Estado amplia vacinação da gripe para toda população a partir de segunda-feira

Campanha para os grupos prioritários se encerra nesta sexta-feira
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O Estado de São Paulo decidiu ampliar campanha de vacinação contra a gripe a partir de segunda-feira (12). Com término da campanha dos grupos prioritários nesta sexta-feira (9), as doses remanescentes poderão ser aplicadas em pessoas de outras faixas etárias.

Conforme balanço desta segunda-feira (5), 8,4 milhões de doses foram aplicadas nos públicos-alvo, correspondendo a uma cobertura vacinal de 45,9%, entre um total de 18 milhões de pessoas que integram as categorias indicadas na campanha. Com exceção dos indígenas – único grupo a atingir 100% de cobertura -, todos os demais públicos têm coberturas inferiores a 65%.

Assim, a expansão para a população em geral foi definida pela Secretaria de Estado da Saúde em conjunto com os municípios e permite que mais pessoas se protejam contra o vírus Influenza.

“Contamos com a participação de todos que integram estes públicos para que procurem os postos até esta sexta-feira (9) e garantam sua proteção contra a gripe. Estas pessoas ainda terão prioridade a partir do dia 12, mas toda a população poderá se vacinar enquanto houver doses disponíveis na rede”, diz a médica da Divisão de Imunização da Secretaria, Helena Sato.

Etapas

Visando reduzir aglomerações para reforçar a prevenção à COVID-19, o cronograma da campanha foi dividido em três etapas e, mesmo entre os grupos inseridos anteriormente e que ainda podem comparecer aos postos, ainda há baixa adesão.

A primeira etapa começou em 12 de abril, voltada a 5,5 milhões de pessoas. Desse total, somente 3,1 milhões aderiram à campanha até o momento, somando 2 milhões crianças 64,1% de cobertura vacinal), 234,8 mil gestantes (53,7%), 850,1 mil profissionais da saúde (54,7%) e 44 mil puérperas (62,6%). Também foram vacinados 6,6 mil indígenas, plenamente alcançados com a campanha.

Outras 7,8 milhões de pessoas estavam incluídas na segunda etapa, realizada a partir de 11 de maio. Somente 4 milhões procuraram os postos até o momento. Entre os idosos, que tradicionalmente têm alto engajamento na campanha, foram aplicadas 4 milhões de doses, o que equivale a apenas 55,2% da cobertura vacinal. Também foram imunizados 289 mil professores, com 53,1% de alcance (confira abaixo dados por região).

Esta terceira e última etapa da campanha, que começou no dia 9 de junho, previa 5,1 milhões pessoas com comorbidades e com deficiência (física, auditiva, visual, intelectual e mental ou múltipla); caminhoneiros, trabalhadores portuários e de transporte coletivo; profissionais das forças armadas, de segurança e salvamento e funcionários do sistema prisional; população privada de liberdade e jovens e adolescentes sob medidas socioeducativas. Porém, até hoje (5), somente 881 mil pessoas destes grupos se imunizaram.

Seguindo a legislação, devem ser priorizados nas salas vacinais os idosos com mais de 80 anos e há triagem diferenciada e orientações para quem apresentar sintomas respiratórios.

O Instituto Butantan disponibiliza ao Brasil 80 milhões de doses da para a campanha nacional, com produção integral do imunizante e sem necessidade de importação de matéria-prima. O imunizante deste ano é constituído por três cepas de Influenza: A/Victoria/2570/2018 (H1N1)pdm09; A/Hong Kong/2671/2019 (H3N2); e B/Washington/02/2019 (linhagem B/Victoria).

Em 2020, o Estado de São Paulo registrou 809 casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) atribuíveis ao vírus Influenza e 119 óbitos.

“A gripe e a COVID-19 são doenças respiratórias que circulam simultaneamente aqui no Estado. Por isso, toda medida preventiva é necessária para cuidar de si e do próximo. A vacina é totalmente segura e não causa gripe, pois é composta apenas de fragmentos do vírus que garantem a devida proteção”, complementa Núbia.

COVID-19

Quem está nos grupos da campanha de gripe e também estiver entre os públicos da vacinação contra COVID-19 deve respeitar um intervalo de 14 dias para receber doses destinadas a prevenção contra estas doenças.

Se houver interesse em intercalar o cronograma, como o imunizante contra o novo coronavírus é aplicado em duas doses, é possível receber a primeira, aguardar 14 dias para receber a da gripe, e depois esperar no mínimo mais 14 dias para receber a segunda dose contra COVID-19.

Respeitando os protocolos de prevenção, as salas de vacinação deverão manter organização do ambiente e evitar aglomerações, com distanciamento entre mesas e profissionais e pacientes, além da disponibilização de álcool para higienização das mãos.

A aplicação da vacina contra a gripe deve ocorrer em sala distinta da reservada para imunização contra COVID-19.

Os profissionais estão orientados a fazer triagem com identificação de paciente com sintomas respiratórios, como tosse, coriza e falta de ar. Os que apresentarem apenas tosse ou coriza poderão receber a vacina, com a orientação para procurar um serviço de saúde. A mesma recomendação será dada aos que apresentarem febre ou mau estado geral, e neste caso a aplicação da vacina precisará ser reprogramada até a recuperação do quadro clínico.

Por Gov. do Estado

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas