestão integrada e à conservação da biodiversidade marinha e marinha no Brasil. O repasse previsto é de 4 milhões de euros;
Action4Forests, voltado ao apoio à proteção florestal no Brasil. O repasse previsto é de 4 milhões de euros;
ProAdapta para apoio à implementação da agenda nacional de adaptação às mudanças climáticas. O repasse previsto é de 2 milhões de euros;
Estrutura de protocolo federal de monitoramento ambiental do mercúrio na Amazônia. O repasse previsto é de 300 mil euros.

Verbas anunciadas em janeiro
No dia 30 de janeiro, no início do atual governo, a ministra alemã de Cooperação Econômica, Svenja Schulze foi a Brasília acompanhada do chanceler federal alemão, Olaf Scholz , e anunciou 203 milhões de euros para diversas iniciativas ambientais.

Nesse sentido, estão 35 milhões de euros para o Fundo Amazônia (dos quais 20 milhões de euros já foram transferidos ao Brasil), 31 milhões de euros para apoiar estados da Amazônia na proteção da floresta e 13 milhões de euros para reflorestamento de áreas degradadas.

Mineração de sal-gema em Maceió foi “empreendimento desastroso”
Marina afirmou também que o afundamento dos bairros de Maceió, provocado pela exploração de sal-gema pela Braskem no subsolo da cidade , o risco de colapso de uma das minas, é uma “catástrofe” decorrente de processos de licenciamento ambiental realizados sem o devido rigor .

“Quando digo que o Ministério do Meio Ambiente e o Ibama não devem facilitar nem dificultar, mas agir com todo rigor, é exatamente para que esse tipo de coisa não aconteça em prejuízo do meio ambiente e da sociedade. Lamentavelmente, a postura de flexibilizar procedimento leva a esse tipo de coisa – aquilo que parece uma celeridade no começo depois vira um problema grave, que afeta principalmente a população”, disse.

Ela ressaltou que o processo de licenciamento para a exploração de minas de sal-gema em Maceió, iniciado no final da década de 70, é “de responsabilidade do estado de Alagoas”, e que o Ministério do Meio Ambiente dispõe de 12 técnicos especializados que ajudando no monitoramento da situação.

“Já foram mais de 50 mil pessoas que tiveram q foram removidas da área de abrangência desse empreendimento desastroso”, disse Marina. Há, no total, 35 minas na capital alagoana, que foram desativadas em 2019.

Mais artigos desta categoria

Botão Voltar ao topo
Fechar

Bloqueador de anúncios

Não bloqueie os anúncios