EUA admitem que mataram inocentes em ataque com drone, em Cabul

EUA haviam dito antes que ataque matou terrorista, mas voltou atrás
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
EUA emitem declaração com 60 nações sobre a situação no Afeganistão
Inicialmente, EUA haviam dito que ataque matou terrorista que agiria durante retirada de civis de Cabul (Reprodução)

O Pentágono afirmou nesta sexta-feira (17/09) que um ataque de drone em Cabul, realizado em 29 de agosto, matou dez civis por engano, incluindo sete crianças, e não atingiu nenhum terrorista do grupo “Estado Islâmico”, como informado anteriormente.

Após o ataque, o Pentágono sustentou que o alvo era um carro-bomba que se preparava para realizar um atentado no aeroporto da capital afegã, onde os Estados Unidos realizavam os últimos esforços para retirar seus cidadãos, a poucas horas do fim do prazo previsto da ocupação do país.

O Departamento de Defesa dos EUA realizou uma revisão interna sobre o ataque, e concluiu que ele não atingiu o alvo pretendido.

“O ataque foi um erro trágico”, afirmou o general Frank McKenzie, diretor do Comando Central militar dos Estados Unidos, em uma entrevista coletiva.

“Estou agora convencido que dez civis, incluindo até sete crianças, foram tragicamente mortas no ataque. Além disso, agora avaliamos que é improvável que o veículo e aqueles que morreram eram vinculados ao EI-K, ou uma ameaça direta às forças americanas”, ele disse, referindo-se ao braço do “EI” no Afeganistão.

McKenzie pediu desculpas pelo erro e disse que o governo americano está considerando pagar indenizações aos familiares das vítimas.

À épica, uma reportagem do jornal americano The New York Times ouviu de uma família de Cabul que o ataque havia matado dez de seus membros, incluindo sete crianças, um funcionário de organização humanitária americana e um colaborador das Forças Armadas dos EUA. Mas o Pentágono mantinha a até poucos dias atrás a posição de que o ataque tinha sido justificado.

Entre as vítimas, um colaborador dos EUA

Segundo a reportagem do The New York Times, Zemari Ahmadi, que trabalhava para a ONG Nutrition and Education International, voltava de carro para casa depois do trabalho e de deixar alguns colegas em suas residências, na noite de domingo, de acordo com relatos de alguns de seus parentes e colegas ao jornal americano.

Ao chegar na ruela onde morava com três irmãos e suas famílias, diversas crianças viram o carro se aproximar e correram para saudá-lo. Quando o veículo entrava no pátio da casa, um míssil atingiu sua parte traseira, matando Ahmadi e algumas das crianças, além de ferir outras mortalmente no interior da casa.

A filha de Ahmadi Samia, de 21 anos, estava em casa quando o ataque ocorreu. Inicialmente ela pensou se tratar de um atentado do Talibã, até se dar conta de que os americanos estavam por trás do incidente.

Seu noivo, Ahmad Naser, ex-colaborador das tropas americanas no Afeganistão, está entre as vítimas. Ele viera da província de Herat na esperança de deixar o país num dos voos ocidentais.

Ahmadi era engenheiro técnico da representação da ONG com sede em Pasadena, Califórnia. Seus vizinhos e parentes, muitos dos quais trabalhavam nas agora extintas forças de segurança afegãs, asseguram que ele não tinha associação com nenhum grupo terrorista.

Por Deutsche Welle
bl (AP, ots)

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas