SinproSP recorre à Justiça contra demissões na Unicsul

Demissões podem chegar a 30%, segundo sindicato de professores.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O Sindicato dos Professores de São Paulo (SinproSP) entrou com ação no Tribunal Regional do Trabalho, nesta quarta-feira (1º), contra as demissões de professores na Universidade Cruzeiro do Sul (Unicsul). Como ocorreu na ação contra a Universidade Nove de Julho (Uninove), o SinproSP pede a suspensão liminar das dispensas e a mediação do tribunal.  

(Google Street View)

Segundo o sindicato, as demissões podem chegar a mais de 30% de todo o corpo docente da Unicsul e os professores começaram a ser avisados na noite do dia 30 de junho, após um pronunciamento do reitor da instituição, Luiz Henrique Amaral.

“A Unicsul é mais um exemplo de demissão massiva decorrente de uma reestruturação, sustentada no enxugamento da folha de pagamentos e dos serviços e aumento das margens de lucro, em detrimento da qualidade de ensino”, diz nota da entidade. 

Para o SinproSP, a pandemia está servindo de laboratório para a aceleração dessa reestruturação, que só se tornou possível, segundo avaliação do sindicato, “pela combinação de novas tecnologias e mudanças na legislação educacional”.

Outro lado

A Unicsul disse, em nota, que tem segurança da legalidade de suas ações, age sempre com total respeito a todos os direitos do trabalhador e tem evitado tomar medidas mais drásticas, mesmo com o aumento expressivo da inadimplência e da evasão, resultados do impacto da pandemia no emprego e na renda de seus alunos e famílias.

“O agravamento e prolongamento da crise econômica, somados às incertezas quanto ao próximo semestre, levaram o grupo a adotar uma adaptação de custos, inclusive e inevitavelmente de pessoal, de modo a manter e preservar minimamente a saúde financeira, a qualidade de sua operação e a pontualidade dos seus compromissos, assim como – e principalmente – os milhares de empregos que continuarão a ser gerados em um futuro que se espera próximo e melhor”, diz nota da instituição.

A universidade informou ainda que, até o momento, não recebeu nenhuma intimação referente à ação citada em seu nome.

Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil 

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas