Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Palco vira bar em peça Segunda Okê

(Taciso Ramos/Divulgação)

Ao chegar no Teatro Viradalata, o público será conduzido ao palco, onde estarão dispostas mesas e cadeiras. Entre comes, bebes e cantorias de um típico bar de karaokê, dois casais improváveis vivem encontros e desencontros, compondo um cenário repleto de questionamentos sobre relações nos dias de hoje e amores não correspondidos.

O espetáculo Segunda Okê tem texto de Cristiane Wersom, direção de Marcio Macena e encerra temporada dia 20 de maio no Teatro Viradalata. Em cena estão Cristiane Werson, Talitha Pereira, Murilo Cunha e Pedro Bosnich, que também assina produção do espetáculo.

Inspirada por uma das mais conhecidas comédias de William Shakespeare, Sonho de Uma Noite de Verão, a peça Segunda Okê marca a continuidade da parceria de Pedro Bosnich e Cristiane Wersom, que montam sua terceira peça como dupla. Idealizada por Pedro, o espetáculo parte de uma proposta de encenação não tradicional. “É uma maneira de fazer com que o público seja de fato parte da montagem”, conta o ator.

A peça utiliza com frequência o improviso, especialidade de Cristiane Wersom. “Faz mais de 15 anos que trabalho com esse recurso. As dinâmicas dependem muito do retorno do público, mas vamos abordá-los de forma muito amorosa. Quem topar fazer uma participação não será isolado, mas sim integrado a proposta do espetáculo”, diz. Ela conta que os trabalhos conjuntos com Bosnich dão certo devido à vontade da dupla em viabilizar projetos e trabalhar com diversos gêneros diferentes.  Desde outubro de 2018, montaram juntos a comédia romântica Na Cama e o drama O Bosque Noturno.

Sobre a encenação

(Taciso Ramos/Divulgação)

O enredo acompanha a ida de quatro jovens a um bar de karaokê. Heloísa (Cristiane Wersom) vai aproveitar a folga sem saber que Lizandro (Murilo Cunha), um jovem nerd que está apaixonado por ela, a seguiu até ali. Ela se encanta pelo garçom Demétrio (Pedro Bosnich), que por sua vez só tem olhos para Helena (Talitha Pereira), cliente assídua e ótima cantora que se sente atraída pelo nerd que está seguindo Heloísa. Em meio a bebidas, os jovens confundem-se e tentam disfarçar os sentimentos de uns pelos outros. Os clientes do bar são convidados a ajudar as personagens com conselhos amorosos e dicas musicais.

As músicas escolhidas para o karaokê, que serão mostradas ao público numa cartela, vão desde clássicos globais, como Mamma Mia, da banda sueca ABBA; até sucessos da dupla Sandy & Junior, sertanejos atuais e Evidências, de Chitãozinho & Xororó. “As personagens são pessoas que sempre vemos por aí: a Heloísa é uma workaholic; o Lizandro é um rapaz viciado em internet e tecnologia; o Demétrio é um homem fútil, que se preocupa em excesso com o corpo, achando que isso é suficiente para ser uma boa pessoa; e Helena é uma cantora que espera pelo reconhecimento do público, pela fama e pelo sucesso”, diz Cristiane.

Pedro Bosnich, que já trabalhou anteriormente com o diretor Marcio Macena, contou que o convite ao diretor partiu da vontade de trabalhar com alguém que pudesse compreender questões relevantes, como a utilização frequente do improviso e as escolhas de ambientar o público no espetáculo. “O Marcio é um diretor que tem um olhar disponível para entender as propostas de um projeto e sabe acolher com muito respeito as questões levantadas pelos outros criativos”, ressalta. Pedro e Marcio já trabalharam juntos em diversas outras produções, como Coisas Estranhas Acontecem Nesta Casa, que teve co-direção de Marisa Orth.

Para Marcio, a escolha é pautar a encenação pela leveza proposta pelo texto. “Muitas vezes busco a simplicidade na estética. Acredito que uma boa história contada por bons atores é suficiente para se ter um excelente espetáculo. Sempre, claro, contando com uma equipe criativa de qualidade”. Compõe ainda o time de criadores oiluminador Cesar Pivetti, com quem Marcio está trabalhando em conjunto pela sétima vez.

SEGUNDA OKÊ

  • Temporada: 1º de abril a 20 de maio, segundas-feiras, às 21h
  • Classificação: Livre.
  • Duração: 70 minutos.
  • Capacidade: 130 lugares (público senta em cadeiras dispostas no palco. Não serão utilizadas as poltronas do teatro). 
  • Ingressos: R$50 (inteira) e R$ 25 (meia).

TEATRO VIRADALATA  

  • Rua Apinajés, 1387 – Perdizes. 
  • Telefone: (11) 3868-2535.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1
Fale agora com nossa equipe!
Powered by