Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Jungmann nega omissão em relação a venezuelanos em Roraima

Débora Brito/Agência Brasil

Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann visita instalações do centro de triagem para solicitantes de refúgio e residência temporária, em Pacaraima.
(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Após visitar os centros de recepção e triagem de imigrantes na fronteira entre Brasil e Venezuela, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse nesta quinta-feira (23) que  episódios de violência que levaram à saída de venezuelanos da cidade de Pacaraima (RR) não são de responsabildiade do governo federal.

“A responsabilidade de fatos como esse tem que ser atribuída à situação trágica que se vive na Venezuela e obviamente essa migração se dá num ponto do Brasil cuja infraestrutura é muito incipiente. O governo federal tem procurado fazer tudo o que está ao seu alcance”, disse Jungmann a jornalistas durante sua visita ao município de Pacaraima.

Questionado se o governo não teria sido omisso em deixar mais de mil imigrantes sem assistência nas ruas de Pacaraima, Jungmann rebateu que a responsável pelos conflitos é a própria crise no país vizinho. Ele enfatizou que a situação é resultado de uma dificuldade que extrapola as fronteiras de vários países.

O ministro reconheceu que existe tensão, mas ponderou que o controle da situação não depende de uma solução isolada do governo federal. “Tem problema tem, tem tensão tem. Onde migração, no mundo, não cria tensão, não cria conflito? Agora, a postura correta é uns procurarem ajudar os outros pra fazer com que rapidamente essas tensões e conflitos possam ser superados e a gente possa viver na normalidade”.

O ministro ainda descartou totalmente a possibilidade de fechamento da fronteira, em respeito a acordos internacionais, à legislação nacional e à política internacional brasileira de recepção humanitária de imigrantes.

Ele citou como exemplo a Colômbia, que recebeu mais de um milhão de venezuelanos e não cogitou fechar a fronteira. E comentou ainda que a Organização dos Estados Americanos (OEA) já convocou uma reunião emergencial para tratar da crise migratória na região.

Segurança

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Mais 40 estações de trabalho serão adicionadas nos postos de triagem para agilizar o processo de registro e documentação dos imigrantes. O objetivo é evitar que eles fiquem nas ruas enquanto esperam a regularização dos documentos.

Sobre o reforço da segurança na região, Jungmann reafirmou que o patrulhamento será reforçado com 120 homens da força nacional (60 deles ainda estão a caminho via terrestre com 16 veículos). Além do contingente de 220 integrantes das forças armadas que já estão na região e passarão a fazer patrulhamento ostensivo na fronteira em apoio à Polícia Federal. O ministro disse ainda que a PF receberá R$ 2 milhões para reforçar sua atuação na fronteira.

O ministro acrescentou que o governo do estado também deve aumentar o efetivo de policiais na cidade, principalmente de agentes da polícia civil para dar continuidade aos inquéritos e investigações que estão em andamento. Em nota, o governo estadual disse que um edital já está aberto para realização de concurso para diferentes áreas da polícia.

(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Saúde

Jungmann também foi questionado pelos jornalistas sobre a instalação de um hospital de campanha em Pacaraima para desafogar os hospitais locais que estão sem vagas para atender a brasileiros e venezuelanos.

Segundo o ministro, a cidade já conta com uma unidade deste tipo, mas a informação é negada pela gestão estadual. Em seguida, o Exército esclareceu que se trata de um posto avançado que dá apoio a um Hospital de Campanha.

1
×
Fale agora com nossa equipe!