Política

Fake news: entenda o projeto apresentado à Câmara

A Câmara Federal deve votar na próxima terça-feira (02/05) o Projeto da Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet, que ficou conhecido como PL das Fake News. O projeto prevê medidas para o combate à desinformação nas redes sociais e regras para a atuação e responsabilização das chamadas big techs no Brasil .

Em discussão há três anos, o projeto ganhou força recentemente, após os ataques golpistas de 8 de janeiro e ataques a escolas em São Paulo e Blumenau .

Proposta originalmente pelo senador Alessandro Vieira (PSDB-SE) e aprovada pelo Senado em 2020, o texto que será votado sofreu modificações criadas pelo relator do projeto na Câmara, deputado Orlando Silva (PC do B-SP).

Orlando Silva (PCdoB), deputado federal

Nesta quinta-feira, Silva retirou do projeto o artigo que previa a criação de uma agência fiscalizadora para aplicar as medidas e incluiu trechos para reforçar que o texto não tem a intenção de afetar a liberdade religiosa, como forma de aplacar a bancada evangélica.

Siga nosso canal no Whatsapp

Se passar na Câmara, o texto voltará ao Senado, que deve avaliar conforme as mudanças. Caso também seja aprovado novamente pelos senadores, o PL seguirá para sanção presidencial.

Projeto em parte inspirado em lei alemã

O PL das Fake News tem parte do seu conteúdo inspirado na alemã Netzwerkdurchsetzungsgesetz , ou NetzDG (Lei de Fiscalização da Rede, em tradução livre), que ficou conhecida no país europeu como “Lei do Facebook”. Implementada em 2017, a lei alemã rapidamente serviu de modelo para outras legislações mundo afora, e foi citada no voto do relator do projeto brasileiro.

Seus principais pontos são a obrigação da remoção de conteúdos “claramente ilegais” em até 24 horas, a previsão de multas de até 50 milhões de euros em caso de descumprimento e a instituição de canais de denúncia. O texto mira especialmente redes sociais com mais de 2 milhões de usuários na Alemanha e teve como principal motivação o combate à divulgação online de conteúdo extremista.

Em 2021, uma emenda foi adicionada à lei, obrigando as redes a reportarem conteúdo certificado legalmente para a polícia federal alemã. A medida foi tomada após uma série de ataques de motivação extremista de direita, como o assassinato do político conservador Walter Lübcke e um atentado contra uma sinagoga em Halle .

Desde então, as redes têm que comunicar as autoridades sobre conteúdos que põem em perigo o Estado Democrático de Direito, atentam contra a ordem pública, incluem pornografia infantil ou ameaça à vida, à autodeterminação sexual ou à integridade pessoal.

Em julho de 2019, o Facebook foi multado pelas autoridades alemãs em 2 milhões de euros por subnotificar denúncias sobre conteúdo ilegal.

O alcance do projeto de lei brasileira

O PL das Fake News tem pontos mais brandos que a lei alemã, mas espera um alcance maior em relação à aplicação. As normas brasileiras se aplicariam aos provedores com número de usuários no Brasil maior do que 10 milhões, mas não se limitando a plataforma social, incluindo também serviços de mensagens instantâneas e ferramentas de busca. Assim como na Alemanha, veículos de imprensa e aplicativos de videoconferência não estão contemplados.

O projeto também estabelece que as redes sociais tenham representação no Brasil, para o caso de precisarem ser acionadas judicialmente e administrativamente. Em 2022, o aplicativo Telegram entrou na mira do Judiciário por ignorar contatos e ordens de tribunais. Depois de ter o aplicativo bloqueado em todo o país, a empresa finalmente apresentou um representante brasileiro.

Crimes e negociação de denúncia

De acordo com o projeto, decisões judiciais que determinam a remoção imediata de conteúdo ilícito relacionado à prática de crimes devem ser mantidas pelas plataformas no prazo de até 24 horas, sob pena de multa.

Da mesma forma que já ocorre na Alemanha, o PL das Fake News prevê que as plataformas devem disponibilizar aos usuários a interrupção de denúncia e “atuar diligentemente para prevenir e mitigar” uma série de crimes.

Na lista estão crimes contra o Estado Democrático de Direito, atos de terrorismo e preparatórios de terrorismo, crime de induzimento, instigação ou auxílio a suicídio ou a automutilação, crimes contra crianças e adolescentes e de incitação à prática de crimes contra crianças e adolescentes, crime de racismo, violência contra a mulher, infração sanitária, por deixar de executar, dificultar ou opor-se à execução de medidas sanitárias quando sob situação de Emergência em Saúde Pública.

Além disso, os provedores devem elaborar e publicar relatórios de transmissão semestrais com informações sobre a moderação de conteúdo.

Responsabilidade, publicidade paga e robôs

Embora os provedores não possam ser imediatamente responsabilizados por conteúdos individuais falsos ou criminosos produzidos por usuários comuns, a avaliação muda no caso de distribuição paga ou publicidade. Pelo texto, as plataformas serão responsabilizadas de forma solidária pela indenização de danos se essa distribuição tiver sido feita mediante pagamento.

Além disso, o texto determina que as plataformas exija uma identificação, por meio de documento válido, de anunciantes e usuários que pagam para enviar conteúdo. A medida mira especialmente anúncios de golpes financeiros disfarçados ou afetuosos de notícias falsas.

O texto ainda prevê a tipificação de um novo crime, que envolve o uso de robôs para divulgar em massa mensagens inverídicas sobre o processo eleitoral ou que possam causar danos à integridade física.

De acordo com o projeto, será considerado crime “promover ou financeiro, pessoalmente ou por meio de terceiros, mediante uso de conta automatizada e outros meios ou expedientes não fornecidos diretamente pelo provedor de aplicações de internet, divulgação em massa de mensagens que receberam fato que sabe inverídico, que seja capaz de comprometer a higidez do processo eleitoral ou que possa causar dano à integridade física e seja passível de sanção criminal”. A pena prevista é de um a três anos de reclusão e multa.

Limitações em aplicativos de mensagens

O projeto também prevê a necessidade de consentimento para inclusão em grupos ou listas de transmissão em aplicativos de mensagens e que existe uma limitação no número permitido de encaminhamento de mensagens ou mídias.

Segundo a proposta, haverá uma limitação de encaminhamentos de mensagens ou mídias recebidas de outro usuário para destinatários múltiplos.

Listas de transmissão, por exemplo, somente poderão ser encaminhadas e recebidas por pessoas que estiveram identificados tanto nas listas de contatos de remetentes e destinatários.

Nos últimos anos, a criação da ferramenta de Comunidades do WhatsApp, que permite criar grupos com até 5 mil pessoas, experimentou de que esses aplicativos de mensagens levaram de ser simplesmente um espaço de comunicação interpessoal e passaram, na realidade, a funcionar como meios de comunicação de massa . Os efeitos desse tipo de ferramenta foram sentidos nas eleições de 2018, quando aplicativos se tornaram uma arena de tiros em massa de fake news.

Punições

Caso os provedores não comprem decisões judiciais para a remoção de conteúdo, as multas podem variar de R$ 50 milhões a R$ 1 milhão por hora de descumprimento e podem triplicar de valor caso envolvam publicidade paga.

No caso de descumprimento das normas prescritas na lei, os provedores poderão enfrentar multas que podem chegar a 10% do faturamento da empresa no Brasil ou de R$ 10 a R$ 1.000 por usuários cadastrados, com limite de R$ 50 milhões. Também estão previstos o controle da suspensão temporária das atividades.

Imunidade e bloqueios

O projeto inclui ainda um artigo que prevê a extensão da imunidade parlamentar nas redes sociais. Esse artigo gerou polêmica e temor de que cabe funcionar como uma “blindagem” para deputados que usam suas redes para propagar mentiras. Também foi levantado o temor de que as plataformas sejam mais lenientes com contas de políticos com mandato.

Por outro lado, o relator afirma que a inclusão foi apenas “redundante”, já que a imunidade está assegurada na Constituição e que, mesmo com esse privilégio, políticos com mandato podem ser processados ​​e presos.

O projeto também estabelece que autoridades políticas com mandato ou que ocupam cargos em ministérios e secretarias não poderão mais bloquear usuários em suas contas institucionais ou impedir a visualização de publicações.

Durante o governo de Jair Bolsonaro, o então presidente bloqueou vários jornalistas em suas redes sociais. Os bloqueios chegaram a resultar numa ação judicial movida pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

Remuneração de conteúdos jornalísticos

Um dos pontos do projeto prevê que as plataformas sociais remunerem empresas de mídia pelo conteúdo jornalístico veiculado. Uma à regra seriam assuntos jornalísticos compartilhados por usuários, algo que deve aliviar a situação para plataformas como exceção o Facebook. No entanto, causa mais impacto no Google, que tem um sistema agregador de notícias. Legislações semelhantes já existem na Austrália e Canadá.

O texto ainda determina que os valores a serem pagos pelas plataformas serão objeto de negócios diretos entre as empresas envolvidas. Caso não haja acordo, entrará em cena um mecanismo de arbitragem, função que será assumida pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), para evitar que as plataformas abusem de sua posição dominante na negociação com as empresas jornalísticas. O PL ainda determina que as plataformas não poderão remover conteúdo jornalístico para escapar do pagamento.

A remuneração é defendida por grandes empresas jornalísticas representadas pela Associação Nacional de Jornais (ANJ) e pela Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).

Outras entidades, que representam profissionais da imprensa, como a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e a Federação Nacional dos Jornalistas (FNJ), inicialmente defenderam que o tema fosse tratado em um projeto à parte, mas diante da manutenção do artigo no PL, passaram a defender que os valores sejam direcionados para um fundo de fomento ao jornalismo. Já a Associação de Jornalismo Digital (Ajor) afirma temer que a negociação direta provocou sem a instituição de negociação de transparência sobre valores e critérios.

Retirada de agência fiscalizadora

Um dos cernes originais do projeto era a criação de uma entidade autônoma que teria o poder de instaurar processos administrativos contra as plataformas e aplicar.

No entanto, uma parte significativa da Câmara não manifestou apoio ao artigo que previa essa entidade. A oposição bolsonarista, por sua vez, aceitou de que o órgão se tornaria um orwelliano “Ministério da Verdade”, motivado por razões ideológicas.

O deputado Orlando Silva optou, então, por retirar a criação da entidade da versão final do texto. Ao anunciar a decisão, ele disse que manteria o artigo acabaria inviabilizando a aprovação de todo o projeto de lei.

“Houve muita crítica de diversas bancadas. A minha impressão é que se mantivéssemos essa ideia, poderia interditar o debate e inviabilizar o avanço da proposta”, disse.

Defensores e opositores

Em seu relatório, o deputado Orlando Silva mencionou que diversos países, como Alemanha e França, já contam com legislações semelhantes e citaram o combate à disseminação de notícias falsas como um dos motivos para a aprovação do projeto.

“A liberdade na internet, embora propiciadora da sociedade em rede e concretizadora de vários direitos fundamentais, traz consigo algumas externalidades negativas. Uma delas são as notícias falsas ou, como têm sido comumente chamadas, como notícias falsas”, escreveu o deputado.

O projeto é apoiado pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Já as big techs resistem à aprovação e divulgaram notas afirmando que o tema necessário de “mais debate”, embora o projeto esteja em discussão há três anos no Congresso e tenha sido tema de audiências públicas.

Segundo o jornal O Globo , representantes de plataformas como TikTok e YouTube procuraram nos últimos dias influenciadores digitais para sugerir que eles se manifestassem contra a tramitação em urgência do projeto.

A bancada de extrema direita do Congresso também vem articulando oposição ao projeto, acusando o texto de ser uma ferramenta de censura e espalhando notícias falsas sobre seu teor.

No final de abril, o ex-procurador da Lava Jato e deputado Deltan Dalllagnol (Podemos-PR), por exemplo, veiculou mensagens em suas redes sociais afirmando que a aprovação da lei levaria à censura da divulgação na internet de certos versículos da Bíblia, ainda que projeto não avançasse sobre a liberdade religiosa.

Em resposta, o deputado Orlando Silva veio a público afirmar que isso não era verdade, e tratou de deixar mais explícito na redação que esse não era o caso.

Mais artigos desta categoria

Botão Voltar ao topo
Fechar

Bloqueador de anúncios

Não bloqueie os anúncios