Fiscalização encerra festa e interdita spa e bar em São Paulo

Polícia Militar flagrou 972 pontos de aglomeração
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O Comitê de Blitze do governo do estado e da prefeitura de São Paulo encerrou na madrugada de hoje (3) uma festa clandestina na capital. Além disso, foram multados e interditados um spa no bairro da Aclimação, que funcionava irregularmente, e um bar em Pinheiros, com clientes consumindo em seu interior. O spa e o bar são considerados serviços não essenciais e, portanto, não estão autorizados a atender o público nesta fase emergencial do Plano SP.

A fiscalização faz parte das ações de enfrentamento à pandemia no estado e tem o objetivo de garantir cumprimento das medidas restritivas. Desde o dia 26 de fevereiro, na fase emergencial, o estado determinou combate mais rígido a aglomerações e eventos clandestinos para conter o contágio acelerado pelo coronavírus.

Entre sexta-feira e a madrugada deste sábado, o governo estadual informou que a Polícia Militar atuou de forma preventiva na capital, litoral e interior em 40 ações de apoio à Vigilância Sanitária. Foram feitas 3.544 dispersões. Houve 972 pontos de aglomeração flagrados pela PM.

Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais pelo telefone 0800-771-3541, no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail do Centro de Vigilância Sanitária: [email protected]

Balanço

O trabalho da força-tarefa do governo de São Paulo para conter o avanço da epidemia de coronavírus durante a fase emergencial do Plano SP resultou em 943 festas e eventos clandestinos encerrados em março em todo o estado. A força-tarefa – incluindo Vigilância Sanitária estadual e Procon-SP – autuou 1,8 mil estabelecimentos no estado durante o mês e também foram realizadas mais de 837.514 abordagens.

O mês de março teve número recorde de denúncias à Vigilância Sanitária por descumprimento de regras do Plano SP de prevenção contra a covid-19. Foram 55.416 queixas e registros referentes a estabelecimentos que funcionavam fora dos protocolos do plano, permitiam aglomerações ou presença de consumidores sem máscaras, que são obrigatórias em espaços coletivos. O número foi 12 vezes maior que o observado em fevereiro deste ano, quando houve 4.332 denúncias, e é o triplo do total registrado nos oito meses anteriores (julho de 2020 a fevereiro de 2021, que tiveram um total de 16.668 denúncias).

Desde 1º de julho do ano passado, a Vigilância Sanitária estadual realizou 238.826 inspeções e 5.315 autuações, além de 274 interdições. Somente no mês de março deste ano, as equipes inspecionaram 33.271 locais e 1.439 foram autuados.

Já as equipes do Procon-SP, em março, fiscalizaram 5.659 estabelecimentos que prestam serviços não essenciais, como bares restaurantes, tabacarias e festas clandestinas. Deste total, 361 locais foram autuados por descumprirem as medidas restritivas. Os estabelecimentos desrespeitavam as regras de restrição de circulação, uso obrigatório de máscaras e distanciamento social. Apenas na capital, foram autuados 206 locais de 1.425 vistoriados.

*Com informações da Agência Brasil

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas