Rio Pinheiros terá 530 mil ligações para coleta de esgoto, diz Estado

Estimado em R$ 1,5 bi, projeto visa devolver o rio limpo à população
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Rio Pinheiros, em São Paulo (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Até 2022, o governo do estado de São Paulo construirá a infraestrutura para a coleta e tratamento de esgoto em mais de 530 mil imóveis de comunidades informais instaladas nas proximidades do Rio Pinheiros, na capital paulista. A previsão é do secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido. 

Segundo a pasta, por se tratar de comunidades instaladas em áreas irregulares, o tratamento do esgoto será feito por pequenas estações, chamadas de unidades de recuperação da qualidade da água, nos próprios córregos por onde o esgoto chegaria ao Rio Pinheiros. 

“Teremos todas as comunidades em áreas informais dessa bacia tratadas dentro de uma lógica que é do tratamento no afluente, no próprio corpo, nas miniestações de tratamento”, explicou Penido, ao participar hoje (26) do evento Brazil Water Week, promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes). De acordo com o secretário, o esgoto dessas comunidades, em que não é possível “ir na porta”, por questões legais da informalidade, será tratado no próprio afluente.

O projeto Novo Rio Pinheiros prevê intervenções em áreas de todas as sub-bacias dos grandes afluentes do rio, onde vivem cerca de 3,3 milhões de pessoas.

Estimado em R$ 1,5 bilhão, o pacote de obras tem o objetivo de devolver o Rio Pinheiros limpo para a população até 2022.

Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil 

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas