Capital estuda Réveillon e Carnaval com público presencial

Prefeitura criou grupo de trabalho para discutir os dois eventos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Arquivo/Marcelo Pereira/Fotos Públicas)

A prefeitura de São Paulo montou dois grupos de trabalho para tratar sobre o réveillon e o carnaval, com presença de público, na cidade. Segundo o prefeito Ricardo Nunes, o assunto foi debatido em reunião ocorrida nesta quinta-feira (1º) entre diversas secretarias municipais.

“[Na reunião] saiu um grupo que vai organizar a questão do réveillon com as normas de organização, sempre com a [Secretaria de] Saúde junto. O responsável desse grupo será o secretário-executivo do estado. Um outro grupo que vai cuidar do carnaval de rua. Carnaval a gente vai tratar de duas formas: carnaval de rua e carnaval do Sambódromo”, disse o prefeito hoje, após entrega do Plano de Metas para a Câmara Municipal.

O grupo responsável pelo carnaval de rua será coordenado pelo secretário Alexandre Modonezi, da Secretaria Municipal das Subprefeituras (SMSUB).

“O carnaval de rua, pelo tamanho que a gente espera que seja, deve ser o maior carnaval da história”, disse Nunes.

Milhares de foliões curtem o carnaval de São Paulo na avenida Marquês de São Vicente, na Barra Funda (Arquivo/SPTuris/Reprodução)

Reabertura

O prefeito disse ainda que há um grupo de trabalho mais amplo para tratar das ações de reabertura de atividades na capital quando o percentual de vacinados chegar em 70%. “Chegando o número de vacinados na cidade de São Paulo em 70%, hoje nós estamos em 56%, nós vamos começar a fazer um processo de reabertura dos nossos espaços públicos – Anhangabaú, Paulista e por aí adiante”, disse.

Segundo Nunes, o grupo que vai cuidar do réveillon e do carnaval vai interagir com esse grupo de trabalho mais amplo, que vai coordenar as ações de reabertura das atividades. “[As ações de reabertura] nós chamamos de retomada econômica, que é muito importante para a cidade poder voltar a gerar emprego, renda e dar dignidade às pessoas”, disse.

Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas