Terceira idade: hábitos que podem melhorar a artrose na coluna

As doenças mais comuns relacionadas às dores nas costas são reumatismo, fratura, osteoporose e artrose.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A queixa de dor nas costas, ou nos quadris, vinda de pessoas idosas nem sempre significa um simples desconforto. Se a reclamação sobre as dores for constante, é hora de ligar o sinal de alerta. Quando a dor permanece por mais de dez dias, por exemplo, associada à febre, vermelhidão local, dormência ou fraqueza, um médico deve ser consultado o quanto antes para realizar um diagnóstico mais preciso.

Terceira idade: hábitos que podem melhorar a artrose na coluna
Foto: Freepik

As doenças mais comuns relacionadas às dores nas costas são reumatismo, fratura, osteoporose e artrose. A artrose na coluna também é chamada de espondilose cervical e exige atenção especial, pois é causada pela degeneração dos ossos do pescoço e dos discos entre eles, exercendo uma pressão sobre a medula espinhal naquela região.

Os sintomas da artrose podem variar de pessoa para pessoa, com intensidades diferentes. A doença é relativamente frequente e, embora a maioria dos casos não seja tão grave, pode provocar dores e causar limitações no dia a dia.

Quanto mais idade a pessoa tem, maiores são as chances de apresentar algum grau de espondilose, que está associada ao envelhecimento. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença atinge 80% da população mundial com mais de 65 anos de idade. Aproximadamente, 15 milhões de brasileiros sofrem com a artrose, conforme dados do Ministério da Saúde.

O fator genético também é preponderante para a espondilose. Contudo, algumas profissões e atividades que exigem mais esforço físico da pessoa podem contribuir para o surgimento dos primeiros sintomas.

Diagnóstico correto contribui para aliviar os sintomas

Dor na coluna que vai piorando com movimentos, desconforto e tensão nas costas e no pescoço, formigamento nos membros inferiores e superiores, andar instável e cambaleante costumam ser os primeiros sintomas da espondilose. 

Para descobrir o estágio da doença, exames clínicos e radiografias da coluna, associados ao relato do paciente, podem ajudar o médico a chegar a um diagnóstico.

Casos mais graves da espondilose podem indicar a necessidade de uma tomografia computadorizada de coluna cervical ou dorsal ou lombo-sacra. O nome é extenso e representa uma das técnicas mais modernas para detecção de doenças que acometem a coluna com rapidez e precisão.

Hábitos e tratamentos que melhoram a espondilose

A espondilose, ou artrose, é uma doença progressiva e não tem cura, mas seu tratamento é eficaz e, na maioria dos casos, não há necessidade de cirurgia. De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), as áreas do corpo mais atingidas são: quadris, joelhos, mãos e coluna.

A conduta de tratamento mais adotada é o uso de medicamentos como anti-inflamatórios, analgésicos e relaxantes musculares, além de colar cervical macio e fisioterapia. Posteriormente, o paciente pode realizar atividades físicas como natação e hidroginástica, já que exercícios na água causam menos impacto nas articulações e, ao mesmo tempo, as fortalecem.

Em casos nos quais a cirurgia é uma alternativa, existe um risco pequeno de ocorrer complicações, como infecções e lesões na coluna, por isso o método só é indicado quando não há melhora com os tratamentos mais conservadores.

É possível, também, adotar algumas medidas de prevenção antes dos primeiros sintomas aparecerem, como adquirir hábitos mais saudáveis, incluindo exercícios cardiovasculares como caminhada, corrida e bicicleta; atividades que reforçam a musculatura postural como a ioga e o pilates; dieta equilibrada; evitar o excesso de peso e manter uma postura correta durante as atividades laborais.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas