‘Entrega Segura’ incentiva doação de máscaras e luvas para entregadores

Foi lançada em São Paulo a campanha nacional “Entrega Segura“, iniciativa de um grupo de pessoas que chamou para si a responsabilidade de disseminar na sociedade um olhar mais sensível para estes profissionais que continuam nas ruas arriscando suas vidas para entregar para a população vários itens essenciais, como alimentos, remédios, materiais de limpeza, além de diversos outros produtos necessários durante o isolamento social. A ideia do grupo é estimular a doação de máscaras e luvas sempre que alguém fizer uma compra pela internet ou telefone.

Campanha pretende convencer quem compra pela internet a doar uma máscara ao entregador quando receber a encomenda (Divulgação)

“Essa mobilização espontânea de voluntários tem o objetivo de sensibilizar todas as pessoas que fazem compras pela internet ou telefone. Se 1% da população do Brasil doar uma única máscara aos entregadores, teremos alcançado 2 milhões de entregadores”, comenta Paulo Gouvêa, empresário e voluntário da campanha. 

A campanha defende que doar uma máscara para cada trabalhador que faz a entrega é uma forma de protegê-lo e de proteger quem está recebendo o produto, por isso o mote da campanha será “Eu te protejo, você me protege!”. Como embaixadores do projeto, está o ator Nelson Freitas, o ex-jogador de tênis e empresário Carlos Alberto Kirmayr, a dupla sertaneja Francis & Felipe, além de Bob Fernandez (Locutor Jovem Pan), Oscar Pardini (Ator), Claudio Pistolesi (Treinador Tênis – Itália), Takao Suzuki (Treinador Tênis – Japão), Brian Gottfried (Treinador Tênis – EUA) e Li Martins (Cantora, Atriz).

“A campanha Entrega Segura tem em seu DNA a solidariedade e valoriza pessoas que são verdadeiros heróis, mas não são compreendidos desta maneira pela sociedade”, afirma Geraldo Yoshizawa, um dos organizadores do projeto.  Ele explica que esses profissionais de entrega se tornam invisíveis no dia a dia para a maior parte das pessoas e daí nasceu a ideia de desenvolver uma campanha, aproveitando o momento de pandemia, para valorizá-los.  “Ao entregar a máscara ou luva, quem entrega vai enxergar o profissional de outra maneira”, complementa. 

Outros Locais

A Campanha lançada na Capital Paulista reverberou rapidamente e já tem voluntários incentivando a doação de máscaras também em outras regiões do Brasil. Fazem parte da lista o município do Rio de Janeiro, Florianópolis, Joinville, Uberlândia, Uberaba, São Roque, Campinas, Barueri e Santo André.

Além do foco de saúde, a campanha vai procurar engajar a sociedade na valorização de uma profissão que neste momento está fazendo a roda da economia girar, já que o delivery ganhou adeptos e deve crescer bastante também no período da retomada, uma vez que as pessoas levarão tempo para ganhar confiança e sair para fazer compras.

O projeto já ganhou apoiadores de diversos setores. “Eles são importantes por viabilizarem o conteúdo em conjunto com o Entrega Segura, além de serem responsáveis pela divulgação da campanha junto aos seus públicos de interesse”, comenta Yoshizawa. 

Ao todo, são cerca de 40 apoiadores, e todos estão envolvidos de maneira espontânea e pro bono, ou seja, sem receber qualquer valor pelos trabalhos realizados. São eles:  Grupo Guga Kuerten (Holding), Kibô-no-Iê (Sociedade Beneficente), Instituto Lins de Vasconcellos (Instituto Beneficente), Neoway (Soluções em BigData e Inteligência Artificial), ABRASEL (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), ANEL (Associação Nacional das Empresas de Lavanderias), FECONTESP (Federação dos Contabilistas do Estado de SP), Faculdade Campos Elíseos (Educação),Faculdade Libero Badaró (Educação), NCR (Automação Comercial | Bancária), Galunion (Consultoria Food Service), Relp! (Aceleradora de Restaurantes), Guipli (Plataforma para Restaurantes), Ras-Reviri (Contabilidade), Inpost (Armários Eletrônicos), Limelocker (Armários Eletrônicos), CliqueRetire (Armários Eletrônicos), B88 Assessoria de Negócios (Consultoria), LAM (Comunicação Especializada), Matuura (Corretora de Seguros), DryUp (Soluções de Higienização), Muta Ecossistema (Planejamento de Comunicação), PRDG (Consultoria), Sorios (Planejamento Tributário), Topema (Equipamentos para Cozinhas Industriais), Viko Gastronomia (Serviço de Alimentação para Grandes Eventos), Intelipost (Plataforma de Gestão de Fretes), Numeric (Contabilidade e Finanças), Motoboy.com (Plataforma de Entregas), Filho Sem Fila (App Segurança de Filhos na Escola), Send4 (Automação de Atendimento Pós-Venda), WiBX (Crypto Jumping Coin), Safety Group (Gestão Ocupacional), Mania de Churrasco Prime Steak House (Rede de Restaurantes), DataMotion (Soluções em CRM) e MyBorther (Corretora de Seguros), além dos especialistas Márcia Melo (Nutricionista Qualidade e Segurança), Karine Mafra (Engenheira de Alimentos – Segurança), Sílvia Piva (Advogada Tributarista, Professora), Camila Landi (Coordenadora Curso Gastronomia Mackenzie) e Andriano Correia (Sócio PwC Líder de Transporte e Logística).

Termina hoje campanha de vacina contra sarampo

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A campanha de vacinação contra o sarampo voltada para crianças e jovens com idade entre 5 e 19 anos termina nesta sexta-feira (13). Este é o público-alvo da Campanha Nacional de Vacinação contra a doença, iniciada em 10 de fevereiro, com a convocação de 3 milhões de pessoas dessa faixa etária.

O Ministério da Saúde informou que, até o início do mês, 28.783 pessoas dessa faixa etária foram vacinadas. Outras 99,6 mil pessoas já tinham sido vacinadas entre janeiro e o início da campanha.

A pasta lembra que a principal medida de prevenção e controle do sarampo é a vacinação, que está disponível durante todo o ano nos 42 mil postos de saúde do país. Para viabilizar a ação, o ministério encaminhou neste ano 3,9 milhões de doses da vacina tríplice viral, 9% a mais que o solicitado pelos estados.Este quantitativo é destinado à vacinação de rotina, às ações de interrupção da transmissão do vírus e à dose extra chamada de dose zero para todas as crianças de seis meses a 11 meses e 29 dias.



A campanha de vacinação faz parte de uma estratégia nacional para interromper a transmissão do sarampo e eliminar a circulação do vírus. As duas primeiras etapas ocorreram no ano passado. “As duas primeiras etapas já ocorreram em 2019, com a realização de campanha de vacinação nacional, em outubro, de crianças de seis meses a menores de 5 anos de idade. A segunda etapa aconteceu em novembro para a população de 20 a 29 anos”, informou o ministério.

Ainda segundo a pasta, duas outras etapas de mobilização darão continuidade às ações em 2020, além da prevista para fevereiro: entre junho e agosto, para o público com idade entre 20 a 29 anos; e em agosto, para a população de 30 a 59 anos de idade.

Casos em 2019

Segundo o Ministério da Saúde, em 2019 foram registrados 18,2 mil casos de sarampo em 526 municípios. Em São Paulo, foram registradas 14 mortes e uma em Pernambuco. O maior número de casos também foi registrado em São Paulo, 16 mil. 

Com o retorno da doença, o Brasil perdeu o status de país livre do sarampo em 2019, concedido pela Organização Mundial da Saúde em 2016.

Sarampo

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, transmitida por meio da fala, da tosse e do espirro. Os principais sintomas são mal-estar geral, febre, manchas vermelhas que aparecem no rosto e vão descendo por todo o corpo, tosse, coriza e conjuntivite. A vacina é fornecida pelo Ministério da Saúde e está disponível gratuitamente em postos de saúde de todo o país.

Quem apresentar doenças agudas febris moderadas ou graves recomenda-se adiar a vacinação até modificação do quadro com o intuito de não se atribuir à vacina as manifestações da doença. Também não é indicado o imunizante a quem recebeu imunoglobulina, sangue e derivados, transplantados de medula óssea, e também a quem apresenta alergia ao ovo e gestantes.

Por Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil

5,4 mil casos: Estado lança campanha contra Sarampo

(Carlos Bassan/Fotos Públicas)


A Secretaria de Estado da Saúde inicia nesta segunda-feira (7), em parceria com municípios e o Ministério da Saúde, a campanha de vacinação contra o sarampo para alcançar crianças ainda não imunizadas contra a doença.

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba. Até 25 de outubro, as doses estarão disponíveis em todos os postos de vacinação do Estado de São Paulo para crianças a partir de 6 meses e com menos de 5 anos. No sábado (19), haverá o “Dia D”, quando os postos de saúde estarão abertos para facilitar o acesso dos pais e responsáveis.

O público-alvo da campanha deve ser levado aos postos de saúde, preferencialmente com a carteirinha de vacinação, para que um profissional verifique a necessidade de aplicação da dose.

“A tríplice viral protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Mantê-la em dia é a melhor forma de prevenção e, por isso, convocamos as mães, pais, familiares e responsáveis para levarem os pequenos aos postos durante esta campanha”, diz a Diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato.

O calendário nacional de vacinação prevê a aplicação da tríplice aos 12 meses e também aos 15 meses para reforço da imunização com a tetraviral, que protege também contra varicela. Neste ano, os bebês com menos de 12 meses também devem receber a chamada “dose zero”, que não é contabilizada no calendário.

Contraindicações

A vacina é contraindicada para bebês com menos de 6 meses. A recomendação para os pais e responsáveis por crianças nessa faixa etária é evitar exposição a aglomerações, manter higienização adequada, ventilação adequada de ambientes, e sobretudo que procurem imediatamente um serviço de saúde diante de qualquer sintoma da doença, como manchas vermelhas pelo corpo, febre, coriza, conjuntivite, manchas brancas na mucosa bucal. Somente um profissional de saúde poderá avaliar e dar as recomendações necessárias.

A Secretaria também orientou que as salas de vacinação façam a triagem de crianças que tenham alergia à proteína lactoalbumina, presente no leite de vaca, para que estas recebam a dose feita sem esse componente.

Outros públicos

A campanha também terá uma segunda fase neste ano, focada em jovens de 20 a 29 anos. A ação acontecerá entre os dias 18 e 30 de novembro, quando acontecerá outro “Dia D”. Esse grupo poderá receber a dose da tríplice ou da dupla viral (sarampo e rubéola), conforme a indicação do profissional de saúde.

Os municípios devem seguir realizando ações de bloqueio diante da notificação de casos da doença.

A vacina é contraindicada para pessoas imunodeprimidas e gestantes. Pessoas nascidas antes de 1960, na sua maioria, já tiveram a doença na infância e possuem imunidade (proteção) por toda a vida, não necessitando ser vacinadas, conforme diretriz do Ministério da Saúde. As pessoas que tiverem dúvidas quanto à imunização adequada devem procurar um posto, com a carteira vacinal em mãos, para que um profissional de saúde verifique a necessidade de aplicação, que ocorrerá de forma “seletiva”, ou seja, apenas em quem tiver alguma pendência.

O Programa Estadual de Imunização prevê que crianças e adultos, com idade entre um ano a 29 anos, devem ter duas doses da vacina contra o sarampo no calendário. Acima desta faixa, até 59 anos, é preciso ter uma dose. Não há indicação para pessoas com mais de 60 anos, pois esse público potencialmente teve contato com o vírus, no passado.

Cenário epidemiológico

O Centro de Vigilância Epidemiológica estadual realiza monitoramento contínuo da circulação do vírus. Neste ano, até o momento, há 5.411 casos confirmados laboratorialmente. Considerando que o vírus já circula em todo o território paulista, conforme prevê no Guia de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, a partir de agora o Estado passa também confirmar casos com base no critério clínico-epidemiológico (ou seja, com base em sintomas e avaliação médica), confirmando outros 976 casos. Cerca de 59% do total de casos se concentram na capital (confira dados por municípios abaixo).

Todos os óbitos pela doença têm confirmação laboratorial. Neste ano, houve oito mortes decorrentes de complicações pelo sarampo. No final de agosto foram confirmadas três vítimas: um homem de 42 anos, da capital sem histórico de imunização contra a doença; e dois bebês – uma menina de quatro meses, de Osasco, e um garoto de nove meses, da cidade de São Paulo.

Na última semana de setembro, outros dois óbitos na capital: uma mulher de 31 anos sem histórico de vacinação, e um bebê do sexo masculino de 26 dias. Nesta quarta-feira (2), quatro mortes também tiveram confirmação, sendo uma na capital (bebê do sexo feminino, com 11 meses e não vacinada); uma de Itanhaém (mulher de 46 anos, com condições de risco); uma de Francisco Morato (mulher de 59 anos, sem histórico vacinal); e uma de Osasco (homem de 25 anos, sem registro de vacinação).

São consideradas pessoas com condição de risco os portadores de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e imunodeprimidos, que podem ficar mais vulneráveis à infecção e evolução com maior gravidade.

Critério laboratorial
CidadesNº de casos
São Paulo3113
Barueri122
Carapicuíba94
Cotia23
Embu8
Embu-Guaçu1
Itapecerica da Serra9
Itapevi16
Jandira24
Osasco119
Santana de Parnaíba29
Taboão da Serra25
Vargem Grande Paulista2
Andradina1
Araçatuba4
Birigui2
Lavínia1
Nova Independência1
Penápolis2
Pereira Barreto1
Ibaté1
Ibitinga2
Itápolis1
Porto Ferreira2
São Carlos11
Taquaritinga1
Salto Grande1
Barretos7
Bebedouro3
Colômbia1
Guaíra2
Olímpia1
Agudos3
Avaí1
Bauru34
Duartina1
Getulina1
Igaraçu do Tietê1
Lins1
Laranjal Paulista1
Americana4
Artur Nogueira2
Atibaia24
Bom Jesus dos Perdões2
Bragança Paulista9
Cabreúva1
Campinas60
Campo Limpo Paulista3
Hortolândia4
Indaiatuba6
Itatiba2
Itupeva1
Jaguariúna6
Joanópolis1
Jundiaí32
Louveira4
Monte Mor1
Paulínia10
Piracaia1
Santa Barbara D’Oeste2
Serra Negra3
Socorro1
Sumaré6
Valinhos5
Vinhedo11
Franca18
Bastos1
Garça1
Guaimbe1
Lucélia1
Mariápolis1
Marília9
Tupã2
Araras1
Itirapina1
Limeira19
Piracicaba2
Pirassununga1
Rio Claro3
João Ramalho1
Presidente Prudente7
Dracena1
Presidente Epitácio1
Presidente Venceslau3
Tupi Paulista1
Cajati1
Juquia1
Pedro de Toledo2
Registro1
Barrinha1
Guariba2
Jaboticabal4
Luis Antonio1
Monte Alto1
Pontal2
Pradópolis1
Ribeirão Preto28
Serrana1
Sertãozinho10
Bertioga1
Cubatão1
Guarujá12
Itanhaém1
Mongaguá1
Peruíbe12
Praia Grande14
Santos32
São Vicente3
Caconde1
Itapira2
Moji-Mirim1
São João da Boa Vista2
Caçapava20
Jacareí7
São José dos Campos21
Caraguatatuba1
Ilhabela3
Ubatuba6
Bady Bassitt4
Guapiaçu1
Ibira1
Icem2
José Bonifácio5
Mirassol2
Santa Adélia2
São José do Rio Preto30
Tabapuã1
Votuporanga7
Fernandópolis38
Jales2
Meridiano2
Rubineia1
Tumalina1
Araçariguama5
Capão Bonito1
Capela do Alto2
Cesário Lange2
Ibiúna1
Itapetininga3
Itu8
Piedade1
São Roque3
Sorocaba32
Tatuí6
Tiête1
Votorantim1
Aparecida1
Campos do Jordão1
Guaratinguetá1
Lorena2
Pindamonhangaba8
Potim1
Taubaté10
Tremembé1
Diadema28
Mauá107
Ribeirão Pires54
Rio Grande da Serra2
Santo André171
São Bernardo do Campo171
São Caetano do Sul38
Arujá4
Biritiba-Mirim2
Ferraz de Vasconcelos14
Guararema9
Guarulhos137
Itaquaquecetuba13
Mogi das Cruzes31
Poá14
Santa Isabel6
Suzano6
Caieiras37
Cajamar6
Francisco Morato98
Franco da Rocha72
Mairiporã59
Total5.411
Critério clínico-epidemiológico
CidadesNº de casos
São Paulo647
Barueri6
Carapicuíba6
Cotia18
Embu1
Embu-Guaçu3
Itapecerica da Serra1
Jandira3
Osasco3
Santana de Parnaíba2
São Carlos6
Campinas1
Indaiatuba1
Jundiaí3
Louveira1
Paulínia5
Sumaré2
Cravinhos1
Jaboticabal6
Ribeirão Preto1
Guarujá1
Fernandópolis11
Sorocaba1
Aparecida1
Cruzeiro1
Lorena1
Diadema8
Mauá6
Ribeirão Pires57
Santo André74
São Bernardo do Campo21
São Caetano do Sul3
Ferraz de Vasconcelos2
Guararema1
Guarulhos33
Poá6
Cajamar1
Francisco Morato11
Franco da Rocha20
Total976

*Conteúdo do Governo do Estado de SP

Distribuidoras de energia lançam campanha sobre riscos de acidentes

Marli Moreira/Agência Brasil

Vendavais derrubam árvores, que danificam as redes de energia (Rovena Rosa/Agência Brasil)

A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) lançou hoje (5), em São Paulo, a campanha de prevenção contra os acidentes ocorridos pelo contato com a fiação da rede elétrica. Com o slogan “É aí que mora o perigo”, a campanha abre a XII Semana Nacional de Segurança com Energia Elétrica. A peça pretende conscientizar em torno de 120 milhões de pessoas sobre os riscos e cuidados que se deve em relação aos fios de alta tensão e toda a estrutura que envolve os cabos de distribuição de energia.

Para atingir os objetivos da campanha, a Abradee pretende utilizar vários canais de comunicação, entre eles as escolas onde os estudantes poderão ser os multiplicadores da conscientização junto aos seus pais, informou o presidente da entidade, Nelson Fonseca Leite.

Entre as dicas a serem repassadas para a população estão alertas como não empinar pipas próximos à rede elétrica e “jamais usar fios metálicos ou cerol e, caso a pipa fique presa, não tentar resgatá-la”.

Também recomenda que ao instalar uma antena de TV, a mesma deve ser colocada em lugar afastado do fios, ser instalada apenas com tempo sem chuva e se, eventualmente, o equipamento encostar na fiação nunca se deve recuperá-la. Outra dica refere-se à poda de árvores, que deve ser feita apenas por profissionais preparados e qualificados. A recomendação é acionar a prefeitura.

A Abradee quer ainda chamar a atenção para o ato de construir ou reformar, advertindo para a necessidade de se manter distância segura da rede elétrica, em especial ao movimentar materiais metálicos como barras de ferro e arames. A entidade adverte ainda contra a ligação clandestina, os chamados “gatos”, destacando que “furtar energia é muito perigoso, pois além de ser um crime, provoca acidentes e coloca vidas em risco”.

Campanhas



De acordo com Fonseca Leite, as sucessivas campanhas feitas desde 2006, contribuíram para reduzir em 14% a média de mortes por ano, mas o número de casos fatais ainda é alto. Em média são registrados 838 acidentes com 293 mortes. Ao longo do ano passado, 252 pessoas perderam a vida por se envolverem em algum tipo de acidente do gênero, uma queda de 12 casos, em comparação com 2016.

A grande maioria dessas mortes ocorreu pela proximidade de uma construção com a rede elétrica ou em uma ação de manutenção predial, totalizando 29% dos casos fatais. Os dados da Abradee mostram que no período entre 2009 e 2017, 736 pessoas morreram em alguma situação do gênero.

“Os chamados puxadinhos [extensão de casas] estão entre os exemplos de situações que mais têm provocado acidentes [desse tipo]”, apontou o presidente da Abradee. Ele reconhece ser um quadro mais comum nas periferias das cidades como consequência da crise econômica, mas pondera que as ocorrências poderiam ser evitadas se a população fosse melhor informada quanto à gravidade no manuseio ou no contato com a rede.

A segunda causa de morte sãos as ligações clandestinas, responsáveis por 11% dos casos registrados em 2017. Entre 2009 e 2017, foram contabilizadas 279 mortes desse tipo. Em terceiro lugar, estão as vítimas que tiveram contato com a fiação quando instalavam antena de TV, totalizando 136 casos, nos últimos nove anos, seguida da poda de árvores (127) e por empinar pipa e ter encostado a linha do brinquedo na rede (77).

Questionado sobre o impacto causado pelos fenômenos climáticos como os vendavais que derrubam árvores sobre a fiação, Fonseca Leite informou que tem sido uma preocupação das concessionárias o desenvolvimento de projetos de infraestrutura que reforcem a qualidade dos fios para prevenir acidentes. Ele recomenda que se alguém estiver próximo a um fio solto caído sobre a via “não deve chegar perto”, pois o mesmo pode estar energizado e, avisar, imediatamente, a companhia de energia da cidade para que tome as providências.

A rede de distribuição atende a 207,7 milhões de habitantes e chega a 82,5 milhões de unidades consumidoras entre residências e prédios comerciais. Segundo a Abradee, anualmente, são feitas 1,8 milhão de novas ligações.

Bolsonaro e Haddad adotam novo estilo na reta final da campanha

Na última semana antes do segundo turno, os candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) adotam novo estilo. Bolsonaro demonstra estar mais aberto a entrevistas coletivas, enquanto Haddad eleva o tom de críticas ao adversário, encerrando hoje (21) sua visita ao Nordeste.

Neste domingo, pela manhã, o candidato do PT faz caminhada e ato de campanha na Praça do Coreto, no bairro do Anil, em São Luís, capital do Maranhão. Ontem (20), ele se revezou entre cidades do Ceará e Piauí. Criticou duramente o adversário que classificou como “soldadinho de araque” e “aberração”.



Após gravar nesse sábado participação no horário eleitoral, Bolsonaro concedeu entrevista coletiva à imprensa. Ele disse que quer da mais autonomia ao Banco Central (BC), indicou que pretende manter o atual presidente do BC, Ilan Goldfajn. Também defendeu o fim da reeleição e a redução do número de parlamentares. “Acabar com o instituto da reeleição e reduzir de 15% a 20% a quantidade de parlamentares.” 

Haddad deve retornar hoje para São Paulo onde fica até amanhã (22), mas novamente irá intensificar as viagens. É possível que ele vá ao Rio de Janeiro, na terça-feira (23). Bolsonaro deve passar o dia em casa, na Barra da Tijuca, na capital fluminense, onde recebe correligionários e apoiadores da campanha.