Setor de serviços cresce 20,9% em faturamento no primeiro semestre

Aumento corresponde a um faturamento de R$ 43,6 bilhões maior que 2020
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Arquivo/Divulgação)

O setor de serviços da capital paulista registrou alta de 20,9% no faturamento, no primeiro semestre deste ano, em relação ao mesmo período de 2020. O aumento corresponde a um faturamento de R$ 43,6 bilhões superior ao período anterior. Os resultados são da Pesquisa Conjuntural do Setor de Serviços na Cidade de São Paulo (PCSS), realizada pela FecomercioSP.

O faturamento do primeiro semestre de 2021 totalizou R$ 252 bilhões. Segundo a entidade, os resultados demonstraram recuperação da maioria das atividades do setor, exceto em educação e turismo. 

“Destacaram-se, em relação a 2020, os setores de agenciamento, corretagem e intermediação (26%); jurídicos, econômicos e técnico-administrativos (22,1%); metodologia e comunicação (46,2%); representação (22,3%); saúde (25,8%); Simples Nacional (24,4%); e técnico-científico (35,6%). Na contramão, ficou educação, com resultado negativo de 1,1%”, divulgou a FecomercioSP. Turismo teve queda de 39,1% no faturamento do período.

O levantamento fez uma projeção de alta para o setor, no segundo semestre do ano, de 16,9% em relação ao ano passado, baseando-se nas condições socioeconômicas atuais. Se a projeção se concretizar, isso representará um faturamento de cerca de R$ 297 bilhões.

Apesar da avaliação de que a recuperação entre os setores será acompanhada pelos ritmos da vacinação, da flexibilidade das atividades e da capacidade de reação da economia, a entidade afirma que o momento ainda é de incertezas. 

“Historicamente, o segundo semestre costuma apontar resultados melhores que o primeiro, no entanto, a conjuntura atual ainda é de incertezas, com surgimento de novas variantes, inflação elevada – com efeitos na renda e na inadimplência – e, principalmente, com o risco de racionamento de energia, que já afeta os custos e as despesas das empresas, além de reduzir o poder de compra dos consumidores”, ponderou a FecomercioSP.

O turismo é uma das atividades mais afetadas pelas incertezas relacionadas à pandemia, conforme aponta a entidade. No primeiro semestre, o segmento de turismo, hospedagem, eventos e assemelhados teve resultados negativos de 39,1%, em relação ao ano passado, e de 67,3%, na comparação com 2019.

Faturamento mensal

A PCSS mensal mais recente feita pela entidade apontou que, em junho, o faturamento do setor de serviços atingiu R$ 48,1 bilhões. Este foi o maior rendimento da série para o mês de junho.

Na comparação com o ano passado, o indicador aumentou 26,1%, representando um aumento na receita de R$ 9,9 bilhões. No acumulado em 12 meses, a alta foi de 12,4%. 

Todos os grupos de atividades que compõem o indicador apontaram aumento no faturamento, como nos segmentos de agenciamento, corretagem e intermediação (42%); jurídicos, econômicos e técnico-administrativos (28%); mercadologia e comunicação (56,2%); saúde (34,6%); e técnico-científico (42,3%).

A FecomercioSP aponta que a maior alta foi registrada na atividade de turismo, hospedagem, eventos e assemelhados (114,2%). “É necessário considerar, porém, a base de comparação fragilizada, em razão da restrição de circulação de pessoas em meio ao isolamento social”, explicou a entidade.

Por Agência Brasil

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas