Agência da UE aprova vacina para crianças a partir de 5 anos

Vacina da Pfizer será usada para proteger crianças, com 90,7% de eficácia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) deu luz verde nesta quinta-feira (25/11) para o uso da vacina da Pfizer-BioNTech contra a covid-19 em crianças entre 5 e 11 anos de idade, abrindo o caminho para a imunização de milhões em meio a uma nova onda de infecções no continente.

Trata-se da primeira vacina liberada para crianças pequenas na União Europeia (UE).

A vacina, chamada Comirnaty, deve ser aplicada em duas doses de 10 microgramas, com um intervalo de três semanas entre as injeções, recomendou a EMA. As duas doses aplicadas nos adultos contêm 30 microgramas cada.

(Divulgação)

“Os benefícios da Comirnaty em crianças com idade entre 5 e 11 anos superam os riscos, particularmente naquelas com condições que elevam o risco de caso grave de covid-19”, afirmou a agência.

A Pfizer e a BioNTech afirmaram que seu imunizante apresentou eficácia de 90,7% contra o coronavírus em testes clínicos com crianças nessa faixa etária. A vacina já foi aprovada em maio para uso em adolescentes a partir dos 12 anos na União Europeia.

A aprovação final da vacinação das crianças a partir de 5 anos depende agora da Comissão Europeia, mas o órgão costuma seguir as recomendações da EMA.

Ainda não está claro quando os países da UE poderão começar a imunizar crianças pequenas. Nesta semana, o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, disse que o bloco começaria a receber doses para crianças em 20 de dezembro.

Na Áustria, onde a situação da pandemia é particularmente grave, autoridades não esperaram a autorização da EMA e já começaram a vacinar cidadãos a partir dos 5 anos de idade.

Com a vacinação de crianças pequenas, o bloco se juntará a um número crescente de países que já aprovaram a imunização nessa faixa etária, entre eles Estados unidos, Canadá, Israel, China e Arábia Saudita.

Por Deutsche Welle
lf (Reuters, AP, DPA)

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas