Polícia Federal faz operação contra migração ilegal

Entre as vítimas migrantes estão cidadãos do Estado de São Paulo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Arquivo/PF/Reprodução)

A Polícia Federal deflagrou hoje (17) uma operação contra o contrabando de migrantes. Segundo comunicado, as investigações tiveram início após fuga de um homem com a filha de 3 anos para o Paraguai. Com a prisão, em 5 de junho, na fronteira com o Paraguai, e a recuperação da criança pela mãe, as investigações também identificaram a existência de associação criminosa envolvida na promoção de migração ilegal de brasileiros para os Estados Unidos da América, com o fim de obter vantagem econômica.

“A PF representou por dois mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva, expedidos pela 35ª Vara Federal, Seção Judiciária de Minas Gerais, e cumpridos nas cidades mineiras de São Joaquim de Bicas e Abre Campo, sendo um de cada tipo em cada município”, diz o comunicado.

As pessoas presas na manhã de hoje eram responsáveis, segundo a investigação, por transportar os migrantes no território nacional e efetuar pagamentos para o funcionamento do esquema. “As apurações indicam que recentemente foram enviados 14 brasileiros para o México, pessoas que atualmente se encontram em solo mexicano e aguardam instruções para cruzar a fronteira com os EUA. Além disso, existem outros 7 brasileiros no estado de São Paulo que esperavam orientações da associação criminosa para migrar para o exterior”, afirma a PF.

As investigações prosseguem para localizar as vítimas (migrantes) que ainda se encontram no México e aquelas que ainda não deixaram o território brasileiro. A promoção de entrada ilegal de brasileiro em país estrangeiro, com a finalidade de obter vantagem econômica, é crime punido com reclusão de até cinco anos.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas