Com casos em estabilidade, barreiras sanitárias são encerradas

Barreira sanitária em São Paulo (Pref. de São Paulo/Reprodução)

A estabilidade de casos de covid-19 na cidade de São Paulo fez a Prefeitura encerrar, nesta sexta-feira (15), as barreiras sanitárias. Implantadas em 27 de maio no aeroporto de Congonhas e em três terminais rodoviários da cidade, a medida tinha o objetivo de “identificar os casos suspeitos e evitar a disseminação das variantes do Sars-CoV-2, que provoca a Covid-19”, informa a Prefeitura em nota. 

Durante este período, de quase cinco meses, equipes da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) abordaram 801.106 pessoas, nos quatro pontos de monitoramento, e realizaram ações educativas em um terminal de cargas, em dois terminais de ônibus urbanos e três estações do Metrô. Casos sintomáticos identificados, diz a nota, “foram feitos os devidos encaminhamentos, de acordo com as diretrizes do Programa Municipal de Imunizações (PMI)”.

No aeroporto de Congonhas foram registrados, no período, 157 casos sintomáticos da doença em uma amostra de 555.700 passageiros abordados e 7.816 voos checados (cerca de 70 por dia). Nos terminais rodoviários Tietê, Barra Funda e Jabaquara foram inspecionados 18.020 ônibus e abordadas 213.096 pessoas, 53 delas sintomáticas.

No Terminal de Cargas Fernão Dias foram abordados 8.597 cidadãos e entregues 11.038 folhetos informativos. Nos terminais de ônibus urbanos Brás e Pari e nas estações do Metrô Vila Matilde, Penha e Artur Alvim foram feitas 646 ações educativas, durante as quais foram abordadas 23.713 pessoas e identificados dez casos sintomáticos.

Hospital da Prevent Senior funciona sem alvará, diz Prefeitura

A prefeitura de São Paulo identificou que o hospital da Prevent Senior, na Vila Olímpia, zona sul da cidade, não tem licença de funcionamento. Segundo a Secretaria Municipal de Subprefeituras, o estabelecimento está em situação irregular e precisa apresentar a documentação ou encerrar as atividades.

De acordo com a secretaria, o hospital tem prazo de 30 dias para regularizar a situação, caso contrário está sujeito a multas de R$ 125,4 mil.

A Prevent Senior disse, por nota, que o local tem autorização do governo estadual para funcionar como hospital de campanha. A informação foi confirmada pelo Centro de Vigilância Sanitária.

CPI

A operadora de saúde foi alvo de uma série de denúncias apresentadas ontem (28) na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado. A advogada Bruna Morato, que representa um grupo de ex-médicos, afirmou que os profissionais de saúde eram obrigados a prescrever remédios sem eficácia comprovada.

Segundo a advogada, os médicos também eram coagidos a alterar prontuários médicos, retirando a menção à covid-19 dos registros e passando a falsa sensação de sucesso dos medicamentos do kit covid. As ações seriam, de acordo com as denúncias, uma forma da empresa reduzir custos com as internações das pessoas acometidas pelo novo coronavírus (covid-19).

Autuação

A partir das denúncias, Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) autuou a operadora de saúde por, supostamente, deixar de comunicar seus pacientes sobre o uso de remédios sem eficácia comprovada.

A Prevent Senior informou que prestará todos os esclarecimentos à ANS dentro do prazo estabelecido pela agência. E garantiu não ter omitido aos pacientes as devidas informações sobre os tratamentos prescritos em suas unidades.

Em nota, a empresa disse que as acusações feitas na CPI são infundadas. “Têm como base mensagens truncadas ou editadas, vazadas à imprensa, e serão desmontadas ao longo das investigações”.

A operadora também nega ter obrigado o uso de remédios sem eficácia ou ter ocultado casos de covid-19. “Ao longo da epidemia, a Prevent aplicou cerca de 500 mil testes em que constatou o contágio de 56 mil pacientes. Desse número, 7% redundaram em mortes. Todos os casos foram rigorosamente notificados. A Prevent Senior sempre respeitou a autonomia dos médicos, nunca demitindo profissionais por causa de suas convicções técnicas”, diz o comunicado.

Por Agência Brasil

Distribuição de marmitas será mantida pela Prefeitura

A prefeitura de São Paulo vai manter o programa Rede Cozinha Cidadã, que distribui refeições para a população em situação de rua. Segundo o Executivo municipal, a ação passou por uma fase de transição, mas não chegou a ser interrompida.

Na semana passada, a Defensoria Pública e o Ministério Público de São Paulo entraram com uma ação pedindo a manutenção do programa, alegando que a distribuição foi fortemente reduzida de 10 mil marmitas por dia para 800 a partir de setembro.

A ação ressalta a grande relevância da ação, a qual consideram imprescindível à garantia da vida e da dignidade. “Assim, sua abrupta interrupção demonstra o absoluto descaso do administrador público com a vida humana dos mais necessitados, em especial, as pessoas em situação de rua”, diz o texto da ação.

A liminar foi negada pelo juiz da 15ª Vara da Fazenda Pública Kenichi Koyama. Os autores recorreram da decisão.

Segundo a prefeitura, estão sendo distribuídas diariamente 2,3 mil marmitas em quatro pontos na região central, incluindo a região da Luz, Sé e o bairro da Liberdade, onde há concentração de pessoas em situação de rua. Também são distribuídas 13 mil marmitas em diversas comunidades com população em situação de vulnerabilidade por toda a cidade.

Desde o início do programa, em março de 2020, foram entregues 3,95 milhões de marmitas compradas de restaurantes que enfrentavam dificuldades com pandemia da covid-19 por R$ 10 a refeição. O investimento do município nessas aquisições chegou a R$ 39,5 milhões, informou a prefeitura.

Por Agência Brasil

Preparativos para o Carnaval são autorizados pela Prefeitura

(Arquivo/Rafael Neddermeyer/LIGASP/Fotos Públicas)

A prefeitura de São Paulo autorizou o início das medidas administrativas e dos preparativos para a realização dos desfiles das escolas de samba e das celebrações do Carnaval 2022 no Sambódromo do Anhembi. A autorização foi publicada no Diário Oficial da última quarta-feira (15).

A medida foi tomada após uma reunião da São Paulo Turismo (SPTuris), empresa que administra os eventos na cidade de São Paulo, com representantes da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo. Segundo a Liga, a decisão foi previamente estudada por comissões criadas pela prefeitura em julho deste ano.

Isso não significa que a realização do Carnaval já esteja autorizada. O que foi permitido é o início da preparação para o evento, já que o Carnaval ainda vai depender de uma autorização dos órgãos municipais de saúde e de que, pelo menos, 70% dos paulistanos já estejam vacinados.

“Saliente-se que a realização do referido evento estará condicionada à verificação, no correspondente período, das condições epidemiológicas relativas à pandemia da covid-19 favoráveis e viabilizadoras a tanto, conforme entendimento das autoridades sanitárias competentes”, diz o texto do Diário Oficial.

Neste ano de 2021, o Carnaval foi cancelado na cidade de São Paulo por causa da pandemia de covid-19. Mas com o avanço da vacinação e uma melhora dos indicadores neste momento, há uma perspectiva mais positiva para que ele possa ser realizado em 2022. Mas além de depender do cenário da pandemia, o decreto também exige que sejam seguidos os protocolos sanitários que estarão em vigor no ano que vem.

O Carnaval 2022 ocorre no dia 1° de março.

Por Agência Brasil

Com aumento nos congestionamentos, Capital reativa faixas reversíveis de ônibus

As faixas reversíveis de ônibus foram reativadas hoje (23), em São Paulo. A mudança foi anunciada na semana passada pela Prefeitura da Capital.

As faixas ajudam a dar maior fluidez ao transporte coletivo. Pelas análises da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), nos últimos dias foi registrado um aumento gradual dos índices de lentidão registrados na cidade.

“As faixas reversíveis operam por meio da inversão do sentido de circulação de faixa ou faixas de rolamento das vias para atender ao maior fluxo de veículos registrado em determinados horários”, explica a Prefeitura, em nota. “A implantação das faixas reversíveis é uma medida de engenharia de tráfego importante para a redução dos congestionamentos na cidade de São Paulo”, completa

Veja abaixo as vias e horários da implantação das faixas a partir desta segunda:

FAIXAS REVERSÍVEIS EXCLUSIVAS PARA ÔNIBUS

Sentido Centro

Ponte da Casa Verde (Manhã) – 6h às 10h
Entre a Av. Braz Leme e Rua Baronesa de Porto Carreiro

Av. Penha de França – 6h às 8h30
Entre Rua Caquito e Rua Henrique Souza Queiroz

Estrada do M’Boi Mirim (1) / Av. Guarapiranga (2) – 5h30 às 8h30
Entre a Rua Frias Vasconcelos e Av. Guarapiranga / Estrada do M’boi Mirim e Rua Frederico Grotte

Estrada de Itapecerica – 5h30 às 8h30
Entre a Rua Josefina Moretti e Terminal João Dias

Av. Carlos Caldeira Filho – 6h às 8h30
Entre a Av. das Belezas e a Av. Giovanni Gronchi

Ponte João Dias – 6h às 8h30
Entre o Term. João Dias e Rua Bento Branco de Andrade Filho

Ponte do Piqueri – Av. Gal. Edgar Facó – 6h às 9h
Entre a Av. Paula Ferreira – Av. Ermano Marchetti

Sentido bairro

Ponte da Casa Verde – 16h às 20h
Entre a Rua Baronesa de Porto Carreiro e Av. Braz Leme

Av. Guarapiranga – 16h às 20h
Entre a Av. Vitor Manzini x Rua Bruges até a Av. Guarapiranga x Estr. M’Boi Mirim

Ponte João Dias – 17h às 20h
Entre a Rua Bento Branco de Andrade Filho e Terminal João Dias

Ponte do Piqueri – 17 às 20h
Sobre toda a extensão da ponte

Prefeitura entrega UBS Chácara Santo Antônio totalmente reformada

Prefeitura entrega UBS Chácara Santo Antônio totalmente reformada
A reforma faz parte de 15 obras previstas apenas na zona sul, dentro do programa Avança Saúde SP
O prefeito Ricardo Nunes, destacou que a UBS faz parte de cerca de 140 novas unidades, que estão ou entrarão em reforma, fora aquelas que já foram realizadas(Divulgação/SMS)

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), entregou nesta segunda-feira (2) a reforma da Unidade Básica de Saúde (UBS) Chácara Santo Antônio – Dr. Marcilio de Arruda Penteado Filho, na zona sul da capital. A obra foi financiada com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), dentro do programa Avança Saúde SP.

O prefeito da capital, Ricardo Nunes, destacou nesta manhã, durante a entrega das obras, que a UBS faz parte de cerca de 140 novas unidades, que estão ou entrarão em reforma, fora aquelas que já foram realizadas. “Vamos melhorar ainda mais as UBSs, como essa aqui, onde foram ampliados os consultórios, avançando na saúde e no atendimento da população, que depende muito do SUS.”

Durante as obras de reforma, iniciada em 3 de agosto de 2020, a UBS permaneceu em funcionamento. Para a reforma foram destinados R$ 2.028.703,95 e mais R$ 31.808,24 para mobiliários. O custeio mensal da UBS é de R$ 298.570,98. Outras oito obras estão em andamento na região sul e mais seis serão licitadas para início da construção.

Com fluxo de atendimento estimado em 992 consultas médicas mensais, 1.425 de enfermagem e 70 odontológicas, a UBS Chácara Santo Antônio recebeu melhorias como a individualização das salas de saúde bucal, ampliação da sala de observação e construção do almoxarifado, da área administrativa, gerência, copa e vestiários masculino e feminino. Além disso, o telhado e o piso da unidade foram substituídos e foram realizadas adequações da sala de curativo, vacina e esterilização.

A capital tem atualmente 92 obras em andamento, 30 concluídas e a contratação de nove obras a serem licitadas em agosto. Os recursos também são direcionados para a capacitação dos profissionais da saúde. Nesse período, cerca de 60 mil estão em aperfeiçoamento para atender à população nas diferentes unidades de saúde.

O investimento total no programa Avança Saúde SP é de US$ 200 milhões (cerca de R$ 1 bilhão), dos quais US$ 100 milhões (R$ 500 milhões) financiados junto ao BID e o restante como contrapartida da Prefeitura de São Paulo.

“A pesquisa Datafolha mostrou o quanto o SUS é um serviço importante para a cidade de São Paulo. A população de São Paulo reconhece os benefícios e as melhorias na área da saúde. Na capital, ninguém ficou sem atendimento médico neste período de pandemia. Orgulho do que a Prefeitura de São Paulo tem feito na saúde da cidade”, comentou o prefeito.

O secretário Edson Aparecido destacou a importância da parceria com o BID para avanços nas reformas e construções de novos equipamentos de saúde para o município de São Paulo. “Assim como a UBS Chácara Santo Antônio, outras dezenas e centenas serão reestruturadas para ampliar cada vez mais o acesso à assistência em saúde dos paulistanos”, afirmou o secretário.

O Avança Saúde SP é um programa de reestruturação e requalificação das redes assistenciais da cidade de São Paulo que tem como objetivo ampliar a oferta, melhorar as condições de acesso e aprimorar a qualidade de serviços municipais do Sistema Único de Saúde (SUS) para a população.

*Com informações da SMS

Vale do Anhangabaú reabre para lazer

(Rovena Rosa/Agência Brasil)

O Vale do Anhangabaú, no centro da capital paulista, reabriu neste domingo (25), das 8h às 12h. Mesmo com a capital prestes a atingir 80% de imunização do público elegível, será necessário cumprir os protocolos de combate ao novo coronavírus e a população deverá respeitar o distanciamento social e utilizar máscaras no local. Agentes estavam no local para orientação aos protocolos de saúde, informou a prefeitura da capital paulista. Localizado entre os Viadutos do Chá e Santa Ifigênia, o Vale do Anhangabaú é um lugar de manifestações e shows populares.

A reabertura do local para lazer no domingo será gradual, seguindo todos os protocolos de saúde e segurança. A Secretaria Municipal de Cultura coordena a programação de eventos e atividades, que deverão ser realizados de maneira controlada e com limite no número de pessoas, com objetivo de evitar aglomeração.

A Subprefeitura Sé ampliou as equipes de fiscalização em combate ao comércio irregular para atender a capital aos domingos. Ao todo, 12 equipes compostas por 80 agentes atuarão de maneira orientativa nas regiões do Vale do Anhangabaú e da Avenida Paulista, enquanto os espaços estiverem abertos para lazer.

Serão quatro equipes em cada região e as demais atuarão de maneira volantes no entorno. A operação conta com o apoio da Polícia Militar, por meio da Atividade Delegada, e da Guarda Civil Metropolitana.

São Paulo - Reabertura do Vale do Anhangabaú para lazer.
Reabertura do Vale do Anhangabaú para lazer, na capital paulista (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Programação cultural

A Secretaria Municipal de Cultura (SMC) elaborou uma programação com intervenções, como uma exposição em homenagem aos profissionais da saúde e a intervenção do coletivo SHN, com ilustrações de pessoas de máscaras em bandeirolas, fazendo alusão ao momento da pandemia de covid-19. As ações ocorrem a partir deste domingo (25).

Com nove painéis em grande formato distribuídos pelo Vale, a Exposição Olhares da Linha de Frente, em homenagem aos profissionais da saúde, traz retratos de profissionais que atuaram na linha de frente do combate à covid-19. As pinturas são assinadas pelo artista Alexandre Ignácio Alves, dando continuidade ao seu trabalho iniciado na exposição Retratos Preto sobre Preto, exibido em 2019 no Centro Cultural São Paulo. O coletivo SHN traz ilustrações de pessoas de máscaras em bandeirolas, penduradas nos postes de iluminação do Vale.

Entre as outras intervenções, está a instalação Anhagabaú: um rio de luz e resistência, do Studio Visualfarm, que ocupa a nova fonte do vale com projeções e lasers. Serão realizados dois espetáculos por semana, às terças e quintas, totalizando vinte apresentações, a partir de 29 de julho. Outro destaque são as intervenções nos quiosques do Vale — cada um dos 11 quiosques receberá uma diferente.

Grupos teatrais consagrados da cidade, Os Satyros e Pia Fraus organizaram visitas guiadas lúdicas ao Vale do Anhangabaú. A atividade, com um grupo para o público em geral e outro para o público infantil e familiar, trouxe curiosidades e fatos da história do Vale e da região.

Valorizando a importância histórica do Vale, com cinco totens expositivos espalhados pelo Vale, a exposição O Vale em Constante Mutação traz um resgate histórico e afetivo das transformações pelas quais o local passou. A curadoria foi feita em parceria do Museu da Cidade de São Paulo com o Departamento de Patrimônio Histórico, ambos da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

São Paulo - Reabertura do Vale do Anhangabaú para lazer.
(Rovena Rosa/Agência Brasil)

Parques com horário normal

Os parques públicos municipais, Centros Desportivos da Comunidade (CDCs) e Centros Esportivos voltaram a funcionar no horário normal ontem (24). Os 109 parques municipais continuam obedecendo as regras do Plano São Paulo de não haver atividades entre 23h e 5h.

Continua obrigatório o uso de máscara e o respeito à regra de distanciamento social, além dos bebedouros que permanecem interditados. Além disso, é realizada a contagem de frequentadores na entrada dos parques.

A Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente (SVMA) vai orientar os frequentadores quanto às restrições, a fim de conter qualquer tipo de aglomeração nos espaços. É recomendado que os parquinhos infantis e equipamentos de ginástica sejam utilizados com consciência, e que os frequentadores evitem a prática de atividades em grupo que possam causar aglomerações no interior dos parques. Clique aqui para saber o horário de funcionamento de cada parque.

Por Ludmilla Souza, da Agência Brasil

Compra feita no bairro do Paraíso rende prêmio da Nota do Milhão

(Pref. de São Paulo)

Uma moradora de Brasília, Distrito Federal, foi a vencedora da sétima edição de 2021 do programa Nota do Milhão, da Prefeitura de São Paulo. A nota que garantiu o prêmio de R$ 1 milhão, livre de impostos, foi emitida no bairro Paraíso, Zona Sul da capital.

Com o valor de R$ 141,98, a nota vencedora é da categoria de “serviço registros públicos, cartorários, notariais”. Em julho, participaram do certame 2.079.051 bilhetes. Para participar dos sorteios, não é preciso ser morador da capital, basta se cadastrar no site da Nota do Milhão e sempre pedir nota fiscal quando utilizar um serviço na cidade de São Paulo.

Não existe valor mínimo de NFS-e para participação. Nas 52 edições do prêmio, já foram sorteadas notas de valores altos, de alguns milhares de reais emitidas em hospitais, até notas de menos de cinco reais, em estacionamentos ou por serviços de internet.

R$ 56 milhões desde 2017

A Prefeitura de São Paulo ofereceu, desde 2017, R$ 56 milhões em prêmios no Programa Nota do Milhão. A ação incentiva os consumidores a pedirem Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e), combatendo a sonegação fiscal e aumentando a arrecadação de tributos na Capital. A emissão da NFS-e auxilia no recolhimento e fiscalização do Imposto sobre Serviços (ISS), além de auxiliar a administração municipal acompanhar o recolhimento do imposto, que financia ações sociais.

A NFS-e se refere a prestação de serviços com imposto devido ao município de São Paulo. Assim, pode ser emitida em locais como academias, hotéis, lavanderias, estacionamentos, valets, faculdades, escolas particulares, cabeleireiros, entre outros estabelecimentos. A nota fiscal ainda é uma forma do tomador obter um documento oficial relativo ao serviço prestado, uma vez que contém informações importantes, como a descrição e valor, bem como dados do prestador.

Assim, para incentivar a solicitação, o Programa Nota do Milhão premia mensalmente uma nota fiscal solicitada por consumidor na cidade de São Paulo com um valor de R$ 1 milhão já livre de impostos. No mês de dezembro, o prêmio sobre para R$ 2 milhões. Desde a implantação do programa, a Prefeitura já ofereceu, ao todo, R$ 56 milhões em prêmios. Os concursos da Nota do Milhão reúnem as notas geradas até o dia 25 do mês anterior (as notas emitidas após este período concorrem automaticamente no mês seguinte). A premiação é depositada em uma conta-poupança da Caixa Econômica Federal.

Para o secretário municipal da Fazenda, Guilherme Bueno de Camargo, o programa é relevante, quando se trata de arrecadação de valores ao município. “A Nota do Milhão oferece um importante estímulo para a emissão de notas fiscais em São Paulo e ajuda no combate à sonegação fiscal. Com isso, a cidade arrecada recursos fundamentais para a manutenção e ampliação dos serviços prestados aos seus cidadãos”, afirma.

*Com Pref. de São Paulo

Capital anuncia aumento na oferta de exames e cirurgias eletivas

(Governo do Estado de SP/Reprodução)

A prefeitura de São Paulo anunciou hoje (13) que vai aumentar a oferta de exames e cirurgias eletivas na municipal de saúde da cidade. Para possibilitar a expansão dos serviços médicos, a prefeitura estenderá o horário de atendimento de 13 hospitais-dia da capital paulista. 

Cinco unidades passarão a trabalhar 24 horas por dia: São Miguel , na zona leste, Vila Guilherme/ Vila Maria, na zona norte; Butantã, na zona oeste; Ipiranga e Dr. Flávio Gianotti, na zona sudeste; e Cidade Ademar, na zona sul. 

Oito unidades passarão a funcionar, de segunda a sexta-feira, das 7h às 22h, em vez do horário habitual, das 7h às 19h: Itaim Paulista e São Mateus, na zona leste; Brasilândia/Freguesia do Ó, na zona norte; Penha, Mooca e Vila Prudente, na zona sudeste; e Campo Limpo e M’Boi Mirim I, na zona Sul.

De acordo com a prefeitura, os procedimentos de maior complexidade, que necessitem de internação, como casos de idosos ou pessoas com comorbidades, serão feitos nos hospitais 24 horas e os de pequeno e médio portes, nas outras oito unidades.

“O objetivo é agilizar o tempo médio para a realização dessas cirurgias na cidade de São Paulo, além de exames como colonoscopia, endoscopia digestiva alta e de cabeça e pescoço, entre outros”, destacou a prefeitura em nota. 

Segundo a administração municipal, serão investidos R$ 4 milhões por mês para que as unidades de saúde passem a atender em horário estendido, com a contratação de equipes e equipamentos.

Por Bruno Bocchini, da Agência Brasil

Capital estuda Réveillon e Carnaval com público presencial

(Arquivo/Marcelo Pereira/Fotos Públicas)

A prefeitura de São Paulo montou dois grupos de trabalho para tratar sobre o réveillon e o carnaval, com presença de público, na cidade. Segundo o prefeito Ricardo Nunes, o assunto foi debatido em reunião ocorrida nesta quinta-feira (1º) entre diversas secretarias municipais.

“[Na reunião] saiu um grupo que vai organizar a questão do réveillon com as normas de organização, sempre com a [Secretaria de] Saúde junto. O responsável desse grupo será o secretário-executivo do estado. Um outro grupo que vai cuidar do carnaval de rua. Carnaval a gente vai tratar de duas formas: carnaval de rua e carnaval do Sambódromo”, disse o prefeito hoje, após entrega do Plano de Metas para a Câmara Municipal.

O grupo responsável pelo carnaval de rua será coordenado pelo secretário Alexandre Modonezi, da Secretaria Municipal das Subprefeituras (SMSUB).

“O carnaval de rua, pelo tamanho que a gente espera que seja, deve ser o maior carnaval da história”, disse Nunes.

Milhares de foliões curtem o carnaval de São Paulo na avenida Marquês de São Vicente, na Barra Funda (Arquivo/SPTuris/Reprodução)

Reabertura

O prefeito disse ainda que há um grupo de trabalho mais amplo para tratar das ações de reabertura de atividades na capital quando o percentual de vacinados chegar em 70%. “Chegando o número de vacinados na cidade de São Paulo em 70%, hoje nós estamos em 56%, nós vamos começar a fazer um processo de reabertura dos nossos espaços públicos – Anhangabaú, Paulista e por aí adiante”, disse.

Segundo Nunes, o grupo que vai cuidar do réveillon e do carnaval vai interagir com esse grupo de trabalho mais amplo, que vai coordenar as ações de reabertura das atividades. “[As ações de reabertura] nós chamamos de retomada econômica, que é muito importante para a cidade poder voltar a gerar emprego, renda e dar dignidade às pessoas”, disse.

Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil